Kristalina Georgieva nomeada diretora-geral do FMI

European Parliament / Flickr

Kristalina Georgieva

A búlgara tornou-se, esta quinta-feira, a segunda mulher a ser nomeada diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), anunciou o Conselho de Administração da instituição em Washington.

Kristalina Georgieva, 66 anos, era a única candidata ao cargo e beneficiou de uma mudança nos estatutos do FMI relativa ao limite de idade, permitindo que a sua candidatura fosse válida.

Os regulamentos do Fundo Monetário Internacional proibiam que o diretor-geral fosse nomeado com 65 ou mais anos.

Georgieva era até agora a CEO do Banco Mundial, cargo que ocupava desde janeiro de 2017. O seu mandato no FMI terá uma duração de cinco anos e começa a 1 de outubro.

“Sinto-me honrada por ter sido escolhida para diretora-geral do FMI. Estou ansiosa para juntar-me à equipa comprometida do FMI para servir os nossos 189 países membros. Juntos, vamos trabalhar para construir economias fortes e melhorar a vida das pessoas”, escreveu no Twitter.

“Estou extremamente honrada de ter sido selecionada diretora-geral do FMI e grata pela confiança que os membros globais do Fundo e do Executivo depositaram em mim. Quero prestar homenagem também a minha predecessora, Christine Lagarde, uma grande líder e querida amiga, que as suas visão e trabalho desmedido contribuíram tanto para a continuação do sucesso do FMI”, congratulou-se ainda num comunicado.

A búlgara vai suceder a Lagarde, que abandonou o cargo para liderar o Banco Central Europeu (BCE).

A carreira de Georgieva mostra um longo percurso no Banco Mundial, para o qual entrou em 1993 como Economista Ambiental, tornando-se depois diretora para o Desenvolvimento Social e Ambiental da Ásia e da Região do Pacifico e mais tarde diretora com o pelouro da estratégia e políticas ambientais. Em 2004 foi nomeada para diretora para a Federação Russa, ficando baseada em Moscovo.

Mas foi no período entre 2007 e 2008 que Georgieva assumiu uma posição de maior destaque no Banco Mundial. Como diretora do Desenvolvimento Sustentável ficou como responsável última das políticas e operações de empréstimo para infraestruturas, desenvolvimento urbano e agricultura. Ou seja, supervisiona cerca de 60% de todas as operações de empréstimo do Banco Mundial.

A partir daí foi apenas um pequeno passo até ao topo: vice-presidente entre 2008 e 2010 e secretária corporativa, servindo de interlocutora entre a gestão do Banco Mundial, o Conselho de Administração e os países “shareholders”. É apontada como uma das personalidades chave nas reformas de governo do Banco Mundial na sequência da crise financeira de 2008.

Em 2010 entrou nos palcos principais das instituições europeias. Primeiro como Comissária para a Cooperação Internacional e depois na pasta da Ajuda Humanitária e Resposta às Crises, no consulado de Durão Barroso à frente da Comissão.

A partir de 2014, já com Jean-Claude Juncker a liderar os destinos do executivo comunitário, Kristalina Georgieva ascendeu a vice-presidente, com o pelouro do Orçamento e dos Recursos Humanos. Ou seja, era responsável pelo orçamento europeu (de 161 mil milhões de euros) e pelos 33 mil funcionários comunitários espalhados por todo o mundo.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Museu Neandertal responde a Joe Biden. "Eram mais espertos do que pensa"

O Museu Neandertal, na Alemanha, endereçou um convite ao Presidente norte-americano Joe Biden, depois de o governante ter considerado a decisão do governador do Texas de acabar com a obrigatoriedade de utilização de máscara um …

Olhos postos no Senegal. Violentos protestos contra a prisão do opositor do Governo

Os confrontos no Senegal, os piores dos últimos anos, foram desencadeados pela detenção do líder da oposição Ousmane Sonko. Os confrontos eclodiram em Dakar, na quinta-feira, depois de o principal líder da oposição, Ousmane Sonko, ter …

Grupo de cientistas questiona missão da OMS e pede investigação independente na China

Um grupo de cientistas está a pedir uma investigação independente sobre a origem do Sars-CoV-2, com acesso total aos registos da China. Um grupo de cientistas escreveu uma carta aberta, divulgada nos jornais Le Monde e …

Brasil a braços com uma tragédia anunciada. República Checa pede ajuda estrangeira

No Brasil, o número diário de mortes já ultrapassou o dos Estados Unidos. Alemanha, Suíça e Polónia estão a disponibilizar os seus hospitais para receber casos graves de covid-19 da República Checa. Em relação a número …

Iniciativa Liberal diz não a Moedas e avança com candidatura em Lisboa

Este sábado, a Iniciativa Liberal rejeitou integrar a megacolicação encabeçada por Carlos Moedas e anunciou um candidato próprio à Câmara de Lisboa.  Foi este sábado, na Praça do Município, que João Cotrim de Figueiredo, líder do …

Agente da PSP que chamou "aberração" a Ventura suspenso por 10 dias

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou a suspensão de dez dias a Manuel Morais, o agente que chamou "aberração" a André Ventura. O agente da PSP Manuel Morais vai iniciar, este sábado, …

1.007 novos casos e 26 mortes nas últimas 24 horas

Portugal registou este sábado 26 mortes e 1.007 novos casos de infeção nas últimas 24 horas, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico deste sábado, divulgado pela Direção-Geral da Saúde, dá conta de 1.007 …

Publicada lista de entidades abrangidas por alargamento da ADSE

A ADSE já publicou a lista de entidades abrangidas pelo alargamento do subsistema de saúde da função pública aos trabalhadores com contrato individual de trabalho. As entidades reguladoras e a maioria das empresas municipais foram …

O "caminho ainda é longo", mas Portugal já administrou um milhão de vacinas

Esta sexta-feira, Portugal ultrapassou o marco do primeiro milhão de vacinas administradas, mas o "caminho ainda é longo". Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, um milhão de vacinas contra a covid-19 administradas, uma marca que o secretário de …

Cavaco fala em "democracia amordaçada" (e na "vergonha" dos números da pandemia)

Este sábado, numa participação na Academia de Formação Política das Mulheres Sociais-Democratas, Cavaco Silva deixou duras críticas ao Executivo de António Costa, sublinhando que a pandemia mostrou um "SNS fragilizado por decisões erradas do governo". O …