Há uma zona no Pacífico “imune” ao aquecimento global (e os cientistas já sabem porquê)

Uma equipa de cientistas da Universidade da Columbia, nos Estados Unidos, revelou o motivo pelo qual uma área do Oceano Pacífico é “imune” ao aquecimento global, segundo um novo estudo.

De acordo com a publicação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica especializada Nature Climate Change, a equipa conseguiu explicar porque é que aquela “língua equatorial fria” – tal como são descritas pelas comunidade científica – não aquece como todas as águas do mundo.

A área em causa, localizada ao longo do Equador e que se estende desde o Peru até ao Pacífico ocidental, permanece fria graças aos ventos alísios da região, que afastam a água quente da superfície, fomentando assim a elevação das águas frias das profundezas.

“Os ventos alísios sopram de leste a oeste através do Oceano Pacífico tropical”, explicou Richard Seager, autor principal do estudo e cientista daquela universidade norte-americana em declarações à Newsweek. “Devido à rotação da Terra, os ventos dirigem as águas” do oceano para o norte e para o sul do equador.

Segundo o mesmo site, e apesar do efeito destes ventos, esta área tem confundido a comunidade científica já há algum tempo, uma vez que os modelos computacionais avançados sobre o clima sugerem que as águas de “língua equatorial fria” deveriam estar a aquecer durante décadas a um ritmo superior ao do resto do Pacífico.

Contudo, esta área parece ser imune às alterações climáticas, uma vez os dados mostram que a temperatura das suas águas permanece relativamente baixa e estável.

A publicação recente considera, no entanto, que este fenómeno pode ser compatível como os modelos sobre o aquecimento global. “O descompasso entre as mudanças observadas na temperatura da língua fria nas últimas décadas e os modelos [do clima] é bastante surpreendente”, explicou Seager, dando conta que área deveria ter aquecido 0,8 graus Celsius ou mais nos últimos 60 anos, mas apenas aqueceu metade do esperado.

Através de simulações computorizadas, os cientistas descobriram que as línguas frias tendem a orientar-se para ambientes equatoriais “que têm uma humidade relativa muito alta e velocidades de vento muito baixas”, o que faz com que a temperatura da superfície do mar seja “muito sensível ao aumento de gases com efeito de estufa”, coisa que neste região não acontece uma vez que a “água fria que emerge de baixo”, rematou.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …