Incêndio na Sertã tem três frentes ativas e mobiliza mais de 700 bombeiros

Nuno André Ferreira / Lusa

Bombeiros tentam combater o fogo em São Pedro do Sul, Viseu

O incêndio na Sertã, no distrito de Castelo Branco, é o único ativo a preocupar as autoridades, mas tem três frentes ativas e está a ser combatido por 731 bombeiros, apoiados por 234 veículos e nove meios aéreos. O vento continua a dificultar as operações.

De acordo com a comandante da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, não existem, atualmente, vias cortadas. Apesar de as autoridades não terem “indicação de situações criticas em curso”, esperam-se condições meteorológicas “desfavoráveis para o combate ao incêndio”, sobretudo devido ao vento.

Tendo isso em conta, foi decidido manter todo o dispositivo no terreno, mesmo nos incêndios já dominados, como o de Gavião, em Portalegre, e o de Vila Flor, em Bragança.

Patrícia Gaspar esclareceu ainda, segundo o Observador, que, durante a noite passada, foi necessário garantir a proteção de várias aldeias junto ao incêndio da Sertã. Dez pessoas foram deslocadas, durante o fim-de-semana, mas a maioria já regressou a casa.

O vento forte que se fez sentir ontem no terreno, e que dificultou o combate aos incêndios, deverá continuar esta segunda-feira. No domingo, o vento foi “entre moderado e forte” e as rajadas de vento “chegaram a atingir os 65 km/h”.

Por prevenção há um dispositivo do INEM – Instituto Nacional de Emergência Médica – no Centro de Meios Aéreos em Proença-a-Nova, constituído por uma viatura médica, uma viatura de suporte imediato de vida (SIV) e quatro ambulâncias.

De acordo com a mesma fonte, foram acionados acordos com seis pelotões militares para operações de rescaldo e vigilância após incêndio, para evitar eventuais reacendimentos.

Em todo o território existem, nesta segunda-feira, 17 incêndios ativos que estão a ser combatidos por 1.765 operacionais, 537 viaturas e 14 meios aéreos. Os distritos que mobilizam mais meios são os de Castelo Branco, Coimbra e Portalegre. Nestes três distritos, estão mobilizados 1 659 operacionais.

Questionada sobre o número de mortos no incêndio em Pedrógão Grande, Patrícia Gaspar voltou a reforçar – tal como a Proteção Civil já o tinha feito durante o fim de semana – que se contabilizam 64 mortos. Este número, acrescentou, foi apurado pelas entidades competentes, nomeadamente os Ministérios da Saúde e da Justiça, e de acordo com “critérios definidos” – são vítimas que morreram com queimaduras e por inalação de fumo.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Ano de incêndios, há a quem lhe interesse andar a incendiar o país.
    Ha ou não atentados terroristas em Portugal?
    Mas os terroristas são de cá…

  2. Há uma ano a conversa era a mesma. As notícias a darem conta que as investigações da pj eram bloqueadas a partir de um certo nível para cima… não se podia investigar mais. Este ano melhoraram o esquema a encontrarem culpados imateriais em meia-dúzia de horas ou menos.
    Só as populações a organizarem-se, vigiando em vez de vereanear, podem fazer alguma diferença. A ideia de que existem “entidades reponsáveis” pelas coisas além de daninha é perigosa. Náo existe “papá” que toma conta. Ou tu tomas conta ou ficas sem as coisas. É tristemente simples.

  3. Se o Governo e a ANPC apostassem nos radios macanudos (CB) e PMR, nada disto teria acontecido.

    A minha associacao teria assumido o comando destes meios e todos teriam comunicacoes.
    Mais recentemente referi a alguns lideres parlamentares que o meios aereos deveriam ser entregues a associacoes privadas e nao empresas.

RESPONDER

Republicação das caricaturas de Maomé foi o motivo do ataque junto ao Charlie Hebdo

A republicação das caricaturas de Maomé terá estado na origem do ataque junto ao edifício da antiga redação do jornal satírico Charlie Hebdo, confessou o principal suspeito. Quatro pessoas foram esta sexta-feira feridas, duas das quais …

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …

Segunda vaga impede mais de 12 milhões de consultas e cirurgias

O cenário de uma segunda vaga em Portugal é bastante provável e prevê-se que mais de 12 milhões de consultas e cirurgias fiquem por fazer. No melhor dos cenários, serão 10 milhões. Um estudo da Associação …