Instalação de armas nucleares russas na Bielorrússia é “um desafio” à segurança europeia

Sebastian Derungs / swiss-image.ch / World Economic Forum

Vladimir Putin, presidente da Rússia

O Ministério da Defesa bielorrusso anunciou hoje a realização de exercícios militares conjuntos com a Rússia.

Uma fonte do Departamento de Defesa norte-americano considerou que estes “vão muito além do normal“.

Os Estados Unidos estão preocupados com um projeto de reforma constitucional na Bielorrússia, que permitirá instalar armas nucleares russas neste país que faz fronteira com Ucrânia e Polónia, disse esta terça-feira à imprensa uma alta funcionária do Departamento de Defesa.

A fonte, que solicitou o anonimato, referiu-se ainda aos exercícios militares anunciados hoje por Minsk, considerando que “vão muito além do normal” e podem anunciar uma presença militar permanente da Rússia nesta ex-república soviética, que continua a ser um dos aliados mais próximos de Moscovo.

O Ministério da Defesa bielorrusso anunciou hoje a realização de exercícios militares conjuntos com a Rússia, denominados “Determinação Aliada-2022“, de 10 a 20 de fevereiro.

As manobras fazem parte de uma inspeção das capacidades das forças de reação dos dois países, acrescentou o ministério.

A fonte norte-americana alertou que a Bielorrússia aumentou o seu papel como “ator desestabilizador” na região.

Relativamente ao projeto de reforma da Constituição da Bielorrússia, a fonte do Departamento de Defesa salientou que as alterações propostas “podem ser interpretadas como uma forma de abrir caminho para a Rússia guarnecer forças em território bielorrusso”.

As forças podem ser convencionais e nucleares, e a fonte ainda advertiu que representariam “um desafio” à segurança europeia.

O documento, que será submetido a referendo em 2022, retira a cláusula de que a Bielorrússia é um país livre de armas nucleares, em linha com a afirmação do Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, de que Minsk está disposto a aceitar esse tipo de armamento russo face a uma ameaça da NATO.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE