Kim Jong-un está em Pequim para acertar estratégias com único grande aliado

(dv) KCNA / YONHAP

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, chegou esta terça-feira a Pequim para uma visita oficial, num esforço para acertar estratégias com o único grande aliado, antes de uma segunda cimeira com o Presidente norte-americano, Donald Trump.

Uma guarda de honra habitualmente reservada a chefes de Estado deixou esta manhã a estação norte de Pequim, pouco após a chegada de um comboio blindado composto por mais de vinte carruagens, e oriundo da Coreia do Norte.

A visita de Kim Jong-un, líder norte-coreano, confirmada por ambos os lados, ocorreu depois de uma reunião de representantes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte no Vietname para acertarem a localização de uma segunda cimeira com Donald Trump.

A agência noticiosa oficial da Coreia do Norte informou que Kim partiu na segunda-feira, na companhia da esposa, Ri Sol-ju, e outros altos funcionários de Pyongyang.

Kim visita a China a convite do Presidente chinês, Xi Jinping. A data coincide com o aniversário do líder norte-coreano, que deverá ficar na residência de hóspedes oficiais Diaoyutai e ser recebido no Grande Palácio do Povo, junto à praça Tiananmen.

Trata-se da quarta visita de Kim à China, no espaço de um ano, num sinal de renovada confiança entre os dois países, após anos de distanciamento, face à insistência do regime norte-coreano em prosseguir com o controverso programa nuclear. A viagem de Kim acontece numa altura em que os Estados Unidos e a Coreia do Norte negoceiam a desnuclearização da península coreana.

Donald Trump e Kim Jong-un reuniram-se, em Singapura, no ano passado, num encontro histórico que ocorreu depois de, em 2017, as tensões terem atingido níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53), na sequência dos sucessivos testes nucleares de Pyongyang e à retórica beligerante de Washington.

Mas a insistência de Trump em punir com sanções económicas o regime de Pyongyang surtiu efeito. No início do ano passado, Kim abriu-se abruptamente ao diálogo diplomático com Washington e Seul. Desde então, Kim visitou a China por quatro vezes, sem Xi ter reciprocado o gesto, numa aparente rutura do protocolo diplomático.

No entanto, desde a cimeira em Singapura houve pouco progresso real no desarmamento nuclear.

Washington exige que Pyongyang apresente dados detalhados sobre o arsenal nuclear, enquanto Pyongyang diz que já fez o suficiente e que está na altura de os EUA aliviarem as pesadas sanções internacionais que isolaram a economia norte-coreana.

O porta-voz da presidência sul-coreana Kim Eui-kyeom disse que Seul espera que a visita de Kim à China sirva de “trampolim” para uma segunda cimeira com Trump.

Trump garantiu que uma segunda cimeira vai permitir estabelecer um “grande acordo”, que resolva o impasse nuclear e mude um relacionamento marcado por décadas de animosidade e desconfiança.

No entanto, analistas consideraram que Pyongyang dificilmente abdicará do arsenal nuclear, construído apesar de o país viver mergulhado na pobreza, e visto por Kim como a única garantia de sobrevivência do regime.

Kim vai avaliar também a posição da China relativamente às sanções económicas, antes da cimeira com Trump, incluindo medidas a tomar por Pyongyang para ganhar o apoio de Pequim no Conselho de Segurança da ONU. Pyongyang suspendeu já os testes com armas nucleares e com mísseis balísticos.

Kim e Xi “vão abordar as sanções para refinar as suas atitudes ainda muito gerais e vagas”, disse Cheng Xiaohe, professor na Escola de Estudos Internacionais da Universidade de Renmin, em Pequim. “É impossível que todas as sanções sejam canceladas, mas serão discutidas quais as sanções que podem ser anuladas”, previu.

Trump tem apelado ao apoio de Pequim para convencer Pyongyang a desistir do programa nuclear, sugerindo que, em troca, facilitará um acordo comercial com Washington.

A chegada de Kim a Pequim coincide com as primeiras negociações comerciais frente-a-frente, desde que Trump e Xi acordaram um período de tréguas de 90 dias, visando pôr fim a uma guerra comercial que espoletou no verão passado.

Questionado sobre se a China está a negociar com a questão norte-coreana, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou na segunda-feira que Pequim tem deixado “muito claro” que os dois assuntos “estão separados”. “O comportamento deles demonstrou isso também e nós apreciamos essa postura.”

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O nosso cabelo sabe o que comemos, onde moramos e quanto custou o corte

Milímetro a milímetro, o cabelo constrói um registo da nossa dieta. Como os fios de cabelo são construídos a partir de aminoácidos, preservam os traços químicos da proteína da comida que ingerimos. Os fios de cabelo …

Não foram meteoros. Uma forte atividade vulcânica arrefeceu a Terra há 13 mil anos

Porque é que a Terra arrefeceu repentinamente há 13 mil anos? Sedimentos antigos encontrados numa caverna no Texas, nos Estados Unidos, parecem ter resolvido este grande mistério. Alguns cientistas acreditam que o fenómeno que arrefeceu repentinamente …

Novo método prevê erupções solares com algumas horas de antecedência

Um novo método capaz de prever explosões solares poderia ajudar a Humanidade a preparar-se contra possíveis desastres causados por este fenómeno explosivo da nossa estrela. As erupções solares são explosões que ocorrem na superfície do Sol …

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …