Líbano forma novo Governo e encerra impasse político de 13 meses

European Parliament / Flickr

O Presidente do Líbano, Michel Aoun

O primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati, e o Presidente, Michel Aoun, chegaram a acordo para um novo Governo, 13 meses após o último executivo se ter demitido na sequência da explosão no porto de Beirute.

Segundo avançou esta sexta-feira o Guardian, o novo gabinete de ministros, liderado pelo antigo primeiro-ministro Najib Mikati, foi anunciado pela presidência, depois de Aoun ter oficializado o novo executivo.

“A situação é muito difícil e todos sabemos isso”, disse Mikati num discurso no Palácio Presidencial, “mas não é impossível se todos nos unirmos enquanto libaneses”.

A explosão no porto de Beirute, a 04 de agosto de 2020, vitimou mais de 200 pessoas e levou à demissão do Governo do primeiro-ministro Hassan Diab. Mikati, um dos homens mais ricos do Líbano, foi encarregado em julho de formar um novo Governo. É a sua terceira vez como primeiro-ministro, tendo assumido o cargo em 2005, em 2011 e 2013.

Mikati terá agora que combater a crise económica instalada no país, que desde 2019 viu a sua moeda desvalorizar mais de 90% face ao dólar, o desemprego a aumentar e uma lata percentagem da população na pobreza. Há ainda cortes de energia e escassez de bens.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Colômbia condenada por não ter investigado agressões "verbais, físicas e sexuais" a jornalista

De acordo com a sentença, o Estado colombiano não investigou devidamente o caso de sequestro, tortura e violação da jornalista Jinedth Bedoya, que estava a trabalhar numa reportagem sobre a guerra civil em 2000. O Tribunal …

Rio diz ter "obrigação" de avançar com recandidatura à liderança do PSD

O presidente do PSD justificou a sua recandidatura à liderança, esta quarta-feira, pela "obrigação" de colocar o interesse do país e do partido à frente da sua vida pessoal. No final de uma audiência com o …

Fenprof e FNE convocam greve nacional de professores para 5 de novembro

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e a Federação Nacional da Educação (FNE) anunciaram, esta quarta-feira, que vão convocar uma greve nacional de professores para 5 de novembro. Em comunicado, a Fenprof refere que a greve …

PCP reconhece aproximação do Governo, mas diz que ainda é insuficiente

O líder parlamentar do PCP considerou, esta quarta-feira, que houve uma aproximação do Governo às propostas do partido, mas que ainda não é suficiente para alterar a avaliação feita sobre o Orçamento do Estado para …

Alemanha pode falhar objetivo de doação de vacinas contra a covid-19 (e culpa fabricantes)

A Alemanha pode falhar o seu objetivo de doar 100 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 a países mais pobres. Um funcionário do ministério da saúde alemão revelou, numa carta a Bruxelas, que a …

Alexei Navalny vence Prémio Sakharov 2021

O opositor russo Alexei Navalny é o vencedor do Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento 2021, anunciou o Parlamento Europeu, esta quarta-feira. Alexei Navalny foi nomeado pelos grupos políticos PPE e Renovar a Europa devido …

Extinção do SEF aprovada na especialidade no Parlamento

A proposta do PS e do Bloco de Esquerda sobre a extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) foi aprovada na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, esta quarta-feira. Segundo o jornal Público, …

Steve Bannon deve ser investigado por envolvimento no ataque ao Capitólio, indica Comissão responsável

Antigo conselheiro de Donald Trump foi aconselhado pelo antigo presidente e pela respetiva equipa de advogados a não colaborar com a comissão especial designada para investigar os ataque. A Comissão responsável por investigar o ataque ao …

Trânsito em Lisboa regista valores mais altos do que em pré-pandemia - e há uma razão para isso

O trânsito na capital tem registado valores que ultrapassaram os da pré-pandemia. O receio que as pessoas ainda têm de usar transportes públicos é visto como o principal fator. Se durante o período de confinamento circular …

Qualificações mais elevadas já não garantem salários altos aos jovens. Contratos a prazo triplicam face às gerações anteriores

Estudar mais anos em Portugal já não é representativo de remunerações mais elevadas. Esta é a principal conclusão de um estudo desenvolvido pela Fundação Calouste Gulbenkian, centrado nas diferenças e semelhanças entre as gerações de …