Israel quer leiloar bens doados pela União Europeia aos palestinianos

Abir Sultan / EPA

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

A tensão entre Israel e a União Europeia (UE) está a aumentar. Tudo por causa de bens doados pela UE aos palestinianos, para a construção de escolas, que foram confiscados pelas autoridades israelitas.

A UE quer recuperar os materiais que foram apreendidos por Israel sob a alegação de que as escolas pré-fabricadas com os bens doados foram construídas de forma ilegal. Os planos de Israel passam por os leiloar, como é habitual nos casos de apreensões na Palestina.

As autoridades israelitas planeavam vender os bens num leilão público, nesta semana. Mas este foi adiado depois de várias notícias terem reportado a intenção do Governo de Israel e de a UE ter manifestado o seu desagrado.

Oficialmente, o adiamento é justificado por razões “técnicas”, mas parece evidente que Israel procura alcançar um entendimento com a UE para evitar que as relações diplomáticas entre as partes se deteriorem ainda mais.

O jornal israelita Haaretz adianta que a UE terá rejeitado um acordo com Israel que passava por recuperar as estruturas em troca do compromisso de não as doar novamente aos palestinianos sem que Israel autorize um “plano adequado de construção”.

A UE espera recuperar os bens sem qualquer contrapartida, alegando que está a actuar ao abrigo do “direito humanitário internacional”. Assim, apela às autoridades israelitas para “devolverem os itens confiscados sem pré-condições, o mais brevemente possível”.

Caso contrário, devem fornecer uma “compensação sem demora pelos bens desmantelados”, destaca a UE numa nota pública, realçando que “o prejuízo financeiro directo” que lhe é causado devido à apreensão é de “15.320 euros”.

Reconhecendo que Israel tem o poder “administrativo” e a “responsabilidade de segurança” da zona, a UE frisa que o Governo do país também tem “a obrigação de proteger e de facilitar o desenvolvimento para a população local“, bem como “conceder acesso sem restrições à assistência humanitária”.

Os materiais doados pela UE foram confiscados em Outubro de 2018 quando as autoridades israelitas desmantelaram dois edifícios pré-fabricados que deveriam ser usados como salas de aula por 49 crianças palestinianas em Ibziq, localidade perto de Nablus, no norte do território.

Nessa altura, Israel confiscou também tendas à comunidade Al-Hadidiya perto do Vale do Jordão.

Este tipo de apreensões são recorrentes na Palestina e, por norma, Israel leiloa os bens confiscados ao cabo de 90 dias, caso os seus proprietários não os reclamem.

A UE teme que as estruturas apreendidas sejam vendidas a colonos israelitas.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Departamento de Justiça nos EUA investiga alegado esquema de "dinheiro por indultos" na Casa Branca

O Departamento da Justiça dos Estados Unidos está a investigar possíveis subornos em troca de indultos presidenciais na Casa Branca. De acordo com documentos judiciais a que a agência Reuters teve acesso, o Departamento da Justiça …

Confinamento, covid-19, discriminação. Eis as 10 candidatas a Palavra do Ano de 2020

A Porto Editora revelou esta terça-feira as dez candidatas a Palavra do Ano de 2020. Este ano, a iniciativa lançada em 2009 decorre, pela primeira vez, em simultâneo com Angola e Moçambique. De acordo com o …

Mais mortes e menos nascimentos. Portugal está com o maior saldo natural negativo do século

Como avança o Público esta quarta-feira, há 12 anos consecutivos que há mais mortes do que nascimentos em Portugal, mas este ano o país a bateu o recorde do saldo natural negativo. Desde 2009 que o …

"Não há plano B". Costa deixa avisos e recados a Hungria e Polónia

O primeiro-ministro português, António Costa, alertou, em Bruxelas, que não há um plano B ao bloqueio na aprovação do orçamento da União Europeia (UE) e do novo Fundo de Recuperação criado para responder à pandemia, …

Santos deu "nega" ao Benfica e Lucas Veríssimo ameaçou não jogar

O Conselho Fiscal do Santos "negou" a transferência de Lucas Veríssimo para o SL Benfica. O jogador ameaçou mesmo não entrar em campo contra o LDU Quito, na noite passada. O Conselho Fiscal do Santos emitiu …

Governo britânico substitui confinamento por restrições (com oposição interna no Partido Conservador)

Boris Johnson conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições. Dos votos contra, 56 foram de deputados conservadores e 16 de deputados do Partido Trabalhista. O Governo britânico conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições …

Sporting tem sete jogadores na porta de saída e outro para trazer Matheus Reis

O Sporting CP quer livrar-se de sete jogadores excedentários que estão a treinar com a equipa B. O clube quer também trazer Matheus Reis já neste mercado de inverno. Aproxima-se o mercado de inverno e o …

Sindicato acusa TAP de manipulação e diz que não há "trabalhadores a mais"

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) acusou a TAP de “manipulação, falta de ética e desonestidade” e defendeu que a empresa não tem “trabalhadores a mais” e deve procurar os “sorvedouros de …

Menos de 1% dos infetados estavam registados na app StayAway Covid

Menos de 1% das pessoas infetadas com covid-19 desde a disponibilização da app StayAway Covid notificaram a sua infeção. Já mais de 2,6 milhões de pessoas têm a aplicação. Desde o lançamento da aplicação de rastreio …

Guardiola lança farpas ao FC Porto, mas até isso Marchesín defendeu

Pep Guardiola mostrou-se frustrado com a forma como o FC Porto disputou o jogo. Entre os postes, Marchesín foi defendendo (praticamente) tudo o que havia para defender. O FC Porto está nos oitavos de final da …