Relatório da NASA recomenda que se procure vida extraterrestre nos subsolos

ESA/DLR/FU Berlin

O relatório de um estudo pedido pela NASA recomenda que se procure vida extraterrestre no subsolo e se dê um maior ênfase à astrobiologia nos projetos espaciais.

Com a recente descoberta de um lago subterrâneo em Marte e as suspeitas da existência de oceanos subterrâneos nas luas de Júpiter e Saturno a adensarem-se, vários investigadores acreditam que poderá existir vida nestes lugares inesperados, e que se devia estudar todos os tipos de ambientes, não apenas aqueles que imitam a Terra.

Segundo a revista Discover, devido às recentes descobertas astronómicas e aos avanços na astrobiologia, a NASA pediu à Academia Nacional de Ciências, Engenharia e Medicina (NASEM) para conduzir uma análise independente e objetiva sobre a sua atual estratégia de exploração espacial.

A comissão criada pela NASEM contou com 17 pessoas, desde investigadores experientes a professores de biologia, astronomia e ciências da terra, e analisou a estratégia da NASA durante um ano. O seu relatório final foi agora divulgado.

No documento, publicado a 10 de outubro na The National Academies Press, é feita uma sugestão específica: a NASA devia procurar vida extraterrestre em todas as missões espaciais e começar a investigar planetas e luas que, à primeira vista, não são propícias à vida tal como a conhecemos.

“Quanto mais integrarmos a astrobiologia e o pensamento astrobiológico nas missões, mais poderemos aproveitar as descobertas fantásticas que estão a acontecer com as missões atuais”, disse Barbara Sherwood Lollar, cientista da Terra, professora na Universidade de Toronto e presidente da NASEM.

“Incorporando o pensamento astrobiológico no início dos processos, poderemos ser capazes de fazer ainda mais”, acrescentou.

A astrobiologia é o estudo e compreensão da vida em todo o Universo e só sabemos como os organismos se formam e evoluem na Terra – ao usar apenas essa noção para encontrar vida, a maioria das missões espaciais fica apenas atenta aos mundos com água líquida na superfície.

Na astrobiologia também se procuram por bioassinaturas – vestígios, substâncias, objetos ou padrões que foram deixados por seres vivos. As missões típicas da NASA procuram por bioassinaturas semelhantes às da Terra, como gases e moléculas atmosféricas específicas e padrões de superfícies criadas pelos ecossistemas.

Agora, os cientistas que elaboraram este relatório acreditam que ambos os fatores precisam de uma séria reformulação – a abordagem atual pressupõe que toda a vida nasce em ambientes similares aos da Terra, e que essa existência deixará bioasssinaturas semelhantes aos encontrados na Terra.

Contudo, ao aderir a essa estratégia, a NASA pode estar a negligenciar uma enorme quantidade de comunidades desconhecidas.

“Precisamos de ter a certeza de que a nossa caixa de ferramentas de bioassinaturas é universal o suficiente para abranger tanto a nossa capacidade de reconhecer a vida como a conhecemos como aquela que não conhecemos“, explicou Lollar.

Procurar no Subsolo

Se os organismos existem em ambientes novos e inesperados, eles provavelmente emitirão bioassinaturas “agnósticas” – que vão contra a nossa compreensão da vida na Terra.

Para encontrar esses marcadores únicos, a NASEM recomendou a pesquisa de bioassinaturas numa escala mais ampla, como a detenção de pares moleculares que não ocorrem naturalmente ou substâncias químicas peculiares que não correspondem ao ambiente físico.

E, enquanto acredita que a astrobiologia deveria fazer parte de todas as missões espaciais, a NASEM sustenta também que a NASA deveria investigar uma zona em particular – o subsolo de planetas e de luas.

Com a recente descoberta do lago subterrâneo de Marte e os potenciais oceanos dentro das luas de Júpiter e Saturno, a comissão acha que estes ambientes subterrâneos podem ser habitáveis – apontando ainda que cada vez mais ecossistemas são descobertos abaixo da superfície terrestre, suportando esta teoria.

Para lugares mais próximos do planeta Terra, como Marte e as luas no nosso sistema solar, a comissão acredita que se deveria sondar o subsolo para procurar vida. E, ao contrário do que se possa pensar, a opção não é através de perfurações.

“As tecnologias de perfuração têm muito interesse, absolutamente”, contou Loller. “Mas não são os únicos meios de pesquisar em subsolos – radares sísmicos, penetrantes no solos, varredura orbital, todas estas opções nos dão informações sobre o subsolo”.

Para investigar exoplanetas e exoluas distantes, a comissão recomenda o uso de instrumentos telescópios que possam suprimir a luz do sol das estrelas – que geralmente abafa objetos fracos e em órbita.

Essa supressão daria aos pesquisadores uma visão mais brilhante e inédita dos exoplanetas e exoluas e ainda permitiria pesquisar por bioassinaturas.

A NASEM realça ainda que este grande projeto precisa de um esforço colaborativo e que a NASA deveria convocar organizações internacionais, privadas e filantrópicas para a realizar com sucesso. Ao combinar esforços e colocar o ênfase na astrobiologia, a comunidade científica poderia aumentar as hipóteses de encontrar vida extraterrestre.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Governo vai agravar penalização por uso do telemóvel ao volante

O Governo anunciou esta quinta-feira que está a fazer “alterações cirúrgicas” ao Código da Estrada que passam por agravar a penalização ao uso do telemóvel durante a condução e reduzir o período de notificação das …

Encontrado no Alentejo anfiteatro romano da antiga Lusitânia

O quinto anfiteatro romano conhecido na província da Lusitânia foi identificado por arqueólogos na cidade romana de Ammaia, no concelho de Marvão, no Alto Alentejo. Num comunicado enviado à agência Lusa, a Câmara de Marvão, distrito …

Depois da glória o calvário. Jesus assobiado após eliminação do Flamengo da Copa do Brasil

O Flamengo do português Jorge Jesus foi eliminado nos quartos de final da Copa do Brasil de futebol, ao perder frente ao Athletico Paranaense, por 3-1, nas grandes penalidades, após um empate a 1-1 no …

Cerca de 20 milhões de crianças não tomaram vacinas que lhes podem salvar a vida

No último ano, quase 20 milhões de crianças não tomaram vacinas que potencialmente lhes poderiam salvar a vida, deixando-as imunes a doenças como sarampo. Os dados são revelados pelas Nações Unidas, que alertam para “a preocupante …

Piloto da TAP encontrado morto em Estugarda. Operado ao coração, mas apto para voar

Um piloto da TAP de 38 anos foi encontrado morto no quarto de hotel na cidade de Estugarda, na Alemanha. Duarte Pato, que teria um historial de problemas cardíacos, mas que estava apto para pilotar, …

"Não é preciso aumentar vagas, já são mais do que candidatos"

O número total de vagas para a 1.ª fase do ano letivo 2019/2020 quase nada mudou relativamente ao ano passado e, segundo o ministro do Ensino Superior, não há intenções de aumentar neste regime de …

Infarmed já autorizou compra do medicamento para Matilde e outra criança

O Infarmed já autorizou a compra do medicamento Zolgensma para a bebé Matilde e para uma outra criança do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, que também sofre de atrofia muscular espinhal tipo I, avança …

Reino Unido. Boris Johnson e Jeremy Hunt descartam eleições antecipadas

No Reino Unido, Boris Johnson e Jeremy Hunt participaram na última sessão de perguntas e respostas com os militantes conservadores. Os dois candidatos à sucessão de Theresa May defenderam o fim da cláusula especial para …

Índia vai lançar missão à Lua na próxima segunda-feira

A agência espacial da União Indiana informou nesta quinta-feira que vai efetuar na próxima segunda-feira o lançamento da nave não-tripulada para a Lua depois de a missão ter sido abortada esta semana. O organismo Indian Space …

Proprietários em centros históricos podem reclamar IMI dos últimos quatro anos

Os proprietários de imóveis localizados em centros históricos classificados pela UNESCO podem reclamar o imposto municipal sobre imóveis (IMI) pago nos últimos quatro anos, escreve o Dinheiro Vivo esta quinta-feira. A notícia agora avançada pelo Dinheiro Vivo …