O levantamento de pesos pode trazer benefícios para a saúde — mesmo na terceira idade

Na investigação, os investigadores procuraram biomarcadores relacionados com a estabilidade das junções entre neurónios e músculos nas amostras da biópsia dos participantes.

É um exercício normalmente associado aos mais jovens, mas um conjunto de novas investigações sobre levantamento de peso apontaram duas novidades na área. Primeiramente, a prática é capaz de fortalecer as ligações entre nervos e músculos e, em segundo lugar, este fortalecimento ainda pode acontecer nos últimos anos das nossas vidas.

Com efeito, começamos a perder massa muscular antes dos 40 anos, causada em parte por uma redução das fibras musculares que acontece como neurónios motores — células do cérebro e da medula espinal que dizem aos nossos corpos para se moverem — quebram-se.

Este declínio não pode ser travado, mas o novo estudo mostra que pode ser retardado significativamente. De acordo com os resultados do estudo, o treino com pesos torna as ligações entre nervos e músculos mais fortes, protegendo os neurónios motores na medula espinal — essencial para o bom funcionamento do corpo.

“Anteriormente, os investigadores não conseguiram provar que o treino com pesos pode fortalecer a ligação entre os neurónios motores e os músculos. O nosso estudo é o primeiro a apresentar descobertas que sugerem que este é de facto o caso”, aponta Casper Søndenbroe, fisiologista da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, ao site Science Alert.

Isto deve-se em parte aos desafios na amostragem de tecido suficiente em locais onde as células musculares e nervosas se ligam para que possam ser feitas medições tão significativas“. Para ultrapassar isto, os investigadores procuraram antes biomarcadores relacionados com a estabilidade das junções entre neurónios e músculos nas amostras da biópsia dos participantes.

A investigação envolveu 38 homens saudáveis e idosos com uma idade média de 72 anos, a quem foi pedido que realizassem um curso de 16 semanas de treino bastante intensivo de levantamento de peso envolvendo compressão, extensões e ondulações de pernas, e dois exercícios de braços. Outro grupo de 20 homens saudáveis e idosos, novamente com uma idade média de 72 anos, não efetuaram treino de musculação e foram utilizados como grupo de controlo.

As sessões de musculação aconteceram três vezes por semana, e após dois meses (a meio da experiência), as diferenças no tamanho muscular e na forma física puderam ser vistas. Os investigadores recolheram biópsias musculares e encontraram alterações detetáveis nos biomarcadores.

Desde giros nas costas a dores nos joelhos, a indicação é que o treino com pesos pode retardar alguma desta rutura entre os músculos e o sistema nervoso, sem realmente o reverter. Os investigadores sugerem que começar mais cedo na vida pode constituir “reservas” sobre as quais o corpo pode voltar a cair. “O estudo mostra que mesmo que se comece tarde na vida, ainda se pode fazer a diferença“, diz Søndenbroe.

“Claro, quanto mais cedo começar, melhor, mas nunca é tarde demais — mesmo que tenha 65 ou 70 anos de idade. O seu corpo ainda pode beneficiar do treino de pesos pesados”. Embora este estudo tenha sido feito em homens, as conclusões também se aplica às mulheres: por exemplo, as mulheres mais velhas, mais propensas à osteoporose, beneficiam tanto do treino de resistência como os homens.

Com o aumento da esperança média de vida, a questão da preservação de uma boa qualidade de vida nos nossos anos crepusculares torna-se cada vez mais importante — e isso inclui manter os músculos a trabalhar o melhor possível. Embora existam certos processos biológicos que não podem ser travados com o passar dos anos, a investigação tem mostrado que a dieta, bem como o exercício físico, podem proteger contra alguns dos danos a que a velhice nos pode deixar vulneráveis.

A etapa seguinte nesta área particular de investigação é determinar como o treino de força ajuda os nervos e os músculos a permanecerem juntos.

“Agora precisamos de determinar que mecanismos específicos causam o treino de peso para reforçar a ligação ao sistema nervoso”, diz Søndenbroe. “Para isso, precisamos de introduzir métodos diferentes, embora o nosso objetivo continue a ser assegurar que o maior número possível de idosos não só viva mais tempo, mas também experimente bem-estar”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.