Descobertas 27 supostas campas perto de reformatório norte-americano com histórico de abusos

Mais de duas dúzias de sepulturas não identificadas podem ter sido descobertas nos terrenos de um antigo reformatório para rapazes, na Florida, EUA, que foi encerrado em 2011 e ficou conhecido pelos espancamentos, abusos e até mortes.

A descoberta foi feita na sequência de trabalhos de limpeza por causa do furacão Michael, que afetou o Estado da Florida em outubro do ano passado, numa zona de densa floresta de pinheiros na área do antigo reformatório, em funcionamento durante 111 anos – entre 01 de janeiro de 1900 e 30 de junho de 2011, noticiou a agência Lusa.

A notícia foi avançada pelo jornal local Tampa Bay Times, segundo o qual a empresa que estava a fazer operações de limpeza na antiga propriedade da Escola Dozier para Rapazes, em Marianna, a cerca de 97 quilómetros de Tallahassee, na zona norte da Florida, descobriu 27 “anomalias” no terreno que podem ser sepulturas, a cerca de 150 metros do cemitério do reformatório.

“A descoberta é chocante porque os antropólogos forenses já descobriram mais sepulturas na propriedade da escola do que aquelas que o Estado conhecia”, referiu o jornal.

Tendo por base sobretudo registos históricos, o Departamento da Polícia da Florida concluiu, em 2009, que havia 31 pessoas sepultadas no cemitério, mas antropólogos da Universidade da Florida do Sul encontraram mais 24 campas, elevando o total para 55 sepulturas, e desenterraram os restos mortais de 51 pessoas.

A maioria eram rapazes que morreram sob custódia do Estado e cujos corpos foram devolvidos às respetivas famílias ou enterrados em Tallahassee.

A Escola Dozier para Rapazes tinha uma área de cerca de 566 hectares e foi fechada em 2011, na sequência de forte pressão pública, depois de o Tampa Bay Times e outros jornais locais terem denunciado os abusos e a negligência generalizada de que eram vítimas as crianças que viviam na instituição, além de várias mortes suspeitas.

As denúncias foram feitas com base nos relatos de um grupo de homens, que se autointitulava “Os rapazes da Casa Branca”, como referência ao edifício branco onde eram espancados pelos guardas com um cinto de couro.

Muitos destes homens, que estiveram presos no reformatório nos anos 1950 e 1960, lembram-se de ter visto vários cemitérios nos terrenos da instituição. Um deles, Jerry Cooper, de 74 anos, citado pelo jornal, recordou uma noite, tinha então 16 anos, em que levou 135 chicotadas como punição.

Bryant Middleton, que foi enviado para a escola em 1959, disse que o grupo de homens tem tentado desde há muito tempo dizer ao Estado da Florida que há mais corpos enterrados e adiantou ter em sua posse uma lista de 130 rapazes que morreram na escola ou desapareceram sem que se saiba onde estão sepultados.

A empresa de limpeza do terreno enviou um relatório ao Departamento de Proteção Ambiental a 26 de março, onde é referido que, através de um radar de penetração no solo – em que foi inspecionada uma área com cerca de 7.200 metros quadrados -, foram encontradas “27 anomalias” consistentes com possíveis sepulturas não identificadas.

Este relatório, divulgado pelo Tampa Bay Times, revelou que as supostas sepulturas não têm nenhum padrão, algo que “é expectável num cemitério clandestino ou informal, em que as campas são escavadas ao acaso e deixadas sem identificação”.

O jornal revelou que a primeira referência a um cemitério nas instalações data de 1914, mais de uma década depois de a escola ter começado a funcionar, mas os registos históricos demonstram que os primeiros anos foram especialmente brutais para as crianças que lá viviam.

Por exemplo, em 1903, uma investigação demonstrou que havia crianças, algumas com seis anos, “presas com ferros, tal como criminosos comuns. E em 1911, outra comissão reportou que as crianças eram “por vezes castigadas desnecessariamente e brutalmente, sendo que o instrumento de punição era uma tira de couro presa a um cabo de madeira”.

Em dezembro, foi decidido entregar a propriedade ao Condado de Jackson, que planeia usar os terrenos para construir um centro de produção e distribuição e uma instituição para pessoas com autismo.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, Vénus pode não ser tão semelhante à Terra como pensávamos

Uma nova investigação questiona a habitabilidade de Vénus, planeta que os cientistas consideram há pouco tempo numa outra investigação poder ter um clima habitável semelhante ao da Terra. De acordo com a nova investigação, cujos …

Há gelo no polo sul da Lua e pode ter muitas fontes

Um novo estudo sugere que o gelo encontrado na superfície lunar pode ter milhares de milhões de anos, além de ter surgido de diferentes fontes. O estudo, publicado recentemente na Icarus, sugere que a maioria do …

A Evolução mostra que podemos ser a única forma de vida inteligente no Universo

As reduzidas probabilidades que acompanham a nossa evolução ao longo da história podem ser uma pista que talvez sejamos a única forma de vida inteligente no Universo. Será que estamos sozinhos no Universo? Tudo se resume …

A China está a usar a educação como arma para controlar o Tibete

A China quer obrigar crianças tibetanas a abandonarem as escolas da região e mudarem-se para escolas chinesas. O objetivo, segundo uma especialista, é "tirar o tibetano da criança". A batalha geopolítica entre a China e o …

Revelada explosão violenta no coração de um sistema que alberga um buraco negro

Uma equipa de astrónomos, liderada pela Universidade de Southampton, usou câmaras de última geração para criar um filme com alta taxa de quadros de um sistema com um buraco negro em crescimento e a um …

"É altura de dizer basta". Sporting corta com as claques

O Sporting rescindiu “com efeitos imediatos” os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI – Associação, anunciou hoje o clube, devido à “escalada de …

Poluição atmosférica associada a abortos espontâneos

Elevados níveis de poluição atmosférica foram associados a abortos espontâneos num estudo feito com mulheres grávidas a viver e trabalhar em Beijing, na China. A China é um dos países que mais sofre com a poluição …

Empresas espanholas dominam obras públicas na ferrovia

As empresas espanholas dominam as obras públicas na ferrovia em Portugal, ascendendo a sua quota a 70%, avança o Expresso na sua edição deste sábado. Para presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras …

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …