Ex-Presidente da África do Sul Jacob Zuma entrega-se às autoridades

World Economic Forum / Flickr

O ex-Presidente sul-africano, Jacob Zuma

O ex-Presidente da África do Sul entregou-se, esta quarta-feira à noite, às autoridades policiais para cumprir uma pena de prisão de 15 meses por desrespeito à Justiça.

“Informamos que o Presidente Zuma decidiu cumprir a ordem de prisão. Está a caminho de um estabelecimento prisional dos Serviços Correcionais no KwaZulu-Natal”, referiu a Fundação Jacob Zuma nas redes sociais, citada pela imprensa sul-africana.

O ex-chefe de Estado entregou-se às autoridades minutos antes da meia-noite local, o prazo limite para a sua detenção ordenada pelo Tribunal Constitucional, tendo sido escoltado pelos serviços de proteção presidencial.

Um porta-voz do Ministério da Polícia, Lirandzu Themba, confirmou que Zuma se entregou às autoridades policiais na noite desta quarta-feira.

O antigo chefe de Estado enviou horas antes uma carta à mais alta instância judicial do país a solicitar a proibição da execução da ordem de detenção enquanto aguarda o resultado de todos os processos judiciais, segundo a Fundação Jacob Zuma.

Esta é a primeira vez na história da África do Sul que um ex-Presidente é condenado a uma pena de prisão.

O Tribunal Constitucional do país condenou, a 29 de junho, Zuma a 15 meses de prisão por desrespeito ao tribunal, ao recusar repetidamente cumprir a citação que lhe exigia o testemunho em investigações de corrupção. De acordo com a decisão, o antigo chefe de Estado sul-africano deveria entregar-se à polícia no prazo de cinco dias.

Zuma foi considerado culpado por não obedecer à ordem do tribunal para comparecer perante a comissão que investiga alegações de grande corrupção no Estado sul-africano durante o seu mandato presidencial de 2009 a 2018.

A polícia sul-africana destacou mais de 70 veículos, incluindo uma unidade de intervenção especial antimotim, para o local da residência oficial do ex-Presidente sul-africano na área rural de Nkandla, província do KwaZulu-Natal, litoral do país, segundo a imprensa local. Entre os meios policiais destacados contavam-se veículos blindados e canhões de água.

Os simpatizantes de Zuma permaneceram na rua após as 22h00 locais, em violação do recolher obrigatório decretado no âmbito do confinamento de nível 4 contra a covid-19 em vigor no país.

Desde o fim-de-semana, centenas de simpatizantes de Zuma congregaram-se junto à sua residência oficial para evitar qualquer tentativa de a polícia prender o antigo chefe de Estado sul-africano.

Alguns ex-ministros do Governo sul-africano, altos funcionários administrativos e executivos de empresas estatais estão entre as testemunhas que implicaram Zuma em atos de corrupção.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Várias testemunhas alegaram que, enquanto Presidente, Zuma permitiu que membros da controversa família Gupta influenciassem a nomeação de ministros e beneficiassem de contratos lucrativos com empresas estatais.

Zuma está a enfrentar outros problemas legais, nomeadamente, acusações relacionadas com subornos, que alegadamente terá recebido durante um negócio de aquisição de armas pela África do Sul em 1999.

O ex-Presidente declarou-se inocente das acusações e os seus advogados solicitaram a demissão do procurador principal no seu caso, por alegada parcialidade contra o antigo chefe de Estado.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.