Hospitais públicos: Dívida de quase 1200 milhões em medicamentos e dispositivos médicos

Os hospitais públicos estão a acumular dívidas à indústria farmacêutica e às empresas de dispositivos médicos. Os dados mais recentes, de setembro, mostram que o SNS não está a saldar as dívidas a estes fornecedores, que têm a receber quase 1200 milhões de euros.

Dados da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma) revelam que a dívida do Serviço Nacional de Saúde (SNS) aos laboratórios soma 947 milhões de euros, mais 37,1 milhões de euros face a agosto. O prazo médio de recebimento está nos 335 dias, quando em janeiro era de 227 dias.

Do total de 947 milhões de euros, 667,8 milhões de euros são dívida vencida, ou seja, dívida cujo prazo de pagamento já foi ultrapassado.

O Expresso adianta, no entanto, que a Apifarma contabiliza os valores reportados pelas suas associadas, o que não representa todo o universo de empresas de medicamentos que fornecem o Estado. “O valor da dívida é obtido através de um inquérito realizado a 69 empresas associadas”, sendo contabilizados 62 medicamentos e sete diagnóstico in vitro, cuja representatividade é de 83,3% e de 65%, respetivamente. Isto significa que  o valor das faturas por saldar será superior.

Em relação às dívidas relativas a dispositivos médicos acontece exatamente o mesmo. Dados da Apormed (Associação Portuguesa das Empresas de Dispositivos Médicos) adiantam que os hospitais deviam 249,8 milhões de euros (mais 6 milhões face a agosto) a este setor, dos quais 151,7 milhões de euros estavam por pagar há mais de 90 dias.

Contudo, a Apormed representa cerca de 75% das aquisições de dispositivos médicos por parte dos hospitais públicos, ou seja, também os números das faturas por saldar serão inferiores à realidade. Estes fornecedores têm que esperar, em média, 321 dias para receberem pelo material vendido aos hospitais públicos.

João Gonçalves, secretário-geral da Apormed, explicou ao semanário que “durante o primeiro trimestre, verificou-se uma diminuição atingindo-se, em março, 206 milhões de euros, mas a partir de abril a dívida subiu sempre, com exceção do mês de julho”.

“Os elevados atrasos nos pagamentos dos hospitais públicos às empresas de dispositivos médicos tem um impacto muito negativo na gestão de tesouraria, tanto mais que se trata de um setor que é constituído em mais de 90% por micro, pequenas e médias empresas” acrescenta ainda o responsável.

Esta situação é, por sua vez, agravada graças à grande dependência dos hospitais públicos que representam, em média, cerca de 70% da faturação global.

“Para colmatarem os constantes défices de tesouraria, as empresas têm que se financiar ou contraindo empréstimos à banca ou cedendo os seus créditos (venda de faturas) a empresas de factoring”, o que implicam mais custos para a atividade, explicou João Gonçalves.

Esta é uma “triste realidade de incumprimento crónico contratual por parte dos hospitais, que não é atrativa para os agentes económicos uma vez que o clima de incerteza prejudica o incentivo ao investimento por parte das empresas”, rematou.

  ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

O chef sírio Imad Alarnab

Imad fugiu da Síria há seis anos. Agora, tem um restaurante de sucesso em Londres

O chef sírio Imad Alarnab deixou a Síria há seis anos, onde tinha vários restaurantes, rumo a Inglaterra. Não desistiu dos seus sonhos e agora tem um novo projeto no agitado Soho, no centro de …

Máquina de venda automática de brindes

Máquina das bolas japonesa. As pequenas esferas de plástico guardam os detalhes de uma viagem surpresa

As máquinas de venda automática de brindes, conhecidas como gachapon no Japão, têm inovado nos últimos anos. Agora, são os detalhes de uma viagem que estão guardados nas pequenas bolas de plástico. O valor das bolas …

O Supremo dos EUA mudou as suas regras para que as juízas não fossem constantemente interrompidas

Revelação foi feita por Sonia Sotomayor, uma das três mulheres que compõe o coletivo de nove juízes e a primeira latina a chegar ao cargo. O facto de serem constantemente interrompidas em reuniões ou outros …

A candidata a primeira-ministra da Hungria, Klára Dobrev.

Num futuro sem Orbán, a oposição escolhe entre um novo conservador ou uma liberal divisiva

Os opositores de Viktor Orbán estão na dúvida quanto ao candidato para enfrentar o atual primeiro-ministro nas próxima eleições. Esta indecisão pode custar-lhes o assalto ao cargo. Viktor Orbán é um nome recorrente na política húngara. …

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …