Implantadas pela primeira vez com sucesso vaginas produzidas em laboratório

DR Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest

Molde da vagina implantada em laboratório

Molde da vagina implantada em laboratório pela equipa  do Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest

Pela primeira vez, investigadores produzem vaginas humanas em laboratório e implantam-nas, com sucesso, em quatro mulheres que nasceram com uma doença rara. O procedimento permitiu que o corpo destas mulheres funcionasse normalmente.

Os órgãos femininos foram desenvolvidos por cientistas do Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest, através de células dos orgãos genitais de cada paciente. As mulheres em causa nasceram com síndrome de Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser, uma doença rara que consiste num desenvolvimento deficiente do aparelho reprodutor feminino.

As características variam dependendo do caso, mas passam pela ausência total ou parcial da vagina, do útero e do colo do útero.

Na pesquisa, as pacientes eram adolescentes à altura das cirurgias – com idades entre os 13 e os 18 anos -, que decorreram entre 2005 e 2008.

Passados cinco ou mais anos, durante o acompanhamento posterior ao transplante, as quatro mulheres referiram ter uma vagina a funcionar normalmente e mostravam-se, inclusivamente, satisfeitas com a sua vida sexual.

Cada vagina foi cultivada em laboratório através de células epiteliais, retiradas pelos cientistas do músculo da parte externa da vagina.

As células foram depois colocadas num tecido biológico sem células que serviu como molde, com o tamanho e formato adaptado a cada uma das jovens.

Durante a cirurgia, foi criado o canal vaginal e implantada a vagina. Com o passar do tempo, o sistema nervoso e os vasos sanguíneos penetraram na nova camada de células até ao fim do processo, no qual o molde é absorvido pelo corpo, pode ler-se no estudo, publicado pelo The Lancet.

Para além do facto de isto ser incrível para as quatro mulheres submetidas à experiência, representa uma enorme vitória para a medicina regenerativa.

Anthony Atala, que colaborou com a equipa, afirma que isto pode ajudar, e muito, pessoas que nascem com doenças ou que, por outros motivos, necessitem de um novo órgão.

«Este estudo piloto é o primeiro a demonstrar que os órgãos vaginais podem ser construídos em laboratório e utilizado com sucesso em seres humanos», refere Atala em comunicado.

«Isto pode representar uma nova opção para os pacientes que necessitam de cirurgias reconstrutivas vaginais. Para além disso, é mais um exemplo de como as estratégias da medicina regenerativa podem ser aplicadas a uma variedade de tecidos e órgãos», conclui.

CG, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

FC Porto tira pão da boca ao Sporting ao desviar central brasileiro

Os 'dragões' podem estar perto de chegar a acordo para a transferência de Gustavo Henrique. O central do Santos estava em negociações com o Sporting, mas uma forte investida do FC Porto, pode ter mudado …

Será que os cães conseguem farejar uma gravidez?

Já ouvimos falar de cães a farejar bombas e de cães a farejar cancro. E quanto à gravidez, o que poderá o nariz de um cão dizer? Há várias mulheres grávidas a relatar que o cão …

Quatro mortos em manifestações na Bolívia. São 23 desde o final de outubro

Comissão Interamericana de Direitos Humanos registou pelo menos 122 feridos desde sexta-feira. Já houve 23 vítimas mortais desde o final de Outubro, início da crise social e política na Bolívia. Quatro pessoas morreram no sábado em …

UE acusada de pagar aos próprios traficantes para travar imigração

A União Europeia conta com um processo no Tribunal Penal Internacional interposto por Omer Shatz e Juan Branco. A UE é acusado de pagar aos próprios traficantes para parar a imigração. Omer Shatz, advogado e professor …

Governo quer ter a primeira refinaria de lítio da Europa

O Governo quer abrir a primeira refinaria de lítio no continente europeu. No entanto, João Galamba refere que tudo depende dos resultados do estudo de impacto ambiental das minas. Sem confirmar que venha a haver minas …

Cientistas desvendam novas pistas sobre o maior macaco que já existiu

O mítico "Bigfoot" é uma criatura lendária mas, durante milhões de anos, o verdadeiro — um símio com o dobro do tamanho de um ser humano adulto — percorreu as florestas do Sudeste Asiático, antes …

Preço do tabaco pode aumentar. Decisão cabe ao Governo

Os responsáveis do Programa Nacional para a Prevenção do Tabagismo propuseram um aumento do preço do tabaco, e a decisão depende agora do Governo. Os responsáveis do Programa Nacional para a Prevenção do Tabagismo propuseram um …

Derrocada em Borba. Um ano depois, ainda é uma ferida aberta e problemas continuam

Um ano depois do acidente na pedreira de Borba, o sindicato que representa os trabalhadores garante que os perigos persistem, enquanto a associação Assimagra salienta que foi um caso “isolado” e está a avançar com …

Caracóis estão a ficar amarelos para se adaptarem às alterações climáticas

Nas áreas urbanas, os caracóis estão a ficar com as cascas amarelas para se adaptarem às alterações climáticas. Os cientistas vão agora analisar os padrões das penas dos pássaros, para perceberem se também há uma …

Os terrenos contaminados de Fukushima vão tornar-se num centro de "energia verde"

Fukushima, local que sofreu um dos maiores desastres nuclear do mundo, vai reinventar-se e tornar-se num centro de energia renovável. Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três …