Revelados ingredientes da estranha substância preta utilizada para cobrir múmias egípcias

Egyptian Ministry of Antinquities

Uma equipa de cientistas descobriu que a substância viscosa e preta utilizada pelos egípcios para cobrir sarcófagos de múmias era composta por uma mistura de gordura animal, resina de árvores, cera de abelha e petróleo bruto.

Várias múmias da XIX à XXII dinastia passaram por este tratamento que incluía uma substância negra entre 1.300 e 750 a.C, escreve a Sputnik News, dando conta que um sacerdote do deus do Sol Rá passou por este processo, há quase 3.000 anos.

Antes de a múmia ser colocada num sarcófago de madeira, esta recebia uma pintura brilhante e uma folha de ouro também brilhante era colocada sobre o seu rosto.

Posteriormente, conta o mesmo portal, todo o corpo da múmia era coberto por uma substância pegajosa e espessa em tons de preto, que ocultava as pinturas pormenorizadas da múmia e o brilho do ouro “para sempre”.

Uma nova análise levada a cabo pelo Museu Britânico revelou a composição da substância, deixando algumas pistas sobre o seu verdadeiro propósito. Para saber mais sobre este composto, os cientistas recolheram e analisaram mais de 100 amostras desta substância, que passaram depois por uma análise de cromatografia gasosa e espectrometria de massa.

“Descobrimos que o muco era composto por uma combinação de óleo vegetal, gordura animal, resina de árvores, cera de abelha e betume, que é petróleo bruto sólido”, disse ao Daily Mail, Kate Fulcher, especialista do Departamento de Pesquisa Científica do museu.

“Os ingredientes exatos variam de um sarcófago para outro, mas [na sua essência] a substância preta era sempre feita com alguns destes componentes”, continuou.

Fulcher diz ser possível que mais ingredientes fossem utilizados mas, devido ao passar do tempo e à desintegração dos compostos, é impossível identificá-los atualmente.

O mesmo jornal britânico sublinha que esta mesma substância foi também encontrada a cobrir apenas rostos de múmias, em caixas que continham estatuetas funerárias, bem como em estatuetas de babuínos.

Os especialistas consideram que os antigos egípcios utilizavam esta substância por ser preta, simbolizando, assim o o renascimento e a regeneração através de deus Osíris. “Em vários textos funerários, Osíris era denominado como ‘O Negro’ e retratado muitas vezes com a pele negra disfarçada de um corpo mumificado”, afirmou a cientista.

“O preto também é a cor associados aos sedimentos depositados nas margens do Rio Nilo após a passagem das inundações sazonais. Neste sentido é possível deduzir que a prática de cobrir sarcófagos com um substância preta conecta o caixão da múmia à regeneração associada ao deus Osíris”, concluiu.

PARTILHAR

RESPONDER

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …