Os humanos não viam azul até aos tempos modernos

A visão humana é incrível – a maioria de nós é capaz de ver cerca de 1 milhão de cores, e ainda assim não sabemos se todos percebemos essas cores da mesma maneira.

Agora, os cientistas conseguiram provar que, até aos tempos modernos, os humanos não viam realmente a cor azul. As primeiras evidências do fenómeno, explica o Business Insider, remontam a 1800, altura em que William Gladstone – mais tarde primeiro-ministro do Reino Unido – percebeu que, na epopeia de Homero, a Odisseia, o oceano é descrito como “escuro-vinho” e outros tons estranhos, mas nunca usa a palavra “azul”.

Alguns anos mais tarde, o filólogo Lazarus Geiger decidiu dar seguimento a essa observação e analisou textos antigos islandeses, hindus, chineses, árabes e hebraicos para ver até que ponto a cor era referida. Não encontrou qualquer menção à palavra azul.

Quando se pensa sobre isto, não é assim tão estranho. Além do céu, não há muitas coisas na natureza que sejam claramente azuis.

Na verdade, a primeira sociedade a ter uma palavra para a cor azul foi a dos egípcios, a única cultura capaz de produzir corantes azuis. A consciência da cor espalhou-se aparentemente a partir de então pelo mundo moderno.

Mas só porque não havia palavra para azul, isso significa que os nossos ancestrais não a conseguiam ver? Vários estudos tentaram abordar esta questão, mas um dos mais convincentes foi publicado em 2006 por Jules Davidoff, psicólogo da Universidade Goldsmiths de Londres.

Davidoff e a sua equipa trabalharam com a tribo himba da Namíbia. Na sua linguagem, não há palavra para azul nem nenhuma distinção real entre verde e azul. Para testar se isso significava que eles não conseguiam de facto ver o azul, o psicólogo mostrou aos membros da tribo um círculo com 11 quadrados verdes e um quadrado claramente azul.

A tribo himba viu-se “aflita” para conseguir indicar a Davidoff qual dos quadrados era de cor diferente dos outros. Os que arriscaram adivinhar qual o quadrado diferente levaram muito tempo para obter a resposta certa, e houve muitos erros. Mas, curiosamente, a tribo Himba tem muito mais palavras para verde do que nós.

Então, para validar a experiência, Davidoff mostrou aos ingleses a mesma experiência circular com 11 quadrados de um tom de verde e, em seguida, um quadrado de tom diferente. Como se pode ver abaixo, é difícil distinguir que quadrado é diferente.

(dv) Business Insider

Um outro estudo realizado por cientistas do MIT em 2007 mostrou que os falantes nativos de russo não têm uma palavra única para azul, mas sim uma palavra para azul claro (goluboy) e outra para azul escuro (siniy). Além disso, podem distinguir entre tons claros e escuros de azul muito mais rapidamente do que os falantes de inglês.

Estes dados tudo sugerem que, até que tivessem uma palavra, é provável que os nossos ancestrais nunca tivessem visto o azul – ou, mais precisamente, provavelmente viam-no como o fazemos actualmente, mas nunca o perceberam.

Esta é mais uma prova de como a linguagem molda a nossa capacidade de detetar cores.

PARTILHAR

16 COMENTÁRIOS

  1. E ainda hoje há milhares de portugueses que ainda não vêm muito bem o azul, eu sou um deles. Talvez quando o azul mudar de presidente e banir a classe dos super ladrões, talvez a cor se torne mais nítida.

    • Bem… Embora esteja de acordo consigo, acho que outros presidentes (incluindo o “meu”) também deveriam mudar e acabar (de uma vez por todas!) com as claques de futebol organizadas (que não são nada mais que organizações criminosas envolvidas em tráfico de droga, extorsão… e muitos mais!)!

      • Concordo plenamente consigo. A violência no desporto só acontece quando um clube tem claques organizadas e presidentes arruaceiros 🙂

  2. Penso que em inglês também há duas palavras diferentes (blue e cyan).

    “Na verdade, a primeira sociedade a ter uma palavra para a cor azul foi a dos egípcios”

    Há muita sociedades anteriores à egípcia que se conheça suficientemente bem a linguagem para ser sequer possível dizer isso?

  3. Balelas!
    Psicólogos a entrar no domínio da fisiologia! Temos três recetores de cor nos olhos e pode-se ver que zonas do espetro absorvem (é assim que sabemos que certos animais não veem cores, e que outros veem em zonas do espetro em que nós não vemos). Nós os humanos vemos o azul e distinguimo-lo do verde (escepto alguns daltónicos). Eu vejo muito bem o azul, e vejo muitas nuances de azul entre o verde e o violeta, mas na imagem que mostram vejo 12 quadrados verdes!
    Estes psiquiatras não percebem que pode haver outros motivos para não existir a palavra azul? Sabem que na Europa a roupa azul era diabolizada até uma certa época onde mudou completamante?

    • Concordo consigo em quase tudo, mas efectivamente um dos quadrados tem uma cor diferente (o da 2ª fila a contar de cima, à direita).
      Para comprovar que estava certo, usei um “color picker” e a cor (no meu monitor) dos 11 quadrados iguais é RGB (72, 166, 8) e a do quadrado diferente RGB (87, 168, 1).

      • Talvez… Mas só foi possivel “ver” através de outros meios que não os olhos! Essa pequena variação de tonalidade (e continua a ser verde, como diz o MM) é absolutamente imperceptível ao olho humano. A menos que conte com o poder da sugestão…

        • Caro “olho…vestido!
          O JC disse “comprovar” e não “descobrir”!
          A diferença é realmente é perceptível, apesar de ser difícil de ver.

    • E sabia que a cor rosa é um mistério da existência? porque não há combinação de cores primárias nem no espectro de luz que dê rosa. 😉

    • Caro MM.
      Discordo de si.
      De facto temos esses três tipos de cones para detetar frequências (e bastonetes para a intensidade).
      Mas uma coisa é termos receptores que nos enviam sinais ao cérebro e outra é o cérebro saber descodificar essa mensagem. O que subentendo da notícia é que essa descodificação depende do treino, e o treino depende de haver objetos azuis. E quando existem esses objetos é natural que se crie uma palavra para essa cor.

      • Para mim o grande problema é não se basearem em factos comprováveis e criarem teorias com um pequeno ponto.
        Respondendo à sua nota: O azul é muito frequente na natureza, basta olhar para cima (céu) e para as muitas flores azuis que existem um pouco por todo o lado (não sei se existe alguma flor azul na zona da tribo em que fizeram o estudo, mas provavelmente uzavam a mesma palavra para dizerem céu e azul).

  4. Penso que, a partir da altura em que os seres humanos atingiram a maturação fisiológica do sentido/sistema da visão, com excepção dos daltónicos ou portadores de outras eventuais afecções neuro-visuais, todos passaram a ver os azuis. Tal não significa que lhe tenham atribuído um nome e muitos menos o nome AZUL.
    Se os egípcios arranjaram a palavra AZUL para baptizar o correspondente corante, tê-lo-ão feito para esse fim e não para dar nome à aos azuis do céu, do mar, das flores, da luz. Para eles, AZUL era o corante com que trabalhavam, nome que, por “arrastamento”, veio a significar a cor correspondente.
    E assim terá surgido um referente identificado não tanto pelo seu significado, mas sobretudo pelo significante, que é o que conta para a maioria das pessoas que utilizam o vocábulo AZUL e outros.
    Pode é ter acontecido que a notícia tenha saído com falta de rigor ou tenha sido mal interpretada aquando da sua tradução.

RESPONDER

O chef sírio Imad Alarnab

Imad fugiu da Síria há seis anos. Agora, tem um restaurante de sucesso em Londres

O chef sírio Imad Alarnab deixou a Síria há seis anos, onde tinha vários restaurantes, rumo a Inglaterra. Não desistiu dos seus sonhos e agora tem um novo projeto no agitado Soho, no centro de …

Máquina de venda automática de brindes

Máquina das bolas japonesa. As pequenas esferas de plástico guardam os detalhes de uma viagem surpresa

As máquinas de venda automática de brindes, conhecidas como gachapon no Japão, têm inovado nos últimos anos. Agora, são os detalhes de uma viagem que estão guardados nas pequenas bolas de plástico. O valor das bolas …

O Supremo dos EUA mudou as suas regras para que as juízas não fossem constantemente interrompidas

Revelação foi feita por Sonia Sotomayor, uma das três mulheres que compõe o coletivo de nove juízes e a primeira latina a chegar ao cargo. O facto de serem constantemente interrompidas em reuniões ou outros …

A candidata a primeira-ministra da Hungria, Klára Dobrev.

Num futuro sem Orbán, a oposição escolhe entre um novo conservador ou uma liberal divisiva

Os opositores de Viktor Orbán estão na dúvida quanto ao candidato para enfrentar o atual primeiro-ministro nas próxima eleições. Esta indecisão pode custar-lhes o assalto ao cargo. Viktor Orbán é um nome recorrente na política húngara. …

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …