“Impressora de pele” promete ajudar na cicatrização de queimaduras

Uma nova impressora 3D portátil é capaz de depositar “folhas de pele”, umas sobre as outras, e criar um curativo biológico para cobrir grandes queimaduras.

A nova impressora 3D foi desenvolvida por uma equipa de investigadores da Universidade de Engenharia de Toronto e do Sunnybrook Hospital, no Canadá.

Além de cobrir por completo queimaduras na pele de seres humanos, a tinta da impressora é composta por fibrina (uma proteína envolvida no processo de coagulação sanguínea) e células estaminais mesenquimais que se diferenciam em diferentes tipos de células especializadas, dependendo do ambiente. Isto faz com que o material promova a regeneração da pele e seja capaz de reduzir as cicatrizes.

Segundo o EurekAlert, o objetivo da união destes os dois “ingredientes” é que, além de promoverem a regeneração da pele, as feridas cicatrizam mais rapidamente, reduzindo a inflamação e melhorando a cicatrização.

Este avanço científico é um enorme passo para a equipa de investigadores, que lançou o primeiro protótipo da impressora para peles em 2018. Para já, os cientistas testaram a impressora em porcos com queimaduras de terceiro grau, nos quais as “folhas de pele” puderam ser colocadas com uma inclinação de até 45º.

“Anteriormente, conseguimos provar que é possível depositar células sobre uma queimadura, mas não havia nenhuma prova de que houvesse benefícios na cicatrização de feridas – agora demonstramos isso mesmo”, referiu Axel Guenther, líder da investigação, cujos resultados foram recentemente publicados na Biofabrication.

Atualmente, o tratamento de uma queimadura requer o transplante de pele saudável de outras partes do corpo para a ferida. No entanto, grandes queimaduras que cobrem o corpo inteiro representam um desafio muito maior. Além disso, as queimaduras mais graves são caracterizadas pela destruição da camada externa e interna da pele e, normalmente, cobrem uma parte significativa do corpo.

“No caso das grandes queimaduras, não temos pele saudável suficiente disponível, o que pode levar à morte dos pacientes”, refere o investigador Marc Jeschke.

A impressora 3D passou, desde 2018, por 10 reformulações. O protótipo atual inclui um cabeçote de impressão microfluídico de uso único para garantir a esterilização e uma roda flexível, que permite um melhor controlo de feridas mais amplas.

A equipa pretende “reduzir ainda mais a quantidade de quelóides” (lesões salientes e avermelhadas), além de ajudar na cicatrização de feridas. Os investigadores acreditam que este novo dispositivo poderá ser visto num ambiente clínico nos próximos cinco anos.

“Depois de usada numa sala de cirurgias, acho que esta impressora será um divisor de águas para salvar vidas. Com um dispositivo como este, podemos mudar a forma como praticamos os cuidados com queimaduras”, concluem os autores da investigação.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Arqueólogos revelam condições horríveis de campo de concentração nazi no Reino Unido

Uma equipa de arqueólogos revelou as condições horríveis de um campo de concentração nazi em Alderney, a ilha britânica mais setentrional do Canal da Mancha, onde estavam prisioneiros políticos e trabalhadores forçados durante a Segunda …

Governo quer reabrir ensino secundário a 4 de maio. Telescola deve arrancar depois da Páscoa

O Governo está a preparar a reabertura das escolas apenas para o ensino secundário para 4 de maio. Ainda falta ouvir a Direção-geral da Saúde, os especialistas, o Conselho Nacional de Educação e o Conselho …

“Não há razão para alarme”. Governo quer perdoar penas até dois anos e antecipar liberdade condicional

A proposta de lei do Governo que estabelece um regime excecional para as prisões, no âmbito da pandemia covid-19, já deu entrada na Assembleia da República, podendo ser consultada na página oficial do Parlamento. No diploma, …

O nosso cérebro evoluiu para acumular mantimentos (e julgar os outros por fazer o mesmo)

O nosso cérebro evoluiu de uma forma que, em situações de stress, acumulamos mantimentos e julgamos os outros por fazer exatamente o mesmo. Os media estão repletos de histórias – e a condenação – de pessoas que …

Autarca de Vieira do Minho denuncia: testes estão a ser desviados para Lisboa

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gerês/Cabreira, Vieira do Minho, detetou 77 infetados pelo novo coronavírus, com os autarcas da área a reclamarem contra a demora na distribuição de testes, disse esta sexta-feira à …

Trump recomenda uso de máscaras (mas recusa-se a usá-las)

Esta sexta-feira, os Estados Unidos tiveram, pelo quarto dia consecutivo, o maior número de mortes em 24 horas, num total de 1.094, e contam com quase 30 mil novos casos. No seu briefing diário, de acordo …

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …