Os humanos cruzaram-se com outras espécies além dos neandertais

Randii Oliver / NASA

Retrato de uma família de Neandertais há 60.000 anos atrás

Somos o resultado de vários cruzamentos. Um novo estudo revela que os nossos antepassados se cruzaram não com uma, mas com duas populações diferentes do homem de Denisova.

Os nossos genes apresentam traços dos Neandertais o que indica que, no passado, os Homo sapiens tiveram filhos com esses nossos parentes próximos, dando origem aos Homo neanderthalensis.

Da Grã-Bretanha ao Japão, os genes neandertais estão presentes no genoma de várias pessoas. Rostos largos, queixos pequenos e sobrancelhas salientes são características particulares dessa espécie que se prolongaram até ao dia de hoje.

Mas os nossos genes carregam também as marcas dos nossos encontros com diferentes populações do homem de Denisova. O ADN extraído de fragmentos de indivíduos encontrados numa caverna, no sul da Sibéria, forneceu evidências de que também possuímos traços genéticos destes antigos hominídeos.

Uma equipa de cientistas descobriu agora um terceiro evento de cruzamento interespécie, aumento assim a nossa mistura genética. O novo estudo, publicados recentemente na Cell, utilizou um novo método de análise genética para comparar um genoma inteiro do homem de Denisova.

“É surpreendente que possamos analisar a história humana através dos dados genéticos de humanos atuais e determinar alguns dos eventos que aconteceram no passado”, disse a professora de investigação do Departamento de Bioestatística da Universidade de Washington e autora do estudo, Sharon Browning, à CNN.

Neste estudo, os investigadores encontraram dois episódios distintos da mistura do homem de Denisova, que vêm assim acrescentar dados ao que já era conhecido sobre o contributo dos neandertais no ADN dos humanos modernos, escreve o Diário de Notícias.

Na investigação, todos os grupos possuíam ADN neandertal; algumas populações possuíam também traços genéticos que correspondiam a denisovans das Montanhas Altai, mas a principal surpresa estava na existência de um terceiro grupo de genes arcaicos, diferente do ADN neandertal e apenas parcialmente parecido com o ADN dos denisovans das Montanhas Altai.

Para já, a explicação dada pelos especialistas é de que, à medida que os seres humanos ancestrais migraram para o leste, encontraram duas populações diferentes de denisovans. Uma delas, no norte, aparece em pessoas da China, Japão e Vietname. A outra deixou a sua marca genética mais a sul, em populações do sudeste da Ásia.

“Fica também claro que havia populações distintas de Denisovanos, em vez de uma única população”, refere Browning. “O facto de que as duas populações terem divergido sugere que estas não se misturavam muitas vezes entre si, talvez devido à separação geográfica”.

Métodos semelhantes aos que foram utilizados neste estudo podem revelar ainda mais misturas genéticas no nosso ADN. Browning e os colegas não se ficam por aqui e querem estudar outras populações, de modo a encontrar indícios da mistura de outras espécies.

PARTILHAR

RESPONDER

Vírus gigantes nas águas da Índia podem resolver mistério evolutivo

Uma equipa liderada por cientistas do Instituto Indiano de Tecnologia em Bombaim descobriu mais de 20 novos vírus nas águas da cidade, incluindo versões gigantes destes agentes biológicos que podem ajudar a desvendar questões importantes …

Sondagens dão maioria pró-UE no Parlamento Europeu (mas eurocéticos crescem)

As sondagens para o Parlamento Europeu apontam para uma maioria de partidos pró-União Europeia (UE), apesar de os partidos eurocéticos ganharem terreno em relação à composição que resultou das eleições de 2014. Entre os 751 assentos …

A ciência por detrás de um bom chocolate foi finalmente revelada

O melhor chocolate é uma mistura complexa de ciência e o truque não é novo: esta técnica de mistura tem mais de 140 anos. Uma equipa de cientistas da Universidade de Edimburgo, na Escócia, Reino Unido, …

Cristiano Ronaldo eleito o melhor da liga italiana

Cristiano Ronaldo foi o melhor jogador da Liga Italiana 2018/19. A distinção foi anunciada neste sábado, com a Série A a explicar que a escolha foi feita com base em cálculos dos sites Opta Sports, …

Europeias: PS quer fazer o mesmo na Europa, PSD lembra cataplana de Costa e BE pede para não ficar em casa

No dia em que ficou decidido quem seria o campeão nacional de futebol deste ano, a campanha eleitoral para as europeias abrandou, com os partidos a terminarem as iniciativas pelo final da tarde. O cabeça de …

Descobertas inscrições neolíticas com símbolos da realeza egípcia

Uma missão arqueológica do Ministério de Antiguidades de Egito descobriu perto da cidade de Assuão, no sul do país, as primeiras inscrições reais que remontam ao período neolítico. Este período começou há 12 mil anos e …

Já sabemos qual é o segredo para superar a inveja

De acordo com uma investigação recente, temos mais inveja da experiência de uma determinada pessoa antes de ter acontecido do que depois de já ter passado. O segredo está no tempo. Pesquisas anteriores mostraram que os …

Holanda é a vencedora da 64.ª edição da Eurovisão

A Holanda, que venceu pela última vez há 44 anos, foi o país que obteve maior pontuação (492 pontos), atribuída pelos espetadores de cada país e pelos júris nacionais dos 41 países que participaram na …

Primavera em Plutão: uma análise ao longo de 30 anos

Sempre que passa em frente de uma estrela, Plutão fornece informações preciosas sobre a sua atmosfera, preciosas porque as ocultações de Plutão são raras.  A investigação realizada por investigadores do Observatório de Paris, ao longo …

Os carros voadores podem fazer parte do transporte público de Paris em 5 anos

A operadora de transportes públicos RATP, que administra os serviços de autocarros, elétricos e metros em Paris, anunciou a sua parceria com a companhia aérea europeia Airbus para "estudar a viabilidade" de incorporar veículos voadores …