Já na Pré-História se consumiam cogumelos mágicos e ópio

cortto / Flickr

-

A análise de achados arqueológicos mostra que as pessoas têm consumido ópio, cogumelos “mágicos” e outras substâncias psicoativas há séculos – milénios, provavelmente – em várias regiões do planeta. No entanto, a sua utilização pode ter tido outros objetivos para além das propriedades alucinogéneas. 

Elisa Guerra-Doce, investigadora da Pré-História na Universidade de Valladolid, em Espanha, é a autora de uma nova revisão que analisa achados arqueológicos para trazer novas informações sobre o consumo destas substâncias.

Estudos anteriores da investigadora já tinham concluído que substâncias posicoativas eram usadas na Eurásia pré-Histórica, incluindo bebidas fermentadas.

O novo artigo de Elisa Guerra-Doce, publicado na Time and Mind: The Journal of Archaeology, Consciousness and Culture “junta novos dados relativos ao uso primitivo de plantas e bebidas fermentadas por todo o mundo”, descreve a investigadora ao Live Science.

No entanto, em alguns casos, os indícios sugerem que as plantas eram usadas, por exemplo, com fins estéticos, e não apenas pelas suas propriedades psicoativas.

Cogumelos mágicos e ópio

O uso de cogumelos alucinogéneos na Mesoamérica está documentado, graças à descoberta das chamadas “mushroom stones”, pequenas esculturas com formato semelhante aos fungos. Estas esculturas foram encontradas em vários sítios, datando entre 500 a.C. e 900 d.C., Guatemala, México, Honduras e El Salvador, de acordo com o artigo.

No entanto, para Guerra-Doce, não é claro por quanto tempo os cogumelos mágicos foram usados em África e na Europa, apesar de haver pictogramas semelhantes a cogumelos nas pinturas do mural pré-Histórico encontrado em Villar del Humo, em Cuenca, Espanha, podendo representar cogumelos alucinogéneos.

Já no que toca ao ópio, os indícios mais antigos do seu consumo na Europa vêm do Neolótico, nos achados de La Marmotta, Itália, que datam de mais de 6.000 a.C., aponta o estudo. “Existem indícios incontestáveis da exploração da planta pelas suas propriedades narcóticas”, escreve Guerra-Doce.

A domesticação da planta na Europa terá começado por volta dessa altura, a oeste do Mediterrâneo, tendo-se então espalhado para o noroeste da Europa até o fim desse milénio. Rastros de uma cápsula da papoila foram encontradas nos dentes de um esqueleto de um homem enterrado num local perto de Barcelona que data ao milénio 4.000 a.C., assim como indícios de opiácios encontrados nos ossos de outro homem no mesmo local.

A revisão sugere ainda que as pessoas têm vindo a mastigar folhas de uma planta chamada betel desde, pelo menos, 2660 a.C., de acordo com o estudo da espanhola. A planta contém químicos que têm propriedades estimulantes e que causam euforia, e é atualmente consumida na Ásia. Os investigadores encontraram restos de dentes humanos com manchas vermelhas características da planta nas Filipinas e no Vietname.

ZAP / Live Science

PARTILHAR

RESPONDER

Inscrição hebraica com 2.800 anos revela antigo nome bíblico

Uma equipa de arqueólogos encontrou um jarro com 2.8000 anos com a inscrição em hebraico "Benayo" no sítio arqueológico de Abel Beth Maacah, no norte de Israel, local várias vezes mencionado na Bíblia Hebraica.  De …

Braga vence FC Porto e conquista Taça da Liga. Sérgio coloca lugar à disposição

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 1-0 e conquistou a Taça da Liga, com Ricardo Horta a marcar o golo decisivo aos 90+5, garantindo um troféu que os bracarenses já tinham …

Rara moeda de ouro com a cara de Eduardo VIII vendida por preço recorde

Uma rara moeda de ouro com o perfil do rei britânico Edward VIII foi vendida a um comprador particular pelo valor recorde de 1,3 milhões de dólares. A informação é avançada pela Royal British Mint, a …

Depois dos incêndios, Austrália está prestes a experimentar uma "bonança" de aranhas mortais

Depois dos incêndios florestais que assolaram o país, os australianos começaram a implorar por chuva. O bónus de aranhas mortais não estava incluído no pedido, mas os especialistas do Australian Reptile Park acreditam que é …

Governo admite retirar cidadãos nacionais de Wuhan

As autoridades portuguesas estão a cooperar com outros países europeus para reforçar o apoio aos cidadãos nacionais que se encontram em Wuhan, onde ocorreram os primeiros casos do novo coronavírus, admitindo a possibilidade de retirá-los …

Os cogumelos podem ser muito mais antigos do que pensávamos

Os cogumelos podem ser mais antigos do que pensávamos, concluíram cientistas que dataram vestígios de micélio (constituinte dos cogumelos) com 800 milhões de anos, divulgou esta quarta-feira a Universidade Livre de Bruxelas, na Bélgica. Estudos anteriores …

Comer iogurte natural pode ajudar a reduzir o risco de cancro da mama

Uma das causas mais apontadas para o cancro da mama é a inflamação causada por bactérias nocivas. Esta tese ainda não foi provada, mas é apoiada pelas evidências até agora disponíveis de que a inflamação …

Primeiro caso suspeito de infeção por coronavírus detetado em Portugal

Foi detetado o primeiro caso suspeito de infeção infeção pelo novo coronavírus , em Portugal, anunciou este sábado a Direção-Geral de Saúde. “Este doente, regressado hoje [este sábado] da China, onde esteve na cidade de Wuhan …

Slava Semeniuta transforma chuva em atmosfera néon

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, mistura elementos naturais e faz mágica com eles. Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, retoca fotografias de poças de água para criar composições …

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …