Irão e Rússia unem-se para preencher vácuo diplomático no Afeganistão

МИД России / Flickr

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Javad Zarif

O Irão, a Turquia, o Paquistão e a Rússia estão a tomar medidas para preencher o vácuo militar e diplomático que se abriu no Afeganistão como resultado da saída das forças norte-americanas e dos avanços militares dos Talibãs.

Em Teerão, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Javad Zarif, reuniu com membros dos Talibãs para discutir questões relativas ao Afeganistão, garantindo, em nota conjunta, que estes últimos não apoiam ataques a civis, escolas, mesquitas e hospitais e que querem um acordo sobre o futuro do país, avançou esta sexta-feira o Guardian.

Do lado dos Talibãs a representação coube a Abbas Stanekzai, negociador e chefe do gabinete político do grupo no Qatar, enquanto o lado do governo afegão foi liderado pelo ex-vice-Presidente Yunus Qanooni. Outras três delegações afegãs estiveram em Teerão ao mesmo tempo.

As estimativas sugerem que cerca de 1 milhão de afegãos cruzarão a fronteira para evitar o conflito. Com cerca de 700 quilómetros da sua fronteira com o Afeganistão sob o domínio dos Talibãs, o Irão já recebeu 780.000 refugiados afegãos registados, enquanto entre 2,1 a 2,5 milhões sem documentos já viviam no país.

A Rússia tem procurado garantias de que os Talibãs não permitirão que as fronteiras ao norte do Afeganistão sejam usadas como base para ataques às ex-repúblicas soviéticas. Numa possível aliança com a Hungria, a Turquia ofereceu tropas para um projeto supervisionado pela NATO, que visa proteger o aeroporto internacional de Cabul.

A delegação dos Talibãs, que visitou o Irão na terça e quarta-feira a convite de Teerão, foi informada por Zarif que pode ter que tomar decisões difíceis. De acordo com o próprio, a continuidade dos conflitos entre os dois lados teria consequências “desfavoráveis” para o Afeganistão e um retorno às negociações seria a “melhor solução”.

Para o economista Saeed Laylaz, o “Irão enfrenta uma crise demográfica” e “a melhor, mais próxima e menos custosa forma de superá-la é aceitar a emigração do Afeganistão. A estabilidade no Afeganistão é importante para a segurança nacional, contribuindo para o envelhecimento da crise e para a economia do Irão”.

“Os Talibãs não poderiam ter sobrevivido tanto tempo sem apoio político e agora podem servir aos interesses diplomáticos regionais do Irão. Os Talibãs não são mais os do passado, perceberam que se deve interagir com o mundo, que se deve cooperar com os países da região”, acrescentou.

Já Rasoul Mousavi, responsável no Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão pelos assuntos da Ásia Ocidental, referiu que os Talibãs provêm “do povo afegão”. “Não estão separados da sociedade tradicional do Afeganistão, sempre fizeram parte dela. Além disso, têm poder militar”, sublinhou.

Taísa Pagno //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …

É a maior contração desde 1995. INE revê queda do PIB para 8,4%

A queda foi pior do que se esperava: o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 8,4% e não 7,6%, indicam os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 8,4% em …

EUA aprovam terceira dose da Pfizer para maiores de 65 anos e grupos de risco

A Food and Drugs Adminustration (FDA) anunciou, na noite de quarta-feira, ter dado luz verde à administração de uma terceira dose da vacina da Pfizer em alguns casos. O organismo que regula a comercialização de medicamentos …

Estabelecimentos de Santos vão encerrar mais cedo. Psicólogos alertam que fim de restrições pode levar a excessos

Redução do horário é a solução encontrada pelos empresários para dar resposta à recente onda de criminalidade que se tem registado na zona de Santos. Especialistas em psicologia apontam o levantar das medidas de restrição, …

885 novos casos e cinco mortes. Internamentos continuam em queda

Portugal registou 885 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal registou, nas últimas …

Número de professores de informática é insuficiente para responder à procura

Aquela que poderia ser uma notícia positiva tem, na realidade, um contexto negativo, já que evidencia uma falha estrutural do sistema de ensino português. De acordo com as informações veiculadas pela Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE), …

De olhos postos em Almada e com a aposta em Joana Mortágua, o Bloco volta a prometer passes a 20 euros

Em campanha em Almada com Joana Mortágua, a habitação e os passes sociais foram os temas em cima da mesa do Bloco de Esquerda. Depois de andar em campanha no Norte, o Bloco de Esquerda foi …