/

A Idade das Trevas ainda está viva no ADN dos escoceses

8

A era dos reinados da Idade das Trevas na Escócia já se dissolveu há muitos anos. Mas, pelo menos, ainda está viva no ADN dos seus habitantes.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O mapeamento genético mostra que os descendentes dos escoceses da Idade das Trevas não viajaram para muito longe e estão, aparentemente, a viver em áreas de países semelhantes aos dos seus ancestrais.

Os resultados do primeiro mapa genético abrangente do país foram publicados este mês na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences. “É notável o quão grandes são as sombras da era dos reinos da Idade das Trevas da Escócia, dado o aumento maciço do movimento da revolução industrial para a era moderna”, disse Jim Wilson, da Universidade de Edimburgo, em comunicado. “Acreditamos que isso se deve principalmente à maioria das pessoas que se casam localmente e preservam a sua identidade genética”.

A Idade das Trevas abrange uma grande parte do tempo desde a queda do Império Romano (476) até 1000. Durante esse período, a Escócia estava dividida em vários reinos – Strathclyde no sudoeste, Pictland no nordeste e Gododdin no sudeste, por exemplo – que são amplamente consistentes com os seis grandes grupos genéticos ainda presentes hoje: Fronteiras, sudoeste, nordeste, Hebrides, Orkney e Shetland.

Investigadores da Universidade de Edimburgo e do Royal College of Surgeons na Irlanda chegaram a essa conclusão depois de estudar a genética de mais de 2.500 britânicos e irlandeses – cerca de 1.000 dos quais eram da Escócia – que tinham avós ou bisavós que nasceram dentro 80 quilómetros um do outro.

Enquanto outras partes das Ilhas Britânicas têm altos níveis de ascendência celta (a oeste) ou germânica (a leste), a ascendência norueguesa era mais alta no norte, com os residentes de Orkney e Shetland a mostrar os níveis mais altos fora da Escandinávia.

Na Shetland, por exemplo, os níveis de ascendência norueguesa atingiram 23 a 28% – os remanescentes genéticos de uma série de invasões vikings entre os séculos VIII e XI, sendo que as Ilhas Shetland e Orkney na ponta norte da Escócia foram o primeiro lugar onde os vikings desembarcaram.

Os resultados também sugerem que alguns fundadores da Islândia podem ter vindo do noroeste da Escócia e da Irlanda, enquanto as pessoas da Ilha de Man parecem ter uma origem predominantemente escocesa.

Mas não é apenas uma visão fascinante da história do país, de acordo com os cientistas. Também pode ser extremamente útil do ponto de vista médico. “Este trabalho é importante, não apenas da perspetiva histórica, mas também para ajudar a entender o papel da variação genética nas doenças humanas”, disse Edmund Gilbert, do Royal College of Surgeons.

“Compreender a estrutura genética de uma população em fina escala ajuda os cientistas a separar melhor a variação genética causadora de doenças daquela que ocorre naturalmente nas populações britânicas e irlandesas, mas tem pouco ou nenhum impacto no risco de doenças”.

PUBLICIDADE

  ZAP //

8 Comments

  1. Muito interessante, mas a imagem está desajustada… Mais valia terem colocado uma foto das Highlands escocesas ou de um castelo na Escócia… Esta imagem é do castelo bávaro Neuschwanstein, construído no século XIX, em Schwangau, na Alemanha…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.