Jayme foi “escolhida” pelo raptor quando entrava para o autocarro escolar

Departamento do Xerife do Condado de Barron

Jayme Closs conseguiu fugir após 88 dias de sequestro

Jake Patterson, raptor de Jayme Closs, era um jovem “pacato e bom estudante”, de quem nunca ninguém tinha suspeitado. O crime foi planeado ao minuto.

A adolescente, de 13 anos, que tinha desaparecido em outubro, no dia em que os pais foram assassinados, conseguiu fugir ao seu sequestrador após 88 dias de cativeiro. Agora, sabe-se como foi planeado o crime – cuidadosamente engendrado e executado com sangue frio.

Jake Thomas Patterson estava a caminho do emprego, numa queijaria em Wisconsin, quando viu Jayme Closs entrar no autocarro escolar. Teve de parar momentaneamente o carro atrás do veículo e reparou na jovem de 13 anos. Este foi o momento em que decidiu que a ia raptar, contou à polícia, e relatam esta terça-feira a imprensa norte-americana.

Depois de ter sido detido, Patterson garantiu que não sabia quem era Jayme nem com quantas pessoas ela vivia. Decidido a executar o sequestro, tentou de facto fazê-lo por duas vezes, antes do dia 15 de outubro. Numa primeira tentativa – cerca de uma semana antes -, conduziu até à casa de família dos Closs, em Barron, mas acabou por afastar-se por ver muitos carros estacionados à porta.

Voltou um ou dois dias depois, mas o facto de lhe parecer estarem muitas pessoas em casa fê-lo desistir novamente. Não sem aproveitar a viagem para roubar umas quantas matrículas falsas, precaução incluída nos seus planos, para se assegurar que o carro que conduzia não era identificado por nenhuma eventual testemunha.

Jake Thomas Patterson

Mas à terceira foi de vez. Segundo o El País, Patterson estacionou o Ford Taurus numa estrada secundária, trocou as placas de matrícula e preparou-se para avançar. Pegou na espingarda calibre 12, certificou-se que a luz interior não poderia acender ao abrir a porta e retirou também a luz da bagageira.

Nada foi deixado ao acaso. A arma foi escolhida por ter percebido que era uma das mais comuns, logo das mais difíceis de ser rastreada, e as munições com que a carregou foram selecionadas por estar convencido de que eram as mais eficazes para matar.

Segundo a acusação, o assassino usou luvas e rapou o cabelo, barbeando-se também, para não correr o risco de deixar rasto de ADN. Vestiu-se com botas de cabedal com biqueiras de aço, blusão e máscara negros.

Pronto para matar “todos” os que estivessem no interior da casa, voltou a ligar o carro e circulou até próximo da entrada dos Closs. Estacionou, acendeu uma lanterna para ver melhor o caminho e ordenou ao homem que viu pela janela que se atirasse ao chão.

Patterson explicou que o pai de Jayme lhe pediu que mostrasse a identificação, convencido que era um polícia. Mas o raptor matou-o nessa altura, tentando depois, sem sucesso, arrombar a porta de casa usando um dos ombros. Acabou por disparar contra a fechadura.

No interior da habitação, e apercebendo-se que existia uma porta fechada, circulou para ver se encontrava mais alguém e voltou àquela divisão, decidido a encontrar Jayme. A jovem estava de facto escondida com a mãe na pequena casa de banho, na banheira.

Patterson pediu a Denise que colasse a fita que lhe estendeu na boca da filha. Acabou por fazê-lo ele próprio, prendendo-lhe também os pulsos e os tornozelos, ao perceber que a mulher não lhe obedecia. Matou Denise apontando-lhe à cabeça, mas não sem antes ela ter conseguido ligar para a polícia. Foi Patterson quem a obrigou a desligar a chamada.

Depois levou Jayme arrastada por um braço, fechando-a na bagageira e seguindo viagem. Não tinha passado um minuto quando parou para dar passagem a três carros da polícia, que circulavam com as luzes de emergência ligadas, a caminho da casa onde o raptor deixara os dois cadáveres.

Jayme passou três meses debaixo de um cama

Sabe-se que, chegados a casa, Patterson ordenou-lhe que vestisse um pijama e queimou a roupa de ambos.

Quando se ausentava da cabana ou recebia visitas, nomeadamente a do pai todos os sábados, a jovem era obrigada a ficar escondida debaixo de uma cama e ligava o rádio, para evitar que se ouvisse qualquer barulho. Jayme estava avisada sobre as coisas más que lhe podiam acontecer se tentasse alertar para a sua presença.

Jayme conseguiu fugir num dos dias em que o raptor se ausentou. Pediu ajuda a uma mulher que passeava com um cão, foi reconhecida e voltou para casa de uma tia.

Quanto a Patterson, ainda a procurou, mas acabou detido pela polícia, que seguiu as indicações dadas por Jayme e o identificou. Não ofereceu qualquer resistência. De acordo com um dos agentes envolvidos na detenção, saiu do carro, disse saber porque era procurado e confessou. “Fui eu”, afirmou.

Agora está fechado numa uma cela e a fiança foi fixada nos cinco milhões de dólares. O julgamento deverá começar no dia 6 de fevereiro. O jovem de 21 anos, que foi descrito como alguém tido por pacato e bom estudante, não mostrou qualquer emoção na curta passagem pelo tribunal, quando foi presente ao juiz.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Computador quântico ajuda a criar um computador quântico melhor

Um computador quântico foi usado para projetar um qubit aprimorado que poderá alimentar a próxima geração de computadores quânticos mais pequenos, de alto desempenho e mais confiáveis. Da mesma forma que um bit binário é a …

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …