Afinal, há lagos no Ártico que não são chaminés de carbono

David Butman / University of Washington

Um novo estudo sugere que um determinado tipo de lago ártico pode não representar uma ameaça aos níveis globais de carbono, como pensávamos até agora.

O Ártico está a aquecer duas vezes mais rápido do que o resto do planeta – e esta, por si só, não é uma notícia feliz. Uma consequência desta tendência é o degelo do permafrost, uma camada da Terra que permaneceu congelada durante milhares de anos em algumas áreas. Este solo detém, atualmente, mais que o dobro do carbono encontrado na atmosfera.

Mas há agora uma boa notícia: um estudo recente sugere que um tipo particular de lago ártico pode não representar uma ameaça aos níveis globais de carbono, como pensávamos. Pelo menos para já.

Grande parte do Ártico está coberta pelo permafrost, a espessa camada de gelo que raramente se derrete. No entanto, há medida que o mundo aquece, perdemos o permafrost, fazendo com que o solo e a vegetação, congelados há centenas de milhares de anos, sejam expostos.

O impacto deste fenómeno é algo que assusta os cientistas, uma vez que o solo e a vegetação estão a armazenar, atualmente, o dobro da quantidade de carbono da atmosfera. Uma vez expostos, os micróbios do solo “mastigam” a matéria orgânica e libertam carbono como dióxido de carbono e metano.

Pesquisas anteriores deixaram os cientistas ainda mais preocupados, depois de descobrirem que alguns lagos do Ártico, conhecidos como termocársticos, podem fazer com que o permafrost ao seu redor derreta ainda mais rápido, acelerando a libertação de carbono profundamente congelado.

Mas há espaço para otimismo, graças a um novo estudo da Universidade de Washington e do Serviço Geológico dos Estados Unidos, que mostra que nem todos os lagos do Ártico estão a libertar carbono à mesma velocidade que os lagos termocársticos.

“Descobrimos que nem todos os lagos de alta latitude são grandes chaminés de carbono para a atmosfera e que os lagos na região não estão a processar muito permafrost nem a plantar carbono na terra”, disse o bioquímico Matthew Bogard, da Universidade de Washington, citado pelo ScienceAlert.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas recolheram amostras de, pelo menos, 20 lagos da região de Yukon Flats, no nordeste do Alasca, durante junho e agosto de 2016 e abril de 2017. Para cada lago, a equipa mediu fatores essenciais como o carbono inorgânico dissolvido na água, temperatura e pH.

Em quase todos os lagos testados, não havia sinais de carbono antigo que havia sido libertado do permafrost. Desta análise, os cientistas concluíram que os lagos estavam a produzir menos emissões de carbono do que o esperado. O artigo científico foi recentemente publicado na Nature Geoscience.

No entanto, apesar da boa notícia, os cientistas ainda não sabem de que forma é que estes lagos podem mudam um clima mais quente, dado que esta é a primeira vez que são estudados. Além disso, alertam os cientistas,é preciso ter em conta que o nosso planeta está a aquecer a um nível sem precedentes.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Com Pizarro e Carneiro na calha para o Porto, Costa pode ter de desempatar

O primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa, pode-se ver obrigado a escolher o candidato do PS à Câmara Municipal do Porto. As estruturas locais parecem alinhadas no apoio a Manuel Pizarro, mas o secretário-geral adjunto …

Abel Ferreira leva Palmeiras à conquista da Taça do Brasil

O Palmeiras, treinado pelo português Abel Ferreira, conquistou a Taça do Brasil de futebol, ao vencer por 2-0 na receção ao Grêmio, em jogo da segunda mão da final. Depois do triunfo por 1-0 no confronto …

Myanmar: Exército dispara munições reais contra manifestantes

O exército birmanês disparou este domingo contra vários manifestantes com munições reais em Bagan, a cidade histórica na área central de Myanmar, causando um ferido leve, segundo os organizadores do protesto. Milhares de birmaneses voltaram às …

Cientistas criam um "relógio" que mede a idade biológica

Dois cientistas do CECAD Cluster of Excellence in Aging Research desenvolveram um método que pode determinar a idade biológica de um organismo com uma precisão sem precedentes. Todos conhecemos a idade cronológica - a nossa idade …

"Das palavras aos atos". Marcelo com mais de 60% de mulheres na sua equipa no segundo mandato

O Presidente da República considerou este domingo que os passos dados para salvaguardar a igualdade de género em Portugal não são ainda suficientes e afirmou que quis passar "das palavras aos atos" com mais mulheres …

Governo dá 19,8 milhões às escolas para testes rápidos. Ensino privado também quer

O Conselho de Ministros aprovou, este domingo, uma resolução que permite às escolas e ao setor solidário efetuar despesa na realização de testes rápidos de antigénio à covid-19, num montante global de 19,8 milhões de …

Afinal, abandonar Montijo não obriga a indemnizar ANA (e há quem defenda opção Beja)

A alteração do local do novo aeroporto na sequência da avaliação ambiental estratégica não obriga ao pagamento de qualquer indemnização à ANA. De acordo com o esclarecimento do Ministério das Infraestruturas, uma eventual alteração do local …

Descoberta nova relação entre a biodiversidade dos animais e das florestas

Uma análise ao registo de imagens de 15 reservas de vida selvagem em florestas tropicais revelou uma relação até então desconhecida entre a biodiversidade de vários mamíferos e as florestas em que vivem. As florestas tropicais …

Pelo menos 17 mortos e 400 feridos em explosões na Guiné Equatorial

Pelo menos 17 pessoas morreram e outras 400 ficaram feridas após várias explosões registadas, este domingo, num quartel militar na cidade de Bata, na Guiné Equatorial, informaram as autoridades. De acordo com dados do Ministério da …

Marques Mendes antecipa desconfinamento a 15 de março. Creches e 1º ciclo são os primeiros a abrir

No seu habitual espaço de comentário na SIC, Luís Marques Mendes revelou, este domingo, que as creches, pré-escolar e 1º ciclo deverão abrir já a 15 de março. Segundo o comentador, o plano que vai ser …