Palestras e até uma universidade secreta. Gueto judeu travou uma epidemia mortal na 2.ª Guerra

O povo judeu confinado dentro de um gueto nazi durante a 2.ª Guerra Mundial conseguiu conter um grande surto de tifo, introduzindo medidas de controlo de infecção semelhantes às usadas atualmente na luta contra a pandemia de covid-19.

O tifo, uma doença bacteriana muitas vezes fatal que se espalha por piolhos, varreu a Europa durante a 2.ª Guerra Mundial. A propaganda nazi retratava os judeus como os principais disseminadores da doença como forma de obter apoio público para prendê-los em guetos.

Em novembro de 1940, os nazi cercaram mais de 400 mil judeus dentro de um gueto de 3,4 quilómetros quadrados em Varsóvia, na Polónia. As condições superlotadas, a falta de manutenção de esgoto e os inadequados recursos alimentares e hospitalares fizeram com que o tifo infectasse rapidamente cerca de 100 mil pessoas e causasse 25 mil mortes.

No entanto, em outubro de 1941, pouco antes do inverno seguinte, as novas infecções pararam subitamente. Em novembro, o surgimento de novos casos tinha caído 40% e o surto de tifo diminuiu com apenas 10% da população afetada.

Isto foi inesperado, uma vez que o tifo normalmente acelera no início do inverno e os guetos de outros lugares como a Ucrânia ainda estavam a ser devastados pela doença.

“Muitos pensaram que era um milagre”, contou Lewi Stone, professor da Faculty of Life Sciences da Universidade de Tel Aviv, em Israel, e da Escola de Ciências do Royal Melbourne Institute of Technology e da Melbourne Technical College, na Austrália, na Austrália, de acordo com o NewScientist.

Para descobrir como o gueto de Varsóvia eliminou o tifo, Stone e os seus colegas vasculharam documentos históricos de bibliotecas de todo o mundo, incluindo alguns mantidos por médicos que viviam no gueto de Varsóvia. Os cientistas descobriram que os médicos presos no gueto ajudaram a liderar os esforços da comunidade para impedir a propagação da doença.

Centenas de palestras foram realizadas pelos médicos para educar o público sobre a importância da higiene pessoal, distanciamento social e auto-isolamento quando doente. Além disso, também foi criada uma universidade secreta para treinar estudantes de medicina no controlo de infecções e líderes comunitários ajudaram a organizar programas de saneamento e cozinhas.

A modelagem matemática de Stone e dos seus colegas sugere que essas medidas impediram mais de 100 mil infecções no gueto e dezenas de milhares de mortes.

“No final, parece que os esforços prolongados e determinados dos médicos do gueto e os esforços anti-epidémicos dos trabalhadores da comunidade foram recompensados”, disse Stone, em comunicado divulgado pelo EurekAlert. “Não há outra forma de explicar os dados.”

Infelizmente, nem os sobreviventes à doença tiveram um final feliz. Quase todos os residentes do gueto foram enviados para morrer em campos de extermínio que os nazis tentaram justificar como um meio de evitar futuros surtos de tifo.

O exemplo de Varsóvia mostra como as pandemias foram exploradas para fomentar o ódio de grupos minoritário. “Mas um ponto positivo é que também mostra como as comunidades podem usar medidas simples de saúde pública para combater doenças infecciosas e que elas podem fazer uma grande diferença”, concluiu Stone.

O estudo foi publicado na semana passada na revista científica Science Advances.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

FC Porto 1-0 Guimarães | Dragão já vê Sporting no horizonte

O Porto venceu no fecho da 28ª jornada da Liga NOS pela margem mínima, na recepção ao Vitória SC, e conseguiu o principal objectivo, que passava por somar os três pontos e reduzir para quatro …

Italiano faltou ao trabalho durante 15 anos, mas ganhou quase 600 mil euros

Um funcionário de um hospital no sul de Itália recebeu o salário durante 15 anos, apesar de nunca ter aparecido para trabalhar. De acordo com a polícia italiana, citada pela cadeia televisiva CNN, Salvatore Scumace está …

Google ficou sem o domínio na Argentina (e Nicolás achou que ia ser o novo dono)

Na última quarta-feira, um jovem argentino achou que ia ficar rico à custa da distração da Google no seu país. Acabou por não acontecer e tudo ficou resolvido. "Que pague a dívida externa", "que compre vacinas", …

Lola, a robô humanóide, dá "passos de bebé" (e equilibra-se com as mãos)

Uma equipa de cientistas está a ensinar a robô humanóide Lola a dar "passos de bebé", equilibrando-se com as suas mãos em vários pontos de contacto. Há muito tempo que os investigadores estudam a locomoção de …

Presidente da República veta decreto sobre inseminação post mortem

O Presidente da República vetou, esta quinta-feira, o decreto do Parlamento sobre inseminação post mortem, considerando que suscita dúvidas no plano do direito sucessório e questionando a sua aplicação retroativa. Na mensagem dirigida à Assembleia da …

Primeiro-ministro francês está a receber centenas de peças de lingerie no correio

O primeiro-ministro francês tem estado a receber roupa interior feminina na sua caixa de correio. Foi a forma encontrada pelas lojas de lingerie para protestarem contra as restrições da pandemia que as obrigam a estar …

Inteligência artificial "identifica" autores dos Manuscritos do Mar Morto

Investigadores da Universidade de Groningen, nos Países Baixos, recorreram à inteligência artificial para concluir que os Manuscritos do Mar Morto foram redigidos por vários escribas, o que abre uma "nova janela" para o estudo do …

Inteligência Artificial vai ajudar a identificar fontes de poluição no Bangladesh

A produção de tijolos é uma fonte de poluição que ameaça a saúde da população e do planeta, mas regular esta indústria pode ser uma tarefa difícil para as autoridades. Para resolver o problema, uma …

Portimonense 1-5 Benfica | "Águia" arrasa em solo algarvio

O Benfica regressou aos triunfos depois de ter vencido o Portimonense por 5-1, numa partida relativa à 28.ª jornada da Liga NOS, após o desaire registado na recepção ao Gil Vicente.  Porém, não foi um duelo …

Vigaristas burlaram mulher de 90 anos em 32 milhões de dólares

Uma mulher de Hong Kong, de 90 anos, foi defraudada em 32 milhões de dólares por burlões que se fizeram passar por agentes policiais chineses, via chamada telefónica. A Agence France-Presse (AFP) escreve que um jovem …