Vila grega “engolida” pela mineração de carvão está quase abandonada

Em Anargyri, há décadas que se extrai lignite, uma forma de carvão de baixo poder calórico que, dado o seu transporte ser pouco rentável, costuma ser consumida próxima dos lugares onde é extraída.

Menos de um sétimo da energia usada no país tem origem no sol ou no vento e um terço provem do carvão. Além das consequências em termos de poluição, há uma outra que se vem tornando cada vez mais direta: o desaparecimento progressivo de vilas e aldeias junto às minas.

Em Anargyri, no norte da Grécia, a terra está cada vez mais negra e esburacada e as estradas cada vez mais irregulares – viver lá tornou-se inseguro.

Não há muito tempo havia cerca de 500 habitante. Agora restam 40. São os que não aceitaram a oferta que lhes fez uma empresa mineira de os mudar para apartamentos arrendados noutro lugar.

Um deles, Michalis Bitas, dono de uma exploração pecuária, contou ao New York Post que o efeito físico da mineração nas casas começou a ser visível em 1986, quando a mineração começou. “Começou a comer as casas lentamente, antes de passar a comer-nos a nós também”. Para explicar por que recusou a oferta da empresa, Bitas explica que não pode mudar as suas ovelhas e a maquinaria para um apartamento. Agora, esperam que a perda das suas casas seja compensada por inteiro.

A nível ambiental, a enorme dependência dos combustíveis fósseis que se verifica na Grécia faz soar o alarme dos ambientalistas. A recente conferência sobre alterações climáticas na Polónia reiterou os avisos sobre os perigos do carvão e 34 grupos publicaram uma carta a pedir ao primeiro-ministro grego que “não renda o país às consequências aterradoras” que se anunciam.

O presidente da PPC, a empresa estatal responsável pela mineração em Anargyri, reconhece que a lignite irá ser gradualmente substituída por outras fontes de energia. Mas nota que se trata de um “combustível estratégico, por ser o único inteiramente controlado” pela Grécia.

A pressão dos credores internacionais gregos também não ajuda. Entre outras exigências que o país aceitou, conta-se a privatização de três unidades de produção de eletricidade que funcionam à base de carvão. O governo tenta aproveitar ao máximo os seus recursos em carvão e gás natural, em especial nas zonas costeiras, para atrair investimento.

Em Anargyri, apesar da destruição das suas casas, os moradores têm sentimentos contraditórios sobre o carvão, uma vez que o PPC é um empregador chave – emprega cinco mil pessoas locais. A outra atração é que a lignite não é vulnerável a oscilações do mercado financeiro ou a choques geopolíticos, ao contrário do petróleo e do gás importados, que na Grécia provêm principalmente da Rússia.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal comer um ovo por dia é mau outra vez

Afinal, comer um ovo por dia não é assim tão bom para a saúde como estudos recentes sugeriam. O maior consumo de ovos e colesterol pode aumentar o risco de doenças cardíacas e de morte …

Na Colômbia, há um "arco-íris líquido" que é descrito como a 8ª maravilha do mundo

Escondido nos confins da Serra da Macarena, na Colômbia, está o rio Caño Cristales. De dezembro a maio, o curso de água é como outro qualquer, apesar de estar rodeado de um dos ecossistemas mais …

Com uma nova interface neural, a telepatia já é possível

Uma equipa internacional de cientistas deu um passo adiante no desenvolvimento de interfaces neuronais para propor uma interface que envolve a transferência de informação entre as pessoas diretamente. As interfaces cérebro-computador podem melhorar as habilidades individuais …

Bombeiros profissionais ameaçam deixar de prestar serviço voluntário nas corporações

Os bombeiros voluntários das associações humanitárias admitem deixar de prestar serviço voluntário nas corporações, caso a Liga dos Bombeiros Portugueses continue por concluir o acordo coletivo de trabalho, que está em negociação há mais de …

Baleia encontrada morta nas Filipinas com 40 quilos de plástico no estômago

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou a imprensa local. O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, …

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …