Investigadores europeus vão criar pequenos satélites para monitorizar o oceano

Timothywildey / Flickr

-

Investigadores do Porto, de Vigo e da Noruega estão a participar num projeto que visa criar micro e nano satélites para monitorização dos oceanos, transporte de informação entre diferentes locais e leitura de sinais de rádio emitidos por navios.

“A questão da oceanografia é hoje em dia muito importante porque Portugal pode ter cerca de quatro milhões de quilómetros quadrados no oceano Atlântico, espaço no qual vai passar 65% do tráfego que entra e sai da Europa”, disse à Lusa o diretor do departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), Orfeu Bertolami.

De forma a controlar essa área, “Portugal precisa de ter meios, associando, no futuro, aos métodos tradicionais (navios e lanchas, entre outros), instrumentos automáticos não tripulados”, como os que são desenvolvidos na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), instituição envolvida neste projeto.

Numa primeira fase, o trabalho dos investigadores passou por harmonizar os protocolos de comunicação desses mesmos veículos criados na FEUP com os pequenos satélites, desenvolvidos em Vigo, de modo a poderem trocar informação.

A equipa pretende também estudar, “entre muitas outras hipóteses”, a adaptação a esses pequenos satélites de um instrumento que permite coletar imagens em muitos comprimentos de onda, considerando-se este “um salto bastante importante” nesta área, indicou o diretor.

Outro dos objetivos do projeto, que deu origem ao artigo “Pequenos satélites para a oceanografia: uma pesquisa” (“On small satellites for oceanography: a survey”), é criar um grupo de pessoas capazes de desenvolver este tipo de tecnologia, de preferência em ambiente universitário, onde se pode encontrar estudiosos de várias áreas.

De acordo com Orfeu Bertolami, desde os anos 90 têm sido construídos satélites conhecidos como “cubos”, com cerca de dezenas de centímetros cúbicos, que têm uma estrutura modular e podem ser padronizados.

Existe também “um crescimento” de operações com pequenos satélites, impulsionadas, principalmente, “por uma necessidade académica e pedagógica, mas que tem demonstrado, mais recentemente, a sua viabilidade para operações mais ambiciosas”.

“Essas operações demonstraram a necessidade de desenvolver sensores destinados a observar a Terra, o que inclui monitorização, comunicação e testes de engenharia, não havendo, até à data, aplicações substanciais nas ciências do oceano”, acrescentou o diretor do departamento de Física da FCUP.

Segundo os responsáveis pelo projeto, chegou o momento dos micro e nano satélites (com massa inferior a dez quilogramas e dois a três anos de desenvolvimento), projetados, construídos e testados para observação oceanográfica.

Um satélite é constituído, essencialmente, por um corpo e os instrumentos científicos. “Quando essas plataformas são muito pequenas, há pouca disponibilidade – especialmente energética – para conterem baterias, instrumentação ou rodas de estabilização pesadas, que permitem controlar os satélites”, explicou.

A energia solar, “única fonte de energia constante no espaço vizinho à Terra”, é convertida em eletricidade para os instrumentos através de painéis solares, energia esta que é proporcional à área e ao tempo de exposição, concluiu Bertolami.

Para o investigador, estas limitações fazem com que as plataformas existentes atualmente sejam restringidas na sua capacidade de carregar instrumentação maior que o correspondente a uma máquina fotográfica.

O objetivo do diretor, para além de poder construir este tipo de satélites na FCUP, no período de 18 meses, é operacionalizar alguns desses equipamentos. A longo prazo, pretende ainda produzir e operar uma constelação de pequenos satélites.

Neste projeto participam também os investigadores André Guerra e Frederico Francisco, ambos da FCUP, Jaime Villate, da FEUP, Fernando Aguado Agelet, da Escola de Engenharia de Telecomunicação da Universidade de Vigo (Espanha), e Kanna Rajan, da Universidade de Ciência e Tecnologia da Noruega (Trondheim).

// Lusa

RESPONDER

Guia de descontos para uma Black Friday em grande

O conceito começou por ser uma referência ao colapso da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 1929. Mas a Black Friday como hoje a conhecemos só surgiu nos anos 60, quando o setor do …

Morreu o actor João Ricardo

O actor e encenador João Ricardo, 53 anos, morreu esta quinta-feira, em Lisboa, disse à Lusa a agência do actor. O actor João Ricardo, conhecido pelo seu trabalho na televisão, no teatro e no cinema, nasceu …

Chegou à Finlândia o pão feito com farinha de grilo

Uma das maiores empresas de produtos alimentares da Finlândia vai começar a vender pão de insetos, no qual grilos comuns são moídos e acrescentados à farinha normal, representando cerca de 3% do peso de cada …

39 anos por um crime que não cometeu. Finalmente livre

Craig Coley, agora com 70 anos, cumpria pena de prisão perpétua pela autoria de dois homicídios em 1978. No entanto, 39 anos depois, a sua inocência foi provada e o norte-americano foi libertado. O governador da …

Neutralidade da Internet em jogo nos EUA. Portugal é mau exemplo

A administração Trump quer reverter o princípio do livre acesso a qualquer tipo de conteúdo na Internet. Jornais internacionais apontam Portugal como exemplo de falta de neutralidade. Os Estados Unidos da América vão votar o fim …

Trabalhadores do privado voltam a receber subsídios de Natal e de férias por inteiro

O pagamento dos subsídios de Natal e de férias no setor privado vai deixar de ser feito parcialmente em duodécimos e voltará a ser feito de uma só vez, em 2018, depois da aprovação de …

O milionário que matou o Gawker quer os restos do cadáver

Os advogados do vingativo milionário Peter Thiel apresentaram, esta semana, uma ação para contestar uma previdência cautelar que o impede de comprar os ativos do já "adormecido" Gawker. Em causa, estão os arquivos de 14 …

Governo quer terrenos privados limpos até 15 de março

Os proprietários privados têm "até 15 de março" para limpar as áreas envolventes às casas isoladas, aldeias e estradas e, se não o fizeram, os municípios terão "até ao final de maio" para proceder a …

Uma explosão, segredos de Estado e rumores, mas ainda não há sinal do submarino

As buscas pelo submarino argentino ARA San Juan, que está desaparecido há oito dias, entraram numa fase crítica, quando as esperanças de encontrar a tripulação viva estão praticamente esgotadas. Sem pistas sobre o submarino, há …

Bancos aumentaram ganhos com as comissões pagas pelos clientes

A banca nacional facturou 1,62 mil milhões de euros em comissões líquidas, pagas pelos clientes, desde Janeiro até Setembro de 2017. Um valor que reflecte uma subida de 5,7% relativamente a 2016. Estes dados são avançados …