Lusoponte garante que já pagou (há 20 anos) manutenção da Ponte 25 de Abril

Ferreira do Amaral, ex-ministro e atual presidente da Lusoponte, garante que o pagamento foi feito através de um perdão de dívida ao Estado.

Joaquim Ferreira do Amaral, ex-ministro das Obras Públicas e atual presidente da Lusoponte, afirma que a empresa que explora a concessão das duas pontes que ligam Lisboa a Almada (25 de Abril) e a Alcochete (Vasco da Gama) já assumiu as suas responsabilidades.

O ex-ministro refere-se ao acordo com o Governo de António Guterres, em 2000, para deixar de comparticipar os custos anuais de manutenção da infraestrutura da ponte.

“O que se pode dizer é que a Lusoponte já pagou a manutenção. Pagou como estava previsto no contrato inicial – não da forma que estava prevista, que era entregar dinheiro ao Estado todos os anos, mas através de um perdão de dívida ao Estado. Portanto, pagou”, disse, em declarações à TSF.

De acordo com o presidente da concessionária, esta revisão teve a contrapartida de a Lusoponte abdicar do dinheiro que o Estado lhe devia, já que seria “absurdo receber essa prestação anual para a manutenção para depois o Estado pagar aquilo que devia à Lusoponte”, refere.

Segundo o Observador, esse acordo que Ferreira do Amaral diz ser “razoável”, foi alvo de criticas por parte do Tribunal de Contas. Os juízes do TC sugeriam que a anulação das comparticipações da Lusoponte para as despesas de manutenção a ponte “veio permitir à concessionária uma redução efetiva dos seus custos operacionais“.

Além disso, permitiu “gerar um aumento efetivo dos cash flows do projeto”. O Governo contestou esta conclusão e defendeu que a “eliminação da comparticipação da Lusoponte nas despesas teve reais reflexos positivos no montante da compensação financeira direta calculada”.

A despesa que o Estado poupou em compensações devidas à Lusoponte, destaca o jornal, acabou por aumentar a fatura com manutenção por conta do próprio Estado.

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCp, já veio criticar as consequências do negócio. “Quem explora, quem tem lucro, não pode sacudir para o Estado a responsabilidade de corrigir as infraestruturas”, afirmou.

Também Catarina Martins deixou claro que o Bloco de Esquerda “também se interroga sobre se tem sentido um privado ficar com todo o lucro das portagens e ser o Estado a pagar as intervenções nas obras, quando é necessário. Parece-nos que o modelo de Parceria Público-Privada é um modelo ruinoso de investimento no país”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Mais uns grandes empreendedores privados a mamar na teta do Estado!..
    Com lucros garantidos e as depesas pagas pelo Estado, qualquer um é um grande empresário!..

RESPONDER

Robôs substituem estudantes em cerimónia de graduação no Japão

Impedidos de estarem na sua cerimónia de graduação por causa do novo coronavírus, estudantes japoneses marcaram presença com a ajuda de robôs. Com as universidades fechadas devido à pandemia de covid-19, muitos foram os estudantes universitários …

Governo flexibiliza prescrição eletrónica de medicamentos

Esta quinta-feira, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que cria o regime excecional de prescrição eletrónica de medicamentos durante o estado de emergência. O Governo criou um regime excecional de prescrição eletrónica de …

Médicos imigrantes impedidos de ajudar a combater o coronavírus nos EUA

Devido às regras dos vistos, muitos médicos imigrantes estão a ser proibidos de ajudar a combater a pandemia de covid-19 fora do hospital em que trabalham. Os Estados Unidos continuam a sentir em força as consequências …

Espanha insiste em emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo"

A ministra da Economia espanhola diz que o acordo alcançado pelo Eurogrupo "fazia falta", mas insiste que haja emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo". O Parlamento espanhol aprovou, entretanto, a renovação do estado …

Hyundai apresenta conceito de novo elétrico conduzido com joysticks

A Hyundai apresentou o conceito para um novo veículo, chamado Prophecy. O carro elétrico não é guiado pelo tradicional volante, mas sim por dois joysticks. As feiras automóveis estão todas interrompidas devido à pandemia de covid-19, …

Hospital da Cruz Vermelha excluído da rede de combate à pandemia

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, anunciou esta quinta-feira o executivo, realçando que esta decisão é tomada porque, face à situação atual, …

Coronavírus. Luvas de látex são perigosas quando não utilizadas corretamente

Quase como acontece com as máscaras, caso não sejam utilizadas corretamente, as luvas descartáveis de látex podem ser perigosas, ajudando a disseminar mais facilmente o vírus. A pandemia de covid-19 despertou grande interesse de como as …

Bloco de Esquerda "não vai aceitar austeridade" no pós-pandemia

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda diz que "não vai aceitar austeridade" em 2021, após a pandemia da covid-19, e garantiu que, pelo seu partido, "não faltará maioria" para ajudar Portugal a sair de …

Em Canonica d'Adda, homens e mulheres têm dias diferentes para ir às compras

A presidente da câmara de uma pequena cidade da Lombardia, Canonica d'Adda, em Itália, decidiu que homens e mulheres terão dias diferentes para fazer compras, visando limitar a multidão nas lojas e lutar contra a …

Linhas de crédito alargadas a todos os setores de atividade

O Governo alargou os apoios "à globalidade do tecido empresarial", nomeadamente aos setores do comércio e serviços, dos transportes, do imobiliário, da construção, indústrias extrativas e transformadoras. As linhas de crédito lançadas pelo Governo para apoiar …