H&M retira do mercado bolas de futebol para bebé por risco de asfixia

evilpeacock / Flickr

-

A empresa sueca de vestuário H&M anunciou esta quarta-feira, em comunicado, a retirada de bolas de futebol disponíveis na secção de bebé das suas lojas devido ao risco de asfixia, prometendo reembolsar quem devolva o produto.

A empresa explica ter decidido retirar do mercado as bolas de futebol feitas de espuma, com nove centímetros de diâmetro, decorada com o padrão clássico de futebol (branco e preto), disponível na secção de bebé, como medida de prevenção devido ao risco de asfixia.

“O produto pode desfazer-se em pedaços pequenos quando mordido ou beliscado/rasgado. Os pedaços pequenos podem provocar o risco de asfixia”, informa a empresa.

Por isso, a empresa sueca pede aos consumidores que suspendam imediatamente o uso da referida bola de futebol (com a referência 0/N 767680/P/N 0212555) e a devolvam a qualquer loja H&M, onde lhes será reembolsado o valor do produto na sua totalidade.

No comunicado, a H&M informou ter recebido informações de três casos em que pedaços pequenos do produto se soltaram, mas garantiu não terem sido reportados até ao momento quaisquer danos pessoais, tratando-se uma medida preventiva voluntária.

H&M

As bolas de futebol que a H&M retirou do mercado

As bolas de futebol que a H&M retirou do mercado

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em seis meses, 21 mil norte-americanas pediram comprimidos online para abortar

Entre outubro de 2018 e março deste ano, 21 mil mulheres norte-americanas pediram ajuda à Aid Access, sendo que entre um terço e metade dessas mulheres receberam as pílulas abortivas no correio. Em 2004, a médica …

Manuel Godinho julgado em novo processo de fraude fiscal

O sucateiro Manuel Godinho, principal arguido no processo Face Oculta, vai ser julgado no Tribunal de Aveiro num novo processo de fraude fiscal, que terá lesado o Estado em cerca de 330 mil euros. Além de …

Camorra, droga e a queda meteórica: Eis o novo documentário do mítico Maradona

O documentário "Diego Maradona", produzido pelo cineasta britânico Asif Kapadia, estreou-se esta semana no Festival de Cinema de Cannes, e promete trazer "imagens inéditas" sobre a vida atribulada do antigo futebolista argentino. Kapadia, que produziu já …

Mais de 90% dos portugueses reformam-se sem saber quanto vão receber

Nove em cada dez pensionistas não conhecia o valor que iria receber até seis meses antes da data da reforma. Cerca de 30% dizem que gostariam de se ter reformado mais tarde. A maioria dos portugueses …

PS quer aprovar já diploma do direito a desligar do trabalho (PSD está reticente)

O PS quer aprovar até 19 de julho uma proposta que defina quando é que os trabalhadores têm ou não direito a desligar do trabalho. PSD não revela, para já, o seu sentido de voto. Segundo …

Menino ou menina? Hong Kong é o centro do tráfico de teste proibido na China

Na China, o teste para saber o género dos bebés é proibido, lei criada para controlar o nascimento de crianças do sexo masculino. Contudo, nas redes sociais, tem aumentado o número de individuos que se …

Estivadores do Porto de Setúbal aprovam novo contrato coletivo de trabalho

Os estivadores do porto de Setúbal aprovaram esta quinta-feira, por unanimidade, o acordo do novo contrato coletivo de trabalho negociado entre o sindicato e as entidades patronais. Segundo o presidente do Sindicato dos Estivadores e Atividade …

Senado brasileiro aprova projeto que criminaliza a homofobia

O senado brasileiro aprovou um projeto que criminaliza a homofobia. Quem "impedir ou restringir a manifestação razoável de afetividade de qualquer pessoa em local público ou privado aberto ao público", excetuados os templos religiosos, poderá …

Magistrados europeus denunciam destruição do Estado de Direito na Turquia

Os magistrados europeus afirmam que há "sinais muito sombrios na área da justiça", dando o exemplo da Turquia onde há uma "campanha para destruir a independência do poder judicial e o Estado de Direito." A MEDEL …

Câmara de Lisboa terá gastado ilegalmente quatro milhões de euros em obras sem concurso

A Câmara de Lisboa terá gastado ilegalmente quase quatro milhões de euros em obras públicas feitas sem o respetivo concurso. A conclusão é de uma fiscalização do Tribunal de Contas que analisou três empreitadas e concluiu …