Nova acusação contra Plácido Domingo. Jornalista espanhola diz que o tenor se aproximou “mais do que devia”

A jornalista espanhola Karmele Marchante acusou o tenor Plácido Domingo de se ter aproximado “mais do que devia com cara de quero, posso e mando”.

É um dos desenvolvimentos mais recentes do caso Plácido Domingo e das acusações de assédio que envolvem o tenor e maestro espanhol. Com o impacto imediato a surgir sobretudo do outro lado do Atlântico, a Opera de Los Angeles avançou esta terça-feira que irá abrir imediatamente “uma investigação independente” às acusações de assédio sexual contra a estrela da ópera e diretor geral da companhia.

Debra Wong Yang, da firma de advogados Gibson, Dunn & Crtucher, foi o nome apontado pela Opera, num curto comunicado, para se associar a este processo.

A decisão surge numa altura em que em Espanha novas vozes vão surgindo. Em causa estará agora o comportamento que o tenor teve com a jornalista Karmele Marchante. Num artigo publicado no seu blogue no Huffington Post, citado pelo jornal espanhol El Mundo, a autora revê um episódio ocorrido durante uma entrevista a Plácido Domingo nos idos de 80, quando alegadamente se terão dado a maior parte dos casos, e aponta o dedo ao “patriarcado” sempre pronto para atacar as “feministas supremacistas”.

O encontro entre ambos decorreu no Liceu de Barcelona, com Karmele a confessar que quando deu por terminada a conversa, PLácido “aproximou-se mais do que devia e com cara de quero, posso e mando, convidou-me para ficar no mesmo hotel em Nova Iorque em que ele ficaria alojado uma semana mais tarde e como tínhamos amigos em comum, jantarmos juntos”. Karmele descreve ainda que naquele momento “algo soou no meu interior”, a que se juntou a chegada inesperada da mulher do tenor, Marta Ornelas.

Marchante narra ainda no seu artigo como aproveitou a deixa para se raspar perante a incómoda situação. “A senhora pensou mais do que viu e, qual protagonista das óperas do seu marido, esteve ao ponto de me atacar verbalmente, estado que me levou a uma rápida despedida”.

A jornalista catalã conta ainda que mais tarde, pelas duas da manhã, Domingo ligou-lhe a partir de Viena, não para se desculpar pelo sucedido mas para pedir desculpas pelo comportamento da sua mulher. Apesar de tudo isto, “mantinha o seu convite”.

Karmele recusou a oferta e só voltou a reencontrar-se com o maestro em 1992, quando o entrevistou de novo a propósito de “O Barbeiro de Sevilha”.

O cantor de ópera Plácido Domingo está a ser acusado de assédio sexual por outras nove mulheres, que relataram episódios que recuam até aos anos 1980 e chegam até 2002. A estas, juntam-se ainda seis mulheres que se queixam de que Plácido Domingo as deixou “desconfortáveis” com os seus avanços sexuais.

As acusações partem de oito cantoras — das quais apenas uma, Patricia Wulf, permitiu a publicação do seu nome — e de uma bailarina, que trabalharam com Plácido Domingo desde o início da década de 1980 e 2002.

O caso fez com que a Orquestra de Filadélfia, nos EUA, tenha rescindido o convite feito ao tenor espanhol Plácido Domingo para o concerto de abertura da temporada.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Coitadas das femi-nazis, se iludindo q um garanhão como o Plácido dos anos 80 iria dar atenção à elas. O problema das peruas o Freud já explicava: inveja fálica.

RESPONDER

Tatuagens racistas, saias curtas, cabelos e bigodes estranhos proibidos na PSP

Os polícias que tenham tatuagens com símbolos, palavras ou desenhos de natureza partidária, extremista, racista ou que incentivem à violência têm seis meses para as remover, de acordo com novas normas da PSP que também …

Republicação das caricaturas de Maomé foi o motivo do ataque junto ao Charlie Hebdo

A republicação das caricaturas de Maomé terá estado na origem do ataque junto ao edifício da antiga redação do jornal satírico Charlie Hebdo, confessou o principal suspeito. Quatro pessoas foram esta sexta-feira feridas, duas das quais …

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …