Lisboa está entre as cem cidades com os melhores hospitais do mundo

Mário Cruz / Lusa

Hospital de Santa Maria, Lisboa

Lisboa figura na lista das cidades com os melhores hospitais do mundo segundo o estudo “Best Hospital Cities Ranking 2019”, realizado pela primeira vez pela tecnológica da área da saúde Medbelle, uma startup baseada em Londres, no Reino Unido.

Tóquio, no Japão, lidera a tabela e a capital portuguesa surge na posição 95ª de uma lista cujo top 10 é composto, sobretudo, por cidades europeias, embora na segunda posição surja Boston, nos EUA.

Já a Alemanha consegue duas entradas com Munique e Berlim, em 6º e 10º lugar, respetivamente. Em terceiro surge Londres, no Reino Unido, seguida de Paris, em França. As outras duas presenças não europeias são Seul, na Correia do Sul, no 5º lugar, e Melbourne, na Austrália, que ficou classificada em na 7ª posição. Em 8.º e 9.º lugar aparecem Amesterdão, na Holanda, e Basileia, na Suíça, respetivamente.

No que toca à qualidade das infraestruturas hospitalares, Boston figura em primeiro lugar com as melhores instalações do mundo e nesta categoria, Lisboa é a 91ª da lista. No capítulo do melhor acesso aos cuidados médicos pelos doentes, Paris lidera, enquanto Lisboa consegue ficar em 68º do ranking mundial.

Na qualidade dos cuidados clínicos, Tóquio volta a ficar em primeiro e Lisboa em 93ª, enquanto Boston destaca-se ao nível das melhores universidade de medicina, com a capital portuguesa a classificar-se na 82ª posição nesta categoria.

É, de acordo com o semanário Expresso, a primeira vez que a Medbelle conduz este estudo e é provável que esta iniciativa passe a repetir-se anualmente.

O estudo da Medbelle começou pela escolha de uma listagens dos melhores hospitais e das melhores escolas de medicina existentes a nível global. Depois estes elementos foram analisados em três categorias para determinar a excelência hospitalar: infraestrutura, qualidade dos cuidados de saúde e acesso.

A análise incluiu a qualidade do ensino da medicina, o número de camas hospitalares, as taxas de sobrevivência a um diagnóstico de cancro, o número de enfermeiros per capita ou quantidade de cirurgiões per capita. A que se somaram também informações como os custos da medicina ou a prevalência de profissionais médicos na área das doenças mentais.

Todas os indicadores recolhidos serviram para pontuar, com uma escala de zero a 100, cada geografia em termos de serviços hospitalares e classificá-las no ranking das cem melhores cidades do mundo a este nível.

Na apresentação do ranking, a Medbelle explica que realizou esta análise porque “acredita que todos as pessoas devem ter acesso a boa saúde” e que como “parte da onda de soluções médicas digitais vemos, em primeira mão, como as infraestruturas têm um enorme impacto na experiência dos doentes”.

“Uma cidade pode ter um hospital de nível mundial, mas de o sistema de saúde não permite um acesso facilitado e não providencia serviços de saúde de alta qualidade a todos os cidadãos, é porque ainda há espaço para melhorias”, sustenta a startup.

A criação deste ranking mundial olha para o ecossistema hospitalar numa determinada cidade como um todo e não se detém numa ou noutra instituição de forma individual. Os resultados, explica a Medbelle, evidenciam as cidades que oferecem os melhores cuidados médicos em termos globais e pretende criar um “benchmark para o resto do mundo que ajude a percecionar qual a melhor forma de desenvolver a educação na área médica, melhorar a acessibilidade e construir um futuro mais saudável”.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Trump obriga grupo chinês a vender operações do TikTok nos EUA

O Presidente norte-americano deu, na sexta-feira, 90 dias ao grupo chinês ByteDance para vender as suas operações do TikTok nos Estados Unidos, segundo um decreto presidencial assinado por Donald Trump. Trump tem acusado nos últimos meses, …

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …