Implantadas pela primeira vez com sucesso vaginas produzidas em laboratório

DR Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest

Molde da vagina implantada em laboratório

Molde da vagina implantada em laboratório pela equipa  do Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest

Pela primeira vez, investigadores produzem vaginas humanas em laboratório e implantam-nas, com sucesso, em quatro mulheres que nasceram com uma doença rara. O procedimento permitiu que o corpo destas mulheres funcionasse normalmente.

Os órgãos femininos foram desenvolvidos por cientistas do Instituto de Medicina Regenerativa de Wake Forest, através de células dos orgãos genitais de cada paciente. As mulheres em causa nasceram com síndrome de Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser, uma doença rara que consiste num desenvolvimento deficiente do aparelho reprodutor feminino.

As características variam dependendo do caso, mas passam pela ausência total ou parcial da vagina, do útero e do colo do útero.

Na pesquisa, as pacientes eram adolescentes à altura das cirurgias – com idades entre os 13 e os 18 anos -, que decorreram entre 2005 e 2008.

Passados cinco ou mais anos, durante o acompanhamento posterior ao transplante, as quatro mulheres referiram ter uma vagina a funcionar normalmente e mostravam-se, inclusivamente, satisfeitas com a sua vida sexual.

Cada vagina foi cultivada em laboratório através de células epiteliais, retiradas pelos cientistas do músculo da parte externa da vagina.

As células foram depois colocadas num tecido biológico sem células que serviu como molde, com o tamanho e formato adaptado a cada uma das jovens.

Durante a cirurgia, foi criado o canal vaginal e implantada a vagina. Com o passar do tempo, o sistema nervoso e os vasos sanguíneos penetraram na nova camada de células até ao fim do processo, no qual o molde é absorvido pelo corpo, pode ler-se no estudo, publicado pelo The Lancet.

Para além do facto de isto ser incrível para as quatro mulheres submetidas à experiência, representa uma enorme vitória para a medicina regenerativa.

Anthony Atala, que colaborou com a equipa, afirma que isto pode ajudar, e muito, pessoas que nascem com doenças ou que, por outros motivos, necessitem de um novo órgão.

«Este estudo piloto é o primeiro a demonstrar que os órgãos vaginais podem ser construídos em laboratório e utilizado com sucesso em seres humanos», refere Atala em comunicado.

«Isto pode representar uma nova opção para os pacientes que necessitam de cirurgias reconstrutivas vaginais. Para além disso, é mais um exemplo de como as estratégias da medicina regenerativa podem ser aplicadas a uma variedade de tecidos e órgãos», conclui.

CG, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Este pequeno verme é a criatura mais barulhenta dos oceanos

O oceano é um lugar surpreendentemente barulhento. Há baleias cantoras, camarões-pistola que produzem estrondos sónicos e cardumes de peixes barulhentos.  Mas das criaturas grandes e pequenas que habitam os nossos oceanos, poucas se tornam mais barulhentas …

Já sabemos qual vai ser o primeiro fruto a ser plantado na EEI (e é picante)

Se tudo correr como planeado, em novembro deste ano, a Estação Espacial Internacional (EEI) vai ficar um bocadinho mais picante. De acordo com o Science Alert, os investigadores querem enviar para a Estação Espacial Internacional (EEI) …

O Hubble encontrou um buraco negro que não devia existir

Algo estranho está a acontecer a 130 milhões de anos-luz da Via Láctea na galáxia espiral NGC 3174. Há um disco fino de material a rodear o seu pequeno e esfomeado buraco negro. Discos como os …

Alimentos para bebés têm excesso de açúcar, alerta a OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) detetou em quatro cidades da Europa que pelo menos um em cada três alimentos infantis tem níveis de açúcar excessivos e são comercializados de forma incorreta como adequados para …

Estilo de vida saudável pode compensar risco genético de Alzheimer

Novas pesquisas sugerem que um estilo de vida saudável pode reduzir em um terço o risco de doença de Alzheimer ou outras formas de demência, mesmo existindo genes que aumentem o risco destas doenças. Investigadores britânicos …

Lançada Barbie em homenagem a David Bowie

A Matel acaba de lançar uma Barbie em homenagem ao músico britânico David Bowie, que faleceu em 2016, noticia esta semana a Associated Press. De acordo com a agência noticiosa, a nova da Barbie visa celebrar …

Netflix retrata a trágica história de Nicolau II, o último czar da Rússia

A Netflix acaba de lançar The Last Czars, uma série documental sobre a história de Nicolau II e a sua família, que acabou por ditar o fim da dinastia de 300 anos dos Romanov e …

Português desce e Matemática volta à positiva nos exames do 9.º ano

As médias dos alunos do 9.º ano nos exames desceram este ano a Português e subiram a Matemática, voltando a uma média positiva, mas com uma taxa de reprovação ainda a rondar os 30%. Os exames …

A famosa "Pirâmide Curvada" do faraó Senefuru foi aberta ao público pela primeira vez em mais de 50 anos

No Egito, foi aberta ao turismo, pela primeira vez desde 1965, a famosa "Pirâmide Curvada", construída por ordem do faraó Senefuru há 4.600 anos. Localizada em Dahshur, a 40 quilómetros a sul do Cairo, a pirâmide, …

Príncipe Carlos diz que temos 18 meses para salvar a humanidade

O príncipe Carlos admite que os próximos 18 meses serão cruciais para a sobrevivência dos seres humanos. Durante este tempo, os líderes mundiais terão de controlar as mudanças climáticas para evitar uma catástrofe irreversível. "Senhoras e …