Hospital de Cascais tem enfermeiros a fazer 60 horas semanais

A Ordem dos Enfermeiros denunciou este sábado a existência de profissionais contratados no Hospital de Cascais para trabalhar 60 horas semanais, carga horária que põe em risco a segurança dos cuidados. Além disso, tem serviços com apenas um enfermeiro por turno.

Estas situações são apresentadas num relatório de uma visita realizada em agosto ao Hospital de Cascais, a que a Lusa teve acesso, e que a Ordem dos Enfermeiros remeteu para a ministra da Saúde, Marta Temido, no final do mês passado.

Segundo o documento, o Hospital de Cascais “tem enfermeiros contratados em regime de prestação de serviço, a recibos verdes, com contratualização de 250 horas mensais de trabalho (62,5 horas/semana)”. Para a Ordem, esta carga horária semanal “configura um gravíssimo risco na segurança dos cuidados prestados e também na qualidade”.

No documento enviado à ministra, a bastonária Ana Rita Cavaco refere que o Hospital de Cascais, embora sendo uma parceria público-privada, devia aplicar as 35 horas semanais definidas para todo o Serviço Nacional de Saúde. “Não o fazer gera uma situação de profunda desigualdade entre instituições.”

No relatório, a Ordem denuncia ainda que há serviços no Hospital de Cascais com apenas um enfermeiro a assegurar um turno, como a pediatria ou a ginecologia, no horário noturno, entre as 20h00 e as 8h30. “A situação é absolutamente inadmissível”, e pode comprometer a vida dos doentes e a prestação de cuidados de enfermagem.

O Hospital de Cascais estará ainda a cometer uma ilegalidade ao “dispensar” enfermeiros de turnos avisando-os na véspera, alegando que “há poucos doentes internados”. “Este tipo de gestão, que já agora é ilegal, faz com que alguns enfermeiros fiquem a dever horas ao serviço. Em alternativa acontece também serem mobilizados, durante o turno em curso, para outros serviços, que nem conhecem”, indica o documento.

Outra das situações prende-se com a constituição da equipa de emergência médica intra-hospitalar, que integra um enfermeiro da unidade de cuidados intensivos.

Contudo, esse profissional continua a ter doentes atribuídos durante aquele turno, o que faz com que o enfermeiro seja “forçado” a deixar os doentes dos cuidados intensivos quando a emergência intra-hospitalar é ativada. Deste modo, a unidade de cuidados intensivos fica com número insuficiente de enfermeiros.

A bastonária dos Enfermeiros frisa à ministra da Saúde que “a falta de contratação de enfermeiros” para as “já desfalcadas equipas” deixa os serviços “incapazes de garantir a segurança das pessoas e dos próprios profissionais de saúde”.

Ana Rita Cavaco defende que os serviços e as chefias de enfermagem devem “propor o encerramento de áreas funcionais” quando não há enfermeiros em número suficiente, sendo esta uma medida para a segurança das pessoas que procuram o SNS.

Contactado pela Lusa, o Hospital de Cascais não rebateu, numa declaração enviada por escrito, as situações denunciadas no relatório da Ordem dos Enfermeiros, referindo que a unidade “rege-se pelas melhores práticas laborais e cumpre todas as normas em vigor” que regulam a prática profissional dos enfermeiros.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Consumo de vinho aumentou "acentuadamente" durante confinamento

Um estudo europeu divulgado esta segunda-feira concluiu que a frequência do consumo de vinho "aumentou acentuadamente" em Espanha, França, Itália e Portugal com o confinamento e que as principais fontes de abastecimento foram os supermercados …

João Félix lesiona-se a poucos dias do regresso da La Liga

João Félix contraiu uma lesão no ligamento lateral interno do joelho esquerdo durante um treino, informou esta segunda-feira o Atlético de Madrid. "João Félix sofreu uma entorse do ligamento colateral medial de baixo grau do joelho …

"Agiu com responsabilidade, legalidade e integridade". Boris Johnson segura assessor

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, apoiou este domingo o seu principal conselheiro, Dominic Cummings, acusado de violar as regras de confinamento impostas para combater a pandemia covid-19, assegurando que o assessor agiu legalmente e com …

Dieselgate. Volkswagen condenada a indemnizar cliente

A justiça alemã condenou hoje a Volkswagen a indemnizar em parte um cliente que comprou um automóvel equipado com um motor diesel falsificado, numa sentença que deve influenciar dezenas de milhares de processos cinco anos …

Caso prazo das moratórias não seja alargado "terão de ser criadas outras medidas extraordinárias"

Caso as "as moratórias dos créditos não forem prolongadas, ou o Governo ou a Assembleia da República terão de criar outras medidas extraordinárias para as apoiar", disse a coordenadora do Gabinete de Proteção Financeira (GPF) …

Santuário de Fátima retoma no sábado celebrações com presença de peregrinos

O Santuário de Fátima vai retomar as celebrações com a presença de peregrinos a partir de sábado, garantindo as condições de segurança para o maior número de pessoas. O Santuário de Fátima, no concelho de Ourém, …

Ex-ministro da Saúde da Bolívia em prisão preventiva por suspeitas de corrupção

O ex-ministro da Saúde da Bolívia foi detido, na semana passada, por suspeita de corrupção na compra de ventiladores. O ex-ministro da Saúde da Bolívia, detido na última semana por suspeita de corrupção na compra a …

OMS considera cada vez mais improvável segunda grande vaga

A diretora do departamento de Saúde Pública da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou hoje que é "cada vez mais" improvável uma segunda grande vaga do novo coronavírus, mas aconselhou muita prudência. Em entrevista à rádio …

Açores reabrem creches e jardins de infância. Aulas de 11.º e 12.º também em São Miguel

As respostas sociais, encerradas devido à pandemia, reabrem esta segunda-feira no Pico, Faial, Terceira e São Jorge, e na ilha de São Miguel são retomadas as aulas dos 11.º e 12.º anos para alunos inscritos …

"Há muita gente a passar fome" no sector das Artes (alguns artistas receberam 50 euros de apoio)

Não vai haver condições para abrir muitas salas de espectáculos a 1 de Junho, como está permitido, alerta-se no sector das Artes, onde há "há muita gente a passar fome". Alguns artistas só conseguiram receber …