Afinal, há lagos no Ártico que não são chaminés de carbono

David Butman / University of Washington

Um novo estudo sugere que um determinado tipo de lago ártico pode não representar uma ameaça aos níveis globais de carbono, como pensávamos até agora.

O Ártico está a aquecer duas vezes mais rápido do que o resto do planeta – e esta, por si só, não é uma notícia feliz. Uma consequência desta tendência é o degelo do permafrost, uma camada da Terra que permaneceu congelada durante milhares de anos em algumas áreas. Este solo detém, atualmente, mais que o dobro do carbono encontrado na atmosfera.

Mas há agora uma boa notícia: um estudo recente sugere que um tipo particular de lago ártico pode não representar uma ameaça aos níveis globais de carbono, como pensávamos. Pelo menos para já.

Grande parte do Ártico está coberta pelo permafrost, a espessa camada de gelo que raramente se derrete. No entanto, há medida que o mundo aquece, perdemos o permafrost, fazendo com que o solo e a vegetação, congelados há centenas de milhares de anos, sejam expostos.

O impacto deste fenómeno é algo que assusta os cientistas, uma vez que o solo e a vegetação estão a armazenar, atualmente, o dobro da quantidade de carbono da atmosfera. Uma vez expostos, os micróbios do solo “mastigam” a matéria orgânica e libertam carbono como dióxido de carbono e metano.

Pesquisas anteriores deixaram os cientistas ainda mais preocupados, depois de descobrirem que alguns lagos do Ártico, conhecidos como termocársticos, podem fazer com que o permafrost ao seu redor derreta ainda mais rápido, acelerando a libertação de carbono profundamente congelado.

Mas há espaço para otimismo, graças a um novo estudo da Universidade de Washington e do Serviço Geológico dos Estados Unidos, que mostra que nem todos os lagos do Ártico estão a libertar carbono à mesma velocidade que os lagos termocársticos.

“Descobrimos que nem todos os lagos de alta latitude são grandes chaminés de carbono para a atmosfera e que os lagos na região não estão a processar muito permafrost nem a plantar carbono na terra”, disse o bioquímico Matthew Bogard, da Universidade de Washington, citado pelo ScienceAlert.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas recolheram amostras de, pelo menos, 20 lagos da região de Yukon Flats, no nordeste do Alasca, durante junho e agosto de 2016 e abril de 2017. Para cada lago, a equipa mediu fatores essenciais como o carbono inorgânico dissolvido na água, temperatura e pH.

Em quase todos os lagos testados, não havia sinais de carbono antigo que havia sido libertado do permafrost. Desta análise, os cientistas concluíram que os lagos estavam a produzir menos emissões de carbono do que o esperado. O artigo científico foi recentemente publicado na Nature Geoscience.

No entanto, apesar da boa notícia, os cientistas ainda não sabem de que forma é que estes lagos podem mudam um clima mais quente, dado que esta é a primeira vez que são estudados. Além disso, alertam os cientistas,é preciso ter em conta que o nosso planeta está a aquecer a um nível sem precedentes.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Califórnia já tem uma estrada pavimentada com plástico

O que parece uma estrada comum é agora a mais recente novidade na cidade de Oroville, na Califórnia. A nova construção junta uma tecnologia que mistura garrafas de plástico com asfalto. Por cada quilómetro de …

Mais de mil operacionais combatem cinco grandes fogos em Portugal

Mais de 1100 operacionais e 16 meios aéreos estão a combater, esta quinta-feira, os cinco maiores incêndios rurais em território continental, concentrados sobretudo na região Centro, de acordo com dados da Proteção Civil. Segundo o site …

Coca-Cola financiou estudos científicos que minimizaram o papel das bebidas açucaradas na obesidade, revela investigação

A Coca-Cola terá financiado com milhões de dólares vários estudos científicos que minimizaram o impacto das bebidas açucaradas na obesidade. A conclusão é de uma investigação publicada na revista médica Public Health Nutrition, que conta …

André Ventura vai pedir suspensão temporária do mandato no Parlamento

O deputado do Chega vai pedir, em setembro, a suspensão do mandato parlamentar até fevereiro do próximo ano para se dedicar às campanhas eleitorais da região dos Açores e das Presidenciais. Em declarações à agência Lusa, …

Governo abre concursos para 800 novos técnicos especializados nas escolas

As escolas vão poder contratar mais de 800 novos técnicos especializados, um reforço de recursos humanos "englobado nas medidas excecionais de organização e funcionamento das escolas para o próximo ano letivo". "As escolas vão poder contratar …

Macron em Beirute: "Se não houver reformas, Líbano continuará a afundar-se"

O Presidente francês chegou, esta quinta-feira, a Beirute, no Líbano. É o primeiro chefe de Estado a visitar o país depois das explosões que destruíram parte da capital.  Emmanuel Macron aterrou no Líbano, esta quinta-feira, e …

"Eu disparei". Neonazi alemão confessa ter matado autarca Walter Lübcke

Um neonazi alemão confessou hoje em tribunal ter matado o autarca Walter Lübcke em 2019, homicídio que chocou o país e fez ressurgir o debate sobre a violência de extrema-direita na Alemanha. "Eu disparei" sobre Walter …

Há 16 anos que não havia tão pouca água na albufeira do Alqueva

É preciso recuar ao ano de 2004 para encontrar uma altura em que esta albufeira tenha tido menos água do que agora, que corresponde apenas a 63,8% do seu nível de pleno armazenamento. De acordo com …

CTT passam de lucros a prejuízos de dois milhões de euros

Os CTT registaram, no primeiro semestre deste ano, prejuízos de dois milhões de euros, o que compara com lucros de nove milhões de euros em igual período de 2019. "O resultado líquido foi de -2 milhões …

Equipa do ciclista em estado grave vai apresentar queixa-crime contra o rival

O diretor da equipa Deceuninck-Quick Step confirmou, esta quinta-feira, que vai apresentar uma queixa-crime contra o ciclista Dylan Groenewegen, face à sua responsabilidade na grave queda de Fabio Jakobsen no Tour da Polónia. "Confirmo as mensagens …