“Impressora de pele” promete ajudar na cicatrização de queimaduras

Uma nova impressora 3D portátil é capaz de depositar “folhas de pele”, umas sobre as outras, e criar um curativo biológico para cobrir grandes queimaduras.

A nova impressora 3D foi desenvolvida por uma equipa de investigadores da Universidade de Engenharia de Toronto e do Sunnybrook Hospital, no Canadá.

Além de cobrir por completo queimaduras na pele de seres humanos, a tinta da impressora é composta por fibrina (uma proteína envolvida no processo de coagulação sanguínea) e células estaminais mesenquimais que se diferenciam em diferentes tipos de células especializadas, dependendo do ambiente. Isto faz com que o material promova a regeneração da pele e seja capaz de reduzir as cicatrizes.

Segundo o EurekAlert, o objetivo da união destes os dois “ingredientes” é que, além de promoverem a regeneração da pele, as feridas cicatrizam mais rapidamente, reduzindo a inflamação e melhorando a cicatrização.

Este avanço científico é um enorme passo para a equipa de investigadores, que lançou o primeiro protótipo da impressora para peles em 2018. Para já, os cientistas testaram a impressora em porcos com queimaduras de terceiro grau, nos quais as “folhas de pele” puderam ser colocadas com uma inclinação de até 45º.

“Anteriormente, conseguimos provar que é possível depositar células sobre uma queimadura, mas não havia nenhuma prova de que houvesse benefícios na cicatrização de feridas – agora demonstramos isso mesmo”, referiu Axel Guenther, líder da investigação, cujos resultados foram recentemente publicados na Biofabrication.

Atualmente, o tratamento de uma queimadura requer o transplante de pele saudável de outras partes do corpo para a ferida. No entanto, grandes queimaduras que cobrem o corpo inteiro representam um desafio muito maior. Além disso, as queimaduras mais graves são caracterizadas pela destruição da camada externa e interna da pele e, normalmente, cobrem uma parte significativa do corpo.

“No caso das grandes queimaduras, não temos pele saudável suficiente disponível, o que pode levar à morte dos pacientes”, refere o investigador Marc Jeschke.

A impressora 3D passou, desde 2018, por 10 reformulações. O protótipo atual inclui um cabeçote de impressão microfluídico de uso único para garantir a esterilização e uma roda flexível, que permite um melhor controlo de feridas mais amplas.

A equipa pretende “reduzir ainda mais a quantidade de quelóides” (lesões salientes e avermelhadas), além de ajudar na cicatrização de feridas. Os investigadores acreditam que este novo dispositivo poderá ser visto num ambiente clínico nos próximos cinco anos.

“Depois de usada numa sala de cirurgias, acho que esta impressora será um divisor de águas para salvar vidas. Com um dispositivo como este, podemos mudar a forma como praticamos os cuidados com queimaduras”, concluem os autores da investigação.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"A situação está caótica": Hospital de Penafiel com vários profissionais infetados

Colaboradores de vários grupos profissionais do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, em Penafiel, estão infetados com o novo coronavírus, disse esta terça-feira a administração daquela unidade, sem precisar o número de casos. "Tal como em …

"Santo Graal". Cientistas criam o primeiro supercondutor a temperatura ambiente do mundo

Uma equipa de físicos criou o primeiro material capaz de supercondutividade em temperatura ambiente, desenvolvendo um processo que pode ajudar a "quebrar barreiras e abrir a porta a muitas potenciais aplicações". Desde a sua descoberta, há …

Planetas parecidos com a Terra costumam ter "guarda-costas"

Um grupo internacional de astrónomos, liderado por Martin Schlecker do Instituto Max Planck para Astronomia, descobriu que o arranjo de planetas rochosos, gasosos e gelados nos sistemas planetários aparentemente não é aleatório e depende apenas …

Disney+ alerta para estereótipos racistas. Filmes clássicos com avisos sobre "maus tratos"

Embora já exibisse mensagens padrão desde o ano passado, a nova plataforma de vídeo Disney+ mostra agora um aviso, que não pode ser passado à frente, no início de vários filmes clássicos - como Dumbo …

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …