Há 50 anos, as cheias deixaram um rasto de morte que Salazar quis ocultar

Foi há precisamente meio século, a 25 de novembro de 1967, que as cheias, a pior catástrofe a seguir ao terramoto de 1755, deixaram um rasto de 700 mortos e 1100 desalojados. Sob o regime salazarista, esta tragédia nem o lápis azul da censura conseguiu esconder.

António de Oliveira Salazar, o homem que chefiava Portugal na altura, tentou esconder o rasto de destruição que 111 milímetros por mda água que caiu em cinco horas – entre as 19 horas e a meia-noite – tinha deixado, mas nem o lápis azul da censura podia apagar o cheiro que 700 cadáveres deixavam.

Os tempos eram de fome e pobreza e a maioria da população vivia em barracas de madeira em concelhos limítrofes da capital como Loures e Odivelas, a zona mais afetada. Muitos dos habitantes foram arrastados pelas águas e desapareceram.

A noite de 1967 representou 1/5 da precipitação daquele ano. E sabe-se agora, meio século depois, que o número de mortos se estabilizou perto do milhar (700), mas na altura, o Estado Novo parou de contar aos 426, como lembra o Observador. Juntam-se a estes números 20 mil casas destruídas.

Enquanto Portugal dormia, o nível da água do Tejo tinha subido quatro metros em cinco horas.

50 dias depois da tragédia, os corpos continuavam a aparecer: debaixo das ruas enlameadas ou dos edifícios destruídos pela força das correntes, mas nos jornais, já não havia notícias da catástrofe. Era uma tragédia enterrada.

Alice Vieira, na altura jornalista do Diário de Notícias, recorda, em entrevista ao Público, aqueles dias: Um dos funcionários do Estado Novo ligou a João Paulo Guerra, jornalista da Rádio Clube Português, e deu a ordem: “A partir desta hora, não morre mais ninguém“.

Depois daquele aviso, o Governo passou a mandar documentos para as redações na tentativa de suavizar as notícias sobre um desastre cuja dimensão estava perante o olhar de todos.

Um projeto de Francisco da Silva Costa, Miguel Cardina e António Batista Vieira, “As inundações de 1967 na região de Lisboa: Uma catástrofe com diferentes leituras“, revela alguns dos telegramas enviados às redações pelo Estado Novo: “Gravuras da tragédia: é conveniente ir atenuando a história. Urnas e coisas semelhantes não adianta nada e é chocante. É altura de acabar com isso. É altura de pôr os títulos mais pequenos”.

Pouco mais tarde, seguiu-se outro aviso: “Os títulos não podem exceder a largura de meia página e vão à censura. Não falar no mau cheiro dos cadáveres. Atividades beneméritas de estudantes – cortar”.

Era uma tragédia à vista de todos e ainda assim enterrada.

E muitos acreditam que a grande causa desta ser a maior tragédia desde o terramoto que obrigou à reconstrução da capital não foi a chuva, mas sim a miséria pela qual o país passava, sem forças para se levantar.

Foram postas a nu as condições sociais em que muitas pessoas viviam nesta cidade, mas também a inoperância do governo”: “O governo atrasou-se, paralisou, só conseguiu mandar para o terreno o Movimento Nacional Feminino, que só ia atrapalhar, e a GNR, que era uma polícia preparada para reprimir e não para salvar gente. Essa inoperância gerou uma enorme revolta na população”, explicou Danilo Matos, que integrou um dos movimentos estudantis da altura.

“Na realidade, a água foi muita. Foi sem sombra de dúvida a grande culpada da catástrofe, mas se as ‘casas’ (barracas) fossem verdadeiras casas teriam sido arrastadas pelas águas?”, questionaria a 10 de dezembro o Diário do Funchal, num trecho citado na análise de 2014, que conclui que o regime procurou enquadrar o que se passou na categoria de desastre natural, “vincando a inevitabilidade e a cadeia de solidariedade estabelecida”. Mas as estruturas oposicionistas colocaram a tónica nas condições sociais, “que fizeram com que as fortes chuvadas se transformassem num desastre humano”.

Marcelo não esquece

O Presidente da República era então um jovem de 18 anos, no segundo ano do curso de Direito. Com um grupo de estudantes ligado a movimentos católicos juvenis, arregaçou as mangas para ajudar, diz a TSF.

“Estivemos durante praticamente 24 horas permanentemente com equipas de socorro e de apoio, desorganizadas. Nós achamos que nos organizamos da melhor maneira, mas era o que era possível fazer no meio daquele caos”.

Tudo clandestino, porque não havia estruturas do regime” de Oliveira Salazar. O apoio do Estado só chegou vários dias da tragédia. Enquanto isso, apenas estudantes e bombeiros trabalharam para salvar vidas, resgatar os mortos e cuidar dos mais de mil desalojados.

Uma situação “insustentável” que representou para Marcelo Rebelo de Sousa “um choque pelo lado mais chocante, que é o lado social”.

Cinquenta anos depois garante: “Eu nunca mais esqueci isso na vida“.

ZAP CF, ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

    • Que comentário tão estúpido. Que comparação oportunista tão despropositada.
      Realmente, isto de dar voz à ralé… Faz o bujardómetro atingir o vermelho.

  1. Resumo: No século XX, as cheias foram o desastre natural mais mortífero em
    Portugal, seguidas pelos sismos: por cada morte devida aos sismos morreram sete
    pessoas devido às cheias.
    O tipo de cheias conhecidas como «cheias progressivas» afectam principalmente
    as grandes bacias hidrográficas, como a do rio Tejo, provocando a inundação
    de uma ampla área. Este tipo de cheias é causado por períodos de chuva abundante
    relacionada com a circulação zonal de oeste que se mantém durante semanas.
    O sistema de barragens da bacia reduz a frequência das cheias mas não consegue
    «domar» o rio, contribuindo mesmo, por vezes, para o aumento do pico de escoamento,
    tal como aconteceu em 1979. Apesar disso, estas cheias não constituem,
    geralmente, um perigo para a população. As cheias rápidas, pelo contrário, são perigosas
    e mortíferas, tais como as que ocorreram em 1967, 1983 e 1997. Afectam as
    pequenas bacias de drenagem e são causadas por chuvadas fortes e concentradas,
    devido a depressões convectivas (gotas frias extremamente activas ou depressões
    estacionárias causadas pela interacção entre as circulações polar e tropical), nomeadamente
    no Sul do País (região de Lisboa, Alentejo e Algarve). A desflorestação, a
    impermeabilização dos solos, a urbanização caótica, a construção em leitos de
    cheia, o entulhamento dos pequenos cursos de água, ou a sua canalização, a construção
    de muros e aterros transversais ao sentido de escoamento das linhas de água,
    que funcionam como diques, contribuem para a agravamento deste tipo de cheias.

  2. Por cá a miséria e a desgraça provocada pela ditadura da Geringonça Comunista continua a ser camuflada com quentes e reconfortantes “abracinhos”.

RESPONDER

Tondela 0-2 FC Porto | Missão cumprida com serviços mínimos

Missão cumprida. O FC Porto fez poupanças no jogo com o Tondela, mas levou os três pontos para casa, graças a um triunfo por 2-0. Os “dragões” foram claramente superiores no primeiro tempo, marcaram por Toni …

Portugal pode atingir linha vermelha dos 120 novos casos por 100 mil habitantes em dois meses

Portugal pode atingir uma taxa de incidência de de 120 casos por 100 mil habitantes daqui a dois ou mais meses se se mantiver o atual ritmo de crescimento deste indicador. Esta é a conclusão de …

Akon ainda não construiu a "Wakanda da vida real", mas o Uganda já lhe está a dar terrenos para a segunda

O artista de R&B Akon ainda não concretizou a sua visão ambiciosa de uma cidade “futurística” alimentada por uma criptomoeda chamada “Akoin” e construída num terreno que lhe foi dado pelo governo senegalês. Contudo, o …

O Budismo é a religião da paz. E não foi por acaso que conseguiu esta reputação

No ocidente, muitas pessoas associam o budismo à paz. No entanto, os budistas têm vindo a envolver-se em conflitos violentos desde o surgimento da religião. Num artigo assinado no The Conversation, Nick Swann, professor de Estudos …

Nikolai Glushkov. Exilado crítico de Putin morto em 2018 em Londres foi estrangulado

O exilado russo e crítico de Putin, Nikolai Glushkov, que foi encontrado morto e, 2018 na sua própria casa em Londres, no Reino Unido, foi estrangulado. O empresário Nikolai Glushkov, que criticava o presidente russo Vladimir …

Ivo Rosa levanta arresto a casa da rua Braamcamp e apartamento de Paris (e já há uma petição para o afastar)

O apartamento da rua Braamcamp, em Lisboa, onde residia o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o Monte das Margaridas e a casa em Paris de Carlos Santos Silva deixaram de estar arrestadas na Operação Marquês por decisão …

O novo castelo da Disney em Hong Kong é uma celebração da diversidade

O novo castelo da Disney, no parque temático de Hong Kong, quer celebrar a diversidade, homenageando não apenas uma das suas princesas, mas várias. Walt Disney morreu há 55 anos e, desde então, muita coisa mudou. …

Vacinas (ainda) não são o princípio do fim. Sociólogo prevê que demorará anos a limpar “destroços” da covid-19

O médico e sociólogo norte-americano Nicholas Christakis defende, em entrevista à agência Lusa, que as vacinas não são ainda o princípio do fim da pandemia, considerando que demorará anos a limpar “os destroços” da covid-19. “Somos …

Jornalista grego especializado em crime assassinado a tiro. Primeiro-ministro pede rapidez na investigação

Um jornalista grego especializado em assuntos criminais foi esta sexta-feira morto por desconhecidos em frente da sua casa em Alimos, nos subúrbios de Atenas, anunciou fonte policial. Giorgos Karaïvaz, jornalista da televisão privada grega Star, foi …

Após 5 meses, alguns Boeing 737 MAX terão de voltar a ficar em terra. Há um "possível problema elétrico"

Cinco meses após voltar a voar após dois acidentes fatais, a Boeing voltou a pedir aos seus clientes que imobilizassem algumas das suas aeronaves para corrigir um "possível problema elétrico". De acordo com a AFP, esta …