Implantadas pela primeira vez com sucesso vaginas produzidas em laboratório

DR Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest

Molde da vagina implantada em laboratório

Molde da vagina implantada em laboratório pela equipa  do Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest

Pela primeira vez, investigadores produzem vaginas humanas em laboratório e implantam-nas, com sucesso, em quatro mulheres que nasceram com uma doença rara. O procedimento permitiu que o corpo destas mulheres funcionasse normalmente.

Os órgãos femininos foram desenvolvidos por cientistas do Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest, através de células dos orgãos genitais de cada paciente. As mulheres em causa nasceram com síndrome de Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser, uma doença rara que consiste num desenvolvimento deficiente do aparelho reprodutor feminino.

As características variam dependendo do caso, mas passam pela ausência total ou parcial da vagina, do útero e do colo do útero.

Na pesquisa, as pacientes eram adolescentes à altura das cirurgias – com idades entre os 13 e os 18 anos -, que decorreram entre 2005 e 2008.

Passados cinco ou mais anos, durante o acompanhamento posterior ao transplante, as quatro mulheres referiram ter uma vagina a funcionar normalmente e mostravam-se, inclusivamente, satisfeitas com a sua vida sexual.

Cada vagina foi cultivada em laboratório através de células epiteliais, retiradas pelos cientistas do músculo da parte externa da vagina.

As células foram depois colocadas num tecido biológico sem células que serviu como molde, com o tamanho e formato adaptado a cada uma das jovens.

Durante a cirurgia, foi criado o canal vaginal e implantada a vagina. Com o passar do tempo, o sistema nervoso e os vasos sanguíneos penetraram na nova camada de células até ao fim do processo, no qual o molde é absorvido pelo corpo, pode ler-se no estudo, publicado pelo The Lancet.

Para além do facto de isto ser incrível para as quatro mulheres submetidas à experiência, representa uma enorme vitória para a medicina regenerativa.

Anthony Atala, que colaborou com a equipa, afirma que isto pode ajudar, e muito, pessoas que nascem com doenças ou que, por outros motivos, necessitem de um novo órgão.

«Este estudo piloto é o primeiro a demonstrar que os órgãos vaginais podem ser construídos em laboratório e utilizado com sucesso em seres humanos», refere Atala em comunicado.

«Isto pode representar uma nova opção para os pacientes que necessitam de cirurgias reconstrutivas vaginais. Para além disso, é mais um exemplo de como as estratégias da medicina regenerativa podem ser aplicadas a uma variedade de tecidos e órgãos», conclui.

CG, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Já vai poder dormir no castelo de "Downton Abbey" (mas com algumas condições)

O castelo de Highclere, que os fãs da série Downton Abbey conhecem como a casa da família ficional Crawley, está a receber hóspedes. O conde de Carnarvon resolveu abrir as portas a apenas dois convidados, a …

Tinder produz a sua primeira série de televisão (e é “apocalíptica”)

A aplicação de encontros Tinder já terminou as filmagens da sua primeira série de televisão no âmbito da intenção do seu proprietário, o Match Group, de aprofundar a criação de conteúdos originais. Fazer novos programas faz …

Sondagens à boca das urnas mostram empate técnico entre Netanyahu e Gantz

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e Benny Gantz, antigo chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas que lidera a coligação centrista, estão numa situação de empate técnico nas primeiras sondagens à boca das urnas. Esta terça-feira, …

Dois youtubers detidos a tentar invadir a Área 51

Quatro dias antes do evento mundial, dois youtubers adiantaram-se e foram detidos na última terça-feira por tentarem invadir a Área 51, uma base militar secreta dos Estados Unidos. Ties Granzier e Govert Sweep, dois holandeses de …

Onda de bebés nascidos com mãos deformadas abre investigação na Alemanha

As autoridades de saúde lançaram uma investigação depois de três bebés nasceram com deformações raras das mãos nos últimos quatro meses num hospital alemão. "Entre junho de 2019 e o início de setembro de 2019, um …

Explosão causou incêndio nas instalações onde a Rússia armazena a varíola e a ébola

Esta segunda-feira, uma explosão causou um incêndio no Centro Estatal de Investigação de Virologia e Biotecnologia, na Rússia. Estas instalações são dos poucos sítios onde a varíola e a ébola estão armazenadas. Uma explosão num tanque …

Ikea vs Kitea: batalha judicial entre suecos e marroquinos em Portugal

A marca sueca de imobiliário Ikea está a contestar nos tribunais portugueses o registo da marca marroquina Kitea. A semelhança entre os dois nomes não é uma mera coincidência, já que ambas vendem o mesmo …

EUA vão processar Edward Snowden por causa da sua autobiografia

O governo dos EUA vai processar Edward Snowden a propósito da autobiografia que chegou esta terça-feira a mais de 20 países. O processo judicial argumenta que autor violou acordos de confidencialidade. A autobiografia de Edward Snowden, …

27 anos depois, o maestro do trânsito regressa a Castelo Branco

A figura do polícia sinaleiro regressou a Castelo Branco 27 anos depois para coordenar o trânsito, numa iniciativa que surpreendeu os jovens condutores e peões, e que levou os mais velhos a aplaudiram e a …

Descoberto em Ílhavo primeiro sítio pré-histórico subaquático português

Uma equipa de arqueólogos descobriu vestígios de uma mancha de ocupação ou possível acampamento do neolítico a cerca de dois metros de profundidade na Ria de Aveiro, em Ílhavo. "Temos estado a apanhar algumas surpresas valentes. …