Pelo menos 70 mortos em bombardeamento de prisão controlada pelos rebeldes no Iémen

nesimo / Flickr

Médicos Sem Fronteiras (MSF)

Pelo menos 70 pessoas foram hoje mortas num ataque aéreo contra uma prisão de Saada, bastião dos rebeldes Huthis no norte do Iémen, indicaram os Médicos Sem Fronteiras (MSF), numa comprovação da escalada da violência no país.

Previamente, Bachir Omarom, porta-voz do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICR) no Iémen, tinha-se referido a “mais de 100 mortos ou feridos”, ao citar o balanço dos hospitais após o ataque cometido durante a noite e que não foi reivindicado no imediato, apesar de as suspeitas recaírem sobre a coligação liderada pela Arábia Saudita e que intervém no país desde 2015.

Os MSF, uma organização não governamental (ONG), também descreveram um “ataque horrível”, e segundo indicou um porta-voz, o balanço de 70 mortos apenas se referia a um hospital de Saada. “Outros dois estabelecimentos receberam numerosos feridos e prosseguem as buscas nos escombros da prisão”, acrescentou.

Durante a noite, a coligação dirigida pelos sauditas, que apoia as antigas autoridades iemenitas, flagelou a cidade portuária de Hodeidah (oeste), também controlada pelos rebeldes, o que provocou uma falha da internet em todo o país. Pelo menos três crianças foram mortas nestes ataques.

Grande parte da ajuda humanitária destinada ao Iémen transita pelo porto de Hodeidah, um eixo vital na guerra que opõe os Huthis, apoiados pelo Irão xiita, às forças do Governo instalado no sul, apoiada pela coligação da Arábia Saudita sunita.

Os rebeldes difundiram um vídeo que mostra cenas macabras na sequência do bombardeamento, com edifícios destruídos e equipas de socorro a retirarem corpos dos escombros com cadáveres mutilados nas proximidades, indicou a agência noticiosa AFP.

Por sua vez, a agência noticiosa saudita declarou que a coligação efetuou em Hodeidah “ataques aéreos dirigidos para destruir a capacidade de ação da milícia Huthi” e que visaram “uma placa giratória da pirataria e do crime organizado”, num ataque descrito pela AFP como “de grande envergadura”.

Os Huthis reivindicaram um ataque de segunda-feira passada com mísseis e ‘drones’ em Abu Dhabi, que provocou três mortos e incendiou um depósito de combustível no aeroporto internacional.

Em Nova Iorque, os membros do Conselho de Segurança da ONU reunem-se esta tarde à porta fechada, numa sessão de emergência sobre os ataques dos Huthis contra os Emirados Árabes Unidos, membros da coligação saudita, e a pedido expresso deste país, membro não permanente do Conselho desde 01 de janeiro.

À entrada da reunião, a embaixadora da Noruega na ONU, Mona Juul, afirmou que o ataque aéreo contra a prisão mantida pelos rebeldes “não é aceitável”.

“Estamos muito preocupados (…) e pedimos refreamento e contenção“, disse à imprensa a diplomata, que preside este mês ao Conselho de Segurança da ONU, pouco antes do início da reunião de emergência.

  Lusa //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE