Cientistas descobrem como é que o homem-aranha se agarra às paredes

O segredo pegajoso da cola de aranha foi revelado por uma nova investigação genética, que permite desmistificar como é que o famoso homem-aranha consegue segurar-se às paredes.

O que todas as mais de 45 mil espécies de aranhas descritas na Terra têm em comum? Cada uma produz pelo menos um tipo de seda. E há muitos tipos por aí. A aranha mais comum — que gira as teias espirais clássicas que parecem estar sempre suspensas à altura do rosto humano — pode produzir sete sedas diferentes, cada uma com propriedades de material únicas.

A seda que forma a estrutura de uma teia orbital é famosa pela sua resistência, comparável à do aço. A espiral de captura é feita de uma versão altamente elástica chamada seda flageliforme. Estas aranhas usam um tipo adicional de seda para embrulhar a presa e criar decorações.

Mas há outro tipo que, à superfície, não se parece com seda: a cola pegajosa com a qual algumas aranhas cobrem os fios de captura. Apesar de não parecer, essa substância pegajosa das teias é, na verdade, uma proteína de seda.

Por muitos anos, os investigadores descobriram os segredos da cola de aranha, que permanece húmida no seu ambiente ao ar livre e pegajosa durante muitos ciclos de fixação e libertação. A sua composição genética permaneceu uma incógnita, significando que os cientistas nunca puderam montar uma produção em larga escala desse biomaterial potencialmente útil.

Usando novas tecnologias, os cientistas conseguiram desvendar as primeiras sequências genéticas completas que codificam as proteínas da cola de aranha. O estudo foi publicado este mês na revista G3.

Uma seda que é realmente uma cola pegajosa

Sob um microscópio, a cola lembra quase lantejoulas numa corda — pequenas esferas reluzentes ao longo de um cordão de seda elástica. Em vez de ser transformada em fibra, as proteínas da cola são extrudidas como uma massa confusa. O seu trabalho é manter as presas coladas à rede.

A cola de outras espécies de aranhas é pegajosa quando húmida, mas vai perdendo essa capacidade com a diminuição da humidade. Noutros casos torna-se diluída e fina se a humidade for muito alta.

Estas diferentes propriedades adesivas intrigaram os cientistas de biomateriais que sonham com vários usos para versões artificiais de colas de aranha. No entanto, sem conhecer os genes que codificam essas proteínas, não há um guião claro sobre como produzir cola de aranha sintética.

Descodificando um código longo e repetitivo

Surpreendentemente, os investigadores apenas sequenciaram cerca de 20 genes de seda de aranha, apesar da incrível diversidade de espécies e do interesse de décadas na seda como um biomaterial útil.

Acontece que não são só as propriedades da seda que são incríveis, mas também o código de ADN para produzir a proteína. Os genes da seda da aranha são extremamente grandes; em si só, isso não é um problema, mas a maior parte da sequência é feita de repetições dos mesmos pequenos bocados de ADN.

Imagine que a frase uma frase é uma sequência de ADN que codifica uma proteína, mas cuja ordem exata de letras ainda é desconhecida.

A fim de descobrir essa sequência, o principal método de tecnologia de sequenciamento de ADN disponível tem três etapas principais. Assim que uma amostra de ADN é recolhida, muitas cópias da frase são divididas aleatoriamente em pequenos pedaços.

Em seguida, uma máquina de sequenciamento de ADN descobre cada letra de cada pedaço. O passo final é costurar todos os bocados numa sequência para descobrir a frase original. Como a composição genética é repetitiva, torna a tarefa extremamente árdua.

Desvendar o ADN de uma vez só

Durante muitos anos, o sequenciamento de ADN limitou-se a essa estratégia de leitura abreviada: partir um gene em pedaços e depois juntar tudo numa sequência coesa.

Deixando de lado algumas técnicas difíceis e caras que estão fora do alcance de maior parte dos laboratórios, a melhor maneira de descobrir um gene longo e repetitivo é sequenciar a parte repetitiva do início ao fim de uma só vez.

Felizmente, a tecnologia emergente, ainda que “jovem”, começa a permitir esse sequenciamento de leitura. Para aqueles que estudam ADN super-repetitivo, esta é uma excelente notícia.

Agora que dois genes de cola de aranha estão totalmente sequenciados, o primeiro passo para fazer uma versão sintética está completo. Os investigadores podem agora inserir os genes noutros organismos, como bactérias ou leveduras, para produzir a cola em grandes quantidades.

A cola tem potencial para muitas aplicações únicas e é biodegradável, solúvel em água e permanece pegajosa por meses ou até mesmo anos. Poderá ser usada para o controlo de pragas ou filtros reutilizáveis, por exemplo.

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Quanta idiotice, cara… E eu achando que ele se agarrava as paredes por ser uma criação do Stan Lee e tal

Depois da polémica, Hank Azaria deixa de dar voz a Apu dos "Simpsons"

O ator que dá voz à personagem indiana Apu Nahasapeemapetilon, da série "Os Simpsons", anunciou que vai deixar de o fazer, depois de vários anos de polémica. Segundo a BBC, Hank Azaria anunciou, este fim-de-semana, que …

"Parasite" vence prémio principal do Sindicato dos Atores dos EUA

O filme do realizador sul-coreano Bong Joon-ho venceu, no domingo, o prémio mais importante do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (SAG), tornando-se o primeiro filme em língua estrangeira a receber tal distinção. A comédia negra …

Cientistas criam método inovador para tratamento de lesões agudas da pele

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele. Um grupo de investigadores do CNC …

Elon Musk quer enviar 10 mil pessoas a Marte até 2050

O CEO da Space X, Elon Musk, quer construir cem naves por ano e levar pelo menos dez mil pessoas a Marte até 2050, embora os protótipos das naves espaciais Starship ainda estejam sujeitos a …

Como será um iPhone daqui a um milhão de anos? Artista mostra o impacto de lixo eletrónico

https://vimeo.com/386000590 A exposição The World After Us: Imaging techno-aestethic futures tem instalações onde se pode ver a natureza a tomar conta de telemóveis, computadores, tablets e outros dispositivos, mostrando que dificilmente se desintegrarão nos próximos anos. Os …

Marca japonesa acusada de apropriação cultural por perucas de modelos

A marca japonesa Comme Des Garçons foi acusada de apropriação cultural devido às perucas usadas pelos seus modelos caucasianos num desfile na Paris Fashion Week, em França. De acordo com a BBC, as perucas com tranças …

Índia suspende a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop

As autoridades estatais do estado indiano de Maharashtra decidiram suspender a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop, que iria ligar as movimentadas cidades de Bombaim e Pune. O Governo local decidiu não avançar para …

Regina Duarte inicia "período de testes" na Secretaria da Cultura do Brasil

A atriz brasileira afirmou, esta segunda-feira, que iniciou um "período de testes" na Secretaria Especial da Cultura, pasta que foi convidada a liderar após a exoneração de um governante que parafraseou um discurso nazi. "Nós vamos …

Malásia devolve 150 contentores ilegais de lixo a países desenvolvidos

As autoridades da Malásia anunciaram, esta segunda-feira, que devolveram 150 contentores ilegais de lixo para os seus países de origem e afirmaram que não se querem tornar num "aterro sanitário" dos países desenvolvidos. Os países da …

Vietname contorna Huawei ao desenvolver tecnologia própria para o 5G

O maior grupo de telecomunicações do Vietname vai implementar este ano o 5G com recurso à sua própria tecnologia, contornando os chineses da Huawei, num sinal das implicações geopolíticas da rede de quinta geração. A empresa …