Jovem norueguesa controla 450 perfis no Instagram para tentar evitar suicídios

Uma norueguesa de 22 controla 450 perfis privados no Instagram para tentar evitar suicídios, conta a emissora britânica BBC, revelando ainda que a jovem recebeu já o apelido de “salva-vidas” devido ao trabalho que leva a cabo.

Ingebjørg Blindheim é o nome por detrás desta iniciativa. Apesar de não ter qualquer formação para monitorizar e/ou identificar perfis suicidas, a jovem sentiu necessidade de agir, tentando ajudar aqueles que partilham o seu desespero online.

“Vejo [nas redes sociais] muitas pessoas que querem morrer (…) Não vou ficar apenas a ver uma pessoa a dizer que se quer matar, ignorar isso e esperar pelo melhor”, disse, citada pela BBC. “Sinto que quando não estou ao telemóvel a monitorizar as contas, as pessoas podem fazer algo com elas mesmas e ninguém verá”.

O trabalho de Ingebjørg consiste em controlar várias contas de Instagram de forma constante, identificando eventuais casos de tendências suicidas. Depois, a jovem norueguesa alerta a polícia e os serviços de socorro médico.

Atualmente, são 450 contas, pertencendo a maioria destas a mulheres que nas suas publicações falam dos seus sentimentos mais obscuros. Há também alguns homens.

De acordo com a BBC, estes membros inserem-se numa espécie de mundo secreto de pensamentos, imagens e confissões privadas, onde a regra “não denuncie”reina. Por isso, quando Blindheim contacta as autoridades, tem especial cuidado para não dizer muito sobre a comunidade e alienar os seus membros.

Quando faz as denúncias, a jovem recebe reações diversas: há autoridades que agradecem pelo seu trabalho, mas há também quem não acredite no que diz.

No início deste ano, Ingebjørg contactou a polícia para que interviesse no caso de uma rapariga que dizia que iria tirar a sua própria vida. Na resposta, as autoridades disseram que a jovem em causa já tinha ameaçado acabar com a sua vida 16 vezes e, por isso, decidiram não reagir. No dia seguinte, Ingebjørg foi avisada de que o suicídio tinha mesmo acontecido. “Implorei para que confirmassem se [a jovem] estava bem, mas não me levaram a sério”, revelou, citada pela emissora britânica.

Iniciativa surge da experiência própria

Ingebjørg conhece o poder da partilha online por experiência própria: como jovem adolescente a lutar contra distúrbios alimentares, começou a seguir contas no Twitter que partilhavam de forma aberta publicações sobre a sua anorexia e auto-utilização.

“Vi que recebiam muita atenção de pessoas que entendiam e se importavam e eu queria a mesma coisa porque não sentia o mesmo em relação a minhas amigas”.

Este apoio pode ser entendido pelos utilizadores pelas redes sociais como o aspeto positivo das comunidades online, um lugar onde podem ser ouvidos e compreendidos, longe dos profissionais de saúde que, por vezes, aparentam julgar estes problemas.

Contudo, estas redes não são lugares seguros: as coisas boas que são encontradas, explica Ingebjørg, acabam por ser descompensadas pelas coisas negativas. A jovem contou que existem nestes comunidades recompensas para publicações de pensamento e imagens extremas – quanto mais extremo o pensamento ou o corte, maior é a atenção recebida.

Pode mesmo criar-se uma espécie de competição, com um manual de formas para se mutilar ou até mesmo matar. “Acredito que as comunidades fazem as pessoas piores, porque dão ideias de como se podem suicidar, passar fome, livrar-se da comida que ingeriu ou até esconder a doença das pessoas”.

Depois de publicar fotografias do seu corpo desnutrido no Twitter, Ingebjørg foi contactada por uma terapeuta que a alertou de que as suas imagens estavam a encorajar outras pessoas. A jovem conta que as pessoas que conheciam que se mutilavam migraram do Twitter para o Instagram, onde é mais fácil esconder o conteúdo que postam das pessoas que não querem que o encontrem.

Há quatro anos, Ingebjørg e a sua melhor amiga de 15 anos foram tratadas dos seus problemas de saúde mental e receberam alta na mesma altura. Ingebjørg estava confiante de que melhoraria, mas a sua amiga ameaçou matar-se caso fosse enviada para casa.

Apesar da jovem lhe pedir para que não acabasse com a sua vida, a melhor amiga de Ingebjørg acabou por se matar.  “É por isso que faço” a monitorização destas contas, disse.

“Prometi a mim mesma que, depois de ter perdido a minha melhor amiga, que faria qualquer coisa para prevenir que as pessoas se sentissem da mesma forma que eu me senti quando aconteceu”, rematou.

ZAP ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Comer muitas refeições takeaway pode aumentar a probabilidade de morte

Comer demasiadas vezes refeições takeaway pode afetar negativamente a saúde das pessoas. Isto porque, muitas vezes, a comida em causa é fast food. A pandemia de covid-19 veio intensificar a adoração das pessoas pelas refeições takeaway. …

Fezes de morcego ajudam a decifrar o passado da humanidade

Uma equipa de investigadores australianos usou fezes de morcego para ajudar a entender uma parte do passado dos nossos ancestrais. Para perceber melhor como é que artefactos antigos são alterados pelo sedimento em que estão enterrados …

"É como fogo". Dezenas de pessoas morreram na República Dominicana após ingestão de álcool ilegal

Depois de dezenas de pessoas morreram por intoxicação nas últimas semanas, as autoridades da República Dominicana acabaram por fechar várias lojas de bebidas alcoólicas. As lojas de bebidas clandestinas situavam-se sobretudo na capital, Santo Domingo, mas …

Eis AlphaDog, a resposta da China para o cão-robô norte-americano Spot

A empresa de tecnologia Weilan, sediada em Nanjing, na China, desenvolveu o AlphaDog, um cão-robô que usa sensores e inteligência artificial (IA) para realizar uma série de aplicações, incluindo entrega de encomendas e orientação para …

E se a vacina contra a covid-19 se chamasse Trumpcine? O "sir" sugeriu e Donald Trump gostou

No fim de semana passado, durante um encontro do Comité Nacional Republicano, o ex-Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que alguém sugeriu que as vacinas disponíveis contra a covid-19 deveriam receber o seu nome. …

O custo da paz mundial é bastante inferior ao custo da guerra

Um recente relatório do Instituto de Economia e Paz (IEP) conclui que o custo dos países com a violência é bem superior ao custo com a paz mundial. O Instituto de Economia e Paz estima que, …

Malta vai pagar aos turistas que visitarem a ilha durante o verão

Numa altura em que pandemia não tem dado tréguas ao setor do turismo, Malta anunciou um conjunto de medidas com o objetivo de encorajar os viajantes a visitarem o país e a ficarem hospedados nos …

Pentágono confirma que filmagens de OVNI em forma de pirâmide são autênticas

Uma nova série de imagens e vídeos de OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados) filmados pela Marinha dos Estados Unidos foi agora confirmada como autêntica pelo Pentágono. Enquanto muitas pessoas geralmente se referem a avistamentos misteriosos …

Irão vai aumentar produção de urânio enriquecido em resposta ao “terrorismo nuclear” de Israel

O Irão justificou esta quarta-feira a decisão de enriquecer urânio a 60% como resposta ao “terrorismo nuclear” e à “maldade” israelita, referindo-se ao alegado ataque contra a central de Natanz, no domingo. “A decisão de enriquecer …

Possibilidade de ser reinfetado baixa 84% para quem já teve covid-19

Um novo estudo indica que a infeção prévia por SARS-CoV-2 protege a maioria dos indivíduos contra a reinfecção durante uma média de sete meses As probabilidades de reinfeção não descem até zero, mas um novo estudo, …