/

No Japão, o suicídio entre crianças atingiu um número recorde

Ryutaro Tsukata / Pexels

Segundo um relatório divulgado pelas autoridades japonesas, o receio de uma infeção pelo novo coronavírus foi a justificação mais invocada por crianças e jovens para faltarem às aulas durante um longo período de tempo.

Durante o ano de 2020, o número de crianças japonesas em idade escolar que se suicidou atingiu um valor recorde desde que o fenómeno começou a ser contabilizado pelas autoridades competentes, em 1974. De acordo com um relatório divulgado esta semana, estima-se que 415 crianças tenham colocado termo à própria vida. São várias as justificações apontadas para esta realidade, nomeadamente problemas familiares, maus resultados escolares, más relações com outras crianças ou até doenças, avançou a televisão pública japonesa NHK.

Apesar do relatório detalhado que foi publicado, não são avançadas causas para mais de metade dos suicídios cometidos no período em análises. É, ainda assim, sabido que o número representa um aumento de 31% face ao ano anterior, quando 317 crianças morreram desta forma, escreve a CNN.

“O aumento é extremamente preocupante” alertou Eguchi Arichika, responsável pelo departamento de Crianças e Jovens do ministério da Educação do Japão. Paralelamente, o relatório também revela que mais de 190 mil estudantes do ensino básico e secundário estiveram 30 dias ou mais afastados das atividades letivas, outro número recorde que representa um aumento de 8% face ao ano anterior — com o receio de uma infeção pela SARS-CoV-2 a ser apontada como a principal justificação para a ausência.

“Os resultados mostram que esta pandemia tem causado mudanças nos ambientes escolares e familiares que tiveram impacto no comportamento das crianças”, explicou Eguchi. “Queremos promover esforços para tornar mais fácil a partilha de métodos que tornem possível às pessoas encontrar ajuda e assegurar-nos de que as crianças que não podem ir à escola podem continuar a aprender”, adiantou a responsável.

Neste momento, ainda não é claro como é que a pandemia e os confinamentos contribuíram para o aumento das faltas à escola no Japão. Ali, as escolas com ensino primário e básico estiveram fechadas desde março até maio de 2020, sendo que o ano letivo japonês começa em abril e termina em março do ano seguinte.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.