Lavamos (literalmente) o nosso cérebro todas as noites

Uma equipa de neurocientistas norte-americanos divulgou recentemente um vídeo que revela o processo noturno de pulsação cerebral.

Um vídeo acaba de demonstrar ondas de líquido cefalorraquidiano (CSF) a fluir no nosso cérebro, que pulsam ritmicamente enquanto dormimos. Segundo investigadores da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, este processo elimina qualquer toxina que não se deveria acumular nas nossas cabeças.

A equipa de neurocientistas por trás desta descoberta afirma que este passo pode ajudar os investigadores a estudar mais aprofundadamente vários distúrbios neurológicos e psicológicos, especialmente os associados a padrões de sono interrompido.

“Sabemos há algum tempo que existem ondas elétricas de atividade nos neurónios”, afirmou a neurocientista Laura Lewis, da Universidade de Boston, citada pelo ScienceAlert. “Mas, até agora, não sabíamos que também existem ondas no líquido cefalorraquidiano.”

Estudos anteriores sugeriram que o líquido cefalorraquidiano é muito importante na remoção de resíduos do cérebro. No entanto, até agora, a comunidade científica desconhecia esta ação pulsante – e conseguiram observá-la.

Combinando a atividade cerebral de ondas lentas (que serve, parcialmente, para “fixar” as nossas memórias) e a diminuição do fluxo sanguíneo que acontece enquanto dormimos, as ondas do líquido cefalorraquidiano parecem estar a “lavar” as proteínas desnecessárias e outros detritos que não nos fazem falta no cérebro.

Este novo estudo, publicado no início deste mês na Science, pode ajudar na pesquisa de distúrbios específicos, além de poder também ajudar no estudo de problemas relacionados com a idade, uma vez que a frequência lenta das ondas cerebrais diminui à medida que envelhecemos.

Além disso, este trabalho significa que, a partir de agora, é possível saber se alguém está ou não a dormir, através da análise dos padrões de líquido cefalorraquidiano numa tomografia cerebral.

Para chegar a esta conclusão, a equipa da universidade norte-americana analisou 13 indivíduos, com idades entre os 23 e os 33 anos, enquanto dormiam durante uma ressonância magnética. Investigações futuras poderão ajudar a detetar a deterioração do nosso cérebro à medida que envelhecemos.

Além disso, os cientistas dizem que este pode ser um passo na eliminação da ressonância magnética, uma vez que o ruído produzido durante o exame não é nada propício ao sono.

No entanto, fica no ar uma questão: como é que o líquido cefalorraquidiano, as ondas cerebrais e o fluxo sanguíneo conseguem atingir uma sincronia com tanta perfeição? Os cientistas suspeitam de que, à medida que se desligam durante a noite, os neurónios passam a precisar de menos sangue – e à medida que o sangue drena, a pressão no cérebro é mantida pelo influxo do líquido.

“Essa é apenas uma possibilidade. Quais são os elos causais? Um destes processos está a causar os outros? Ou existe alguma força oculta que está a causar todos eles?”, questiona Lewis, que ainda não tem uma resposta para as suas próprias perguntas.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Disney+ alerta para estereótipos racistas. Filmes clássicos com avisos sobre "maus tratos"

Embora já exibisse mensagens padrão desde o ano passado, a nova plataforma de vídeo Disney+ mostra agora um aviso, que não pode ser passado à frente, no início de vários filmes clássicos - como Dumbo …

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …