Na Idade do Bronze, restos mortais eram guardados como relíquias

(dr) Wiltshire Museum

O instrumento musical feito a partir do osso de uma coxa

Arqueólogos britânicos descobriram que, na Idade do Bronze, as pessoas guardavam restos mortais de parentes como relíquias ao longo de várias gerações.

Em comunicado, os investigadores da Universidade de Bristol, no Reino Unido, dizem que estas descobertas sugerem que os nossos antepassados não viam os restos mortais como “assustadores”, mostrando a sua intenção de homenagear e recordar os falecidos.

A equipa usou a datação por radiocarbono e tomografias computadorizadas para estudar estes ossos da Idade do Bronze, com cerca de 4500 anos, encontrados no Reino Unido.

“Descobrimos que muitos dos restos mortais foram enterrados durante um tempo significativo depois da pessoa morrer, o que sugere uma tradição de preservação de restos humanos”, disse Thomas Booth, autor principal do estudo publicado, a 1 de setembro, na revista científica Antiquity.

Os cientistas destacam o caso de um osso da coxa, proveniente de Wiltshire, que foi transformado num instrumento musical e incluído como bem funerário no enterro de um homem encontrado perto de Stonehenge.

De acordo com o mesmo comunicado, a datação por radiocarbono deste “instrumento musical” sugere que pertencia a alguém que essa pessoa conheceu durante a sua vida.

“Embora os fragmentos de ossos humanos fossem incluídos como bens funerários com os mortos, também eram mantidos nas casas dos vivos, onde eram enterrados e até expostos”, destaca a professora Joanna Brück, investigadora principal do projeto.

A equipa também analisou as alterações microscópicas nos ossos produzidas por bactérias, para obter uma indicação de como é que o corpo foi tratado durante a decomposição.

“A micro-tomografia computadorizada sugeriu que estes ossos vieram de corpos que foram tratados de formas semelhantes às que vemos em restos humanos da Idade do Bronze. Alguns foram cremados antes de serem separados, outros foram exumados após o enterro e alguns ficaram sem carne ao serem deixados no solo”, explicou Booth.

Isto sugere que não havia um protocolo exato para o tratamento dos corpos cujos restos estavam destinados a ser preservados, acrescenta.

Os investigadores consideram que esta investigação revela que os mortos foram encontrados não apenas num contexto funerário, mas que os seus restos mortais eram regularmente guardados entre os vivos.

“Este estudo realmente destaca a estranheza e, talvez, a natureza desconhecida do passado distante de uma perspetiva atual. Parece que o poder destes restos mortais está na forma como reportavam para relacionamentos tangíveis entre as pessoas nestas comunidades e não como uma forma de conectar as pessoas com um passado mítico distante”, concluiu Booth.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Hubble encontra a primeira evidência de vapor de água numa lua de Júpiter

Os astrónomos usaram conjuntos de dados de arquivo do Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA para revelar as primeiras evidências de vapor de água na atmosfera de Ganimedes, uma lua de Júpiter. A lua de Júpiter, Ganimedes, …

Twitter oferece 3.000 euros a quem ajudar a resolver o enviesamento racial do seu algoritmo

A rede social Twitter anunciou um novo concurso destinado a investigadores e hackers para identificar e resolver o enviesamento racial do algoritmo usado para cortar as imagens que são carregadas pelos utilizadores. Segundo anunciou no Twitter, …

EUA. Universidade na Florida perdoa milhões em propinas

A Florida A&M University, nos Estados Unidos (EUA), perdoou aos estudantes as dívidas relativas ao ano académico de 2020 a 2021, no valor total de 16 milhões de dólares (cerca de 13,5 milhões de euros). "Esta …

Startup cria saco para lavar roupa que evita envio de microplásticos para oceanos

A startup Skizo, incubada na UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, criou um saco para lavagem de roupa que recolhe os microplásticos libertados pelas fibras e evita o envio dos …

Pegasus. Advogado que luta para libertar a princesa Latifa do Dubai também foi espiado

O ativista de direitos humanos David Haigh — envolvido na libertação da princesa Latifa — é a primeira vítima britânica de espionagem confirmada através do software israelita Pegasus. O advogado britânico e ativista de direitos humanos …

Autor de ataque com faca em Londres queria "matar a rainha"

O autor do ataque extremista com uma faca, em 2020, em Londres, que acabou por morto pela polícia, era conhecido quando esteve na prisão pelo seu radicalismo e por querer "matar a rainha", segundo um …

Crise alimentar leva Coreia do Norte a distribuir reservas militares de arroz

A Coreia do Norte está a destribuir reservas militares de arroz para enfrentar a atual crise alimentar, ao mesmo tempo que uma onda de calor e a seca atingem o país, revelou na terça-feira a …

Jogos Olímpicos: a terra tremeu durante o Brasil-México

Primeira meia-final do torneio masculino de futebol não teve direito a golos durante 120 minutos, mas teve direito a um sismo. Final será entre Brasil e Espanha. O Brasil estará novamente na final dos Jogos Olímpicos, …

A turbina de marés mais potente do mundo já está a funcionar

A mais poderosa turbina de marés do mundo está em funcionamento desde a passada quarta-feira no arquipélago escocês de Orkney. A turbina O2, que pesa 680 toneladas métricas, começou a funcionar na passada quarta-feira, 28 de …

Vacinação Casa Aberta já está disponível para maiores de 30 anos

A modalidade de vacinação Casa Aberta está desde esta terça-feira disponível para as pessoas com idade igual ou superior a 30 anos. De acordo com um comunicado enviado esta terça-feira pela task force, “a modalidade Casa …