Hamas aceita Estado palestiniano limitado às fronteiras de 1967

O movimento palestiniano Hamas alterou, esta segunda-feira, pela primeira vez na sua história, o programa político, aceitando um Estado palestiniano limitado às fronteiras de 1967 e insistindo no caráter político – e não religioso – do conflito com Israel.

No documento divulgado em árabe e inglês, que anexou à sua carta redigida em 1988, o Hamas declara que “a criação de um Estado palestiniano inteiramente soberano e independente nas fronteiras de 4 de junho de 1967, com Jerusalém como capital, (…) é uma fórmula de consenso nacional“.

O documento com 42 pontos foi publicado no site do Hamas no exato momento em que começava em Doha, no Qatar, uma conferência de imprensa do líder do movimento islâmico palestiniano no exílio, Khaled Mechaal. A conferência, transmitida em direto para a Faixa de Gaza, controlada em exclusivo pelo Hamas há dez anos, contou também com a presença de uma série de dirigentes do movimento, que deverão igualmente tomar a palavra ao longo da sessão.

O Hamas foi classificado como um “grupo terrorista” pelos Estados Unidos, pela União Europeia e por Israel e muitos dos seus dirigentes são alvo de sanções. Ao alterar pela primeira vez em quase 30 anos os seus textos fundadores – por alguns países considerados antissemitas, a começar por Israel -, o movimento está a tentar reentrar no jogo das negociações internacionais, segundo os especialistas.

A principal alteração é o reconhecimento do Estado da Palestina nas fronteiras de 1967 – anteriores à ocupação israelita da Cisjordânia, da Faixa de Gaza e de Jerusalém Oriental -, explicou recentemente à agência noticiosa francesa AFP um alto responsável do Hamas, sob anonimato, frisando que isso não equivalia “em caso algum a um reconhecimento” de Israel.

Os outros pontos mais importantes são a distinção entre os judeus “como uma comunidade religiosa, por um lado, e a ocupação e o projeto sionista, por outro” e, também, a atitude de distanciamento do Hamas em relação à Irmandade Muçulmana egípcia.

Um responsável do Hamas disse à AFP, a coberto do anonimato, que o documento divulgado será em seguida apresentado “em várias capitais estrangeiras”, muitas das quais atualmente se recusam a dialogar com o movimento palestiniano. Este anúncio ocorre a 48 horas do primeiro encontro entre o Presidente norte-americano, Donald Trump, com o seu homólogo palestiniano, Mahmud Abbas, que está de costas voltadas ao Hamas.

O gabinete do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, já classificou o novo documento do Hamas como “mentiroso”. O Cogat, o organismo do Ministério da Defesa israelita encarregado dos territórios ocupados, afirmou que “o movimento terrorista Hamas está a zombar do mundo ao tentar apresentar-se com este suposto documento como uma organização esclarecida e evoluída”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Estrela hiper-fugitiva foi expulsa do disco da Via Láctea

De acordo com investigadores da Universidade de Michigan, uma estrela veloz pode ter sido ejetada do disco estelar da Via Láctea por um enxame de estrelas jovens. Os cientistas dizem que a estrela não teve …

Cientistas portugueses participam na criação do maior telescópio do mundo

O SKA, Square Kilometre Array, está já em construção e será o maior telescópio do mundo. Cientistas portugueses estão a participar no seu design e alguns dos testes serão feitos em território luso. A construção do …

Bolsonaro pondera não assinar qualquer acordo na próxima cimeira do clima

O Brasil está a considerar não assinar qualquer acordo climático na próxima COP25, anunciou este sábado em Santiago o Presidente brasileiro Jair Bolsonaro, após uma reunião que manteve no sábado no Palácio de La Moneda …

Portugal vs Sérvia | Massacre luso com pólvora seca

Segunda jornada do Grupo B da qualificação para o Euro 2020, segundo empate de Portugal, ambos em casa. Após o nulo ante a Ucrânia na primeira jornada, os campeões da Europa não foram além de …

O "homem-milagre". Carteiro português esteve morto 21 minutos e acordou a caminho da morgue

Declarado morto pelos médicos, depois de ter tido um ataque cardíaco, e "ressuscitado" 21 minutos depois, quando já ia a caminho da morgue, o português João Araújo continua a ser conhecido como o "homem milagre" …

Um dos fármacos mais promissores para tratar o Alzheimer falha nos testes em humanos

Uma onda de choque instalou-se na comunidade de pesquisa sobre o Alzheimer na sexta-feira, depois que a empresa farmacêutica Biogen anunciou a suspensão - na fase final em humanos - dos testes com o fármaco …

Gerente de agência de viagens deixou 84 clientes em terra. Em tribunal, foi absolvida

Paula chegou a tribunal acusada de burla qualificada por ter deixado 84 clientes da agência de viagens que geria no Montijo com as férias ou viagens estragadas em agosto de 2016. Chegou a ser detida …

Italiana de 91 anos distinguida pelos seus feitos na II Guerra Mundial. Aos 17 anos, salvou 38 pessoas

Gabriella Ezra, de 91 anos, vai receber a Estrela de Itália. O Estado decidiu homenageá-la depois de a embaixada italiana em Inglaterra, onde Gabriella vive, ter recebido uma carta do filho, Mark, de 65 anos, …

Moscovo enviou dois aviões com soldados e armamento para a Venezuela

Duas aeronaves russas aterraram no aeroporto de Caracas, este sábado, trazendo 100 soldados e 35 toneladas de armamento. As tropas chegaram sob supervisão do chefe do comando principal das forças terrestres russas, Vasilly Tonkoshkurov. A chegada …

Escolas retiram relógios analógicos das salas porque os alunos "não sabem dizer as horas"

As escolas estão a retirar os relógios analógicos das salas de aula porque os adolescentes não sabem ler a hora, disse um sindicato de professores do Reino Unido. Para remediar o problema e substituir os relógios …