Gritar ou rir são mesmo as formas mais eficazes de comunicar emoções

Investigadores canadianos descobriram que expressar as nossas emoções em vez de recorrer às palavras são mais facilmente percebidas pelo cérebro dos outros.

A teoria de que falar sobre as nossas emoções é a melhor forma para nos fazermos entender pode estar prestes a ir pelo cano abaixo.

De acordo com uma equipa de investigadores da Universidade McGill, no Canadá, pode ser muito mais eficaz usar outro tipo de vocalizações – grunhidos, gritos ou gargalhadas incluídos.

O objetivo da pesquisa era perceber se o cérebro respondia de forma diferente quando as emoções eram expressas através destes sons ou através da própria linguagem.

Os investigadores concentraram-se em três emoções comuns – raiva, tristeza e felicidade – e testaram 24 participantes com uma mistura aleatória de sons e frases sem sentido.

Além de recorrer a um eletroencefalograma para gravar a rapidez com que o cérebro de cada voluntário respondia aos vários exemplos, foi pedido a cada um que identificasse quais as emoções que os oradores estavam a tentar transmitir.

Os investigadores canadianos descobriram que o grupo conseguia muito mais facilmente aperceber-se de uma dada emoção através dos sons do que pelas palavras.

A equipa considera que esta preferência pelos sons, em detrimento das palavras, pode ser explicada pela evolução da sobrevivência humana.

“A identificação das vocalizações emocionais depende de sistemas do cérebro que são mais antigos em termos evolutivos”, explica Marc Pell, principal autor do estudo e diretor da escola de Ciências da Comunicação e Distúrbios de McGill.

“Compreender as emoções expressas na linguagem falada, por outro lado, envolve sistemas cerebrais mais recentes que evoluíram conforme a linguagem humana era também desenvolvida”.

Os investigadores descobriram ainda que os participantes eram capazes de detetar mais rapidamente a felicidade do que as emoções ligadas à raiva e à tristeza.

Por outro lado, aperceberam-se de que os sons e discursos associados à raiva faziam com que a atividade cerebral fosse mais duradoura do que em qualquer outra emoção.

“Os nossos dados sugerem que os ouvintes se envolvem de uma forma muito intensa quando ouvem vozes irritadas, independente da forma que assumam, para compreender o significado de eventos potencialmente ameaçadores”.

O estudo, recentemente publicado na revista Biological Psychology, descobriu ainda que as pessoas mais ansiosas têm uma resposta muito melhor do que as mais relaxadas.

“Estas vocalizações parecem ter a vantagem de transmitir significados de uma forma mais imediata do que a linguagem”.

“As nossas descobertas são consistentes com estudos de primatas não humanos, o que sugere que as vocalizações que são específicas a uma espécie são tratadas preferencialmente pelo sistema neural em relação aos outros sons”.

ZAP / Hypescience

PARTILHAR

RESPONDER

Contra “radicalismos, xenofobias e intolerâncias”. Marcelo vai ser distinguido pela mais antiga universidade da Europa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, termina esta quarta-feira em Bolonha a sua visita de Estado a Itália, com um dia dedicado à educação, em que será distinguido pela mais antiga universidade da …

Trump recebe Erdogan na Casa Branca para primeiro encontro após ofensiva na Síria

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebe esta quarta-feira na Casa Branca o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, naquele que é o primeiro encontro após a ofensiva turca lançada a 9 de outubro …

O mistério daquilo que torna uma piada engraçada (mas só para algumas pessoas)

https://vimeo.com/372607767 Aquilo que torna uma piada engraçada poderá depender do contexto social e temporal. Cientistas ainda tentam perceber até que ponto o nosso cérebro pode ter influência neste processo. Acha engraçada esta piada da Suméria de 1900 …

Elon Musk explica como construir uma cidade sustentável em Marte

O CEO da Space X, o multimilionário Elon Musk, revelou na rede social Twitter detalhes sobre os planos da empresa para estabelecer um assentamento em Marte que seja sustentável para os seres humanos. No entender de …

Físicos já conseguem espreitar o gato de Schrödinger sem o matar

Pode haver uma forma de espreitar o gato de Schrödinger - a famosa experiência mental baseada em felinos que descreve o comportamento misterioso das partículas subatómicas - sem matar permanentemente o animal hipotético. O gato de …

Acesso à Internet deve ser considerado direito humano básico

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, concluiu que acesso à Internet deve ser um direito humano básico, pois significa a capacidade participar na vida pública. Merten Reglitz, professor de …

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …