Grande Mancha Vermelha de Júpiter cresce em altura e diminui de largura

Jason Major / MSSS / SwRI / JPL-Caltech / NASA

Esta imagem melhorada da Grande Mancha Vermelha de Júpiter foi criada pelo cientista-cidadão Jason Major usando dados da câmara JunoCam a bordo da nave Juno da NASA

A Grande Mancha Vermelha de Júpiter tem vindo a diminuir e tamanho. Mas a tempestade parece ter aumentado em área – pelo menos uma vez – e está a crescer em altura à medida que fica mais pequena.

Apesar de já ter sido grande o suficiente para engolir três Terras, a Grande Mancha Vermelha de Júpiter tem vindo a diminuir de tamanho há século e meio. Ninguém tem a certeza por quanto mais tempo a tempestade continuará a contrair ou se desaparecerá completamente.

No entanto, um novo estudo sugere que nem sempre tem sido assim. A tempestade parece ter aumentado em área pelo menos uma vez e está a crescer em altura à medida que fica mais pequena.

“As tempestades são dinâmicas, e é isso que vemos com a Grande Mancha Vermelha. Está constantemente a mudar de tamanho e de forma, e os seus ventos mudam também,” comenta Amy Simon, especialista em atmosferas planetárias do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, no estado norte-americano de Maryland.

Embora as observações decorram há séculos, o primeiro avistamento confirmado da Grande Mancha Vermelha ocorreu em 1831. No entanto, os investigadores não têm a certeza se observadores anteriores, que viram uma mancha vermelha em Júpiter, estavam a olhar para a mesma tempestade.

Observadores interessados têm sido capazes de medir o tamanho e a deriva da Grande Mancha Vermelha acoplando aos seus telescópios oculares com miras. O registo contínuo de pelo menos uma observação deste género, por ano, remonta até 1878.

Simon, autora principal do novo artigo publicado recentemente na The Astronomical Journal, e colegas aproveitaram este arquivo de observações históricas e combinaram-nos com dados de missões da NASA, começando com as duas Voyager em 1979.

O grupo baseou-se, em particular, numa série de observações anuais de Júpiter que membros da equipa têm levado a cabo com o Telescópio Espacial Hubble da NASA como parte do projeto OPAL (Outer Planets Atmospheres Legacy).

A equipa rastreou a evolução da Grande Mancha Vermelha, analisando o seu tamanho, forma, cor, taxa de deriva e velocidades dos ventos internos da tempestade (quando essa informação estava disponível nos dados das missões).

As novas descobertas indicam que a Grande Mancha Vermelha recentemente começou a dirigir-se para oeste mais depressa do que antes. A tempestade tem permanecido sempre à mesma latitude, mantida ali por correntes de jato a norte e a sul, mas circunda o globo na direção oposta à rotação do planeta – para leste.

O estudo confirma que a tempestade tem vindo a diminuir de tamanho desde 1878 e é grande o suficiente para acomodar pouco mais que uma Terra. Contudo, o registo histórico indica que a área cresceu temporariamente na década de 1920.

“Existem evidências nas observações de arquivo de que a Grande Mancha Vermelha cresceu e diminuiu de tamanho ao longo do tempo,” afirma Reta Beebe, professora emérita da Universidade Estatal do Novo México em Las Cruces. “No entanto, a tempestade é agora bastante pequena, há muito tempo que cresceu pela última vez.”

Tendo em conta que a tempestade tem vindo a contrair-se, os investigadores esperavam que os ventos internos ficassem ainda mais fortes, como uma patinadora no gelo que gira mais rápido quando coloca os braços junto ao corpo.

Em vez de girar mais depressa, a tempestade parece ser forçada a esticar-se. É quase como barro a ser moldado numa roda de oleiro. À medida que a roda gira, o artista pode transformar um pequeno bloco redondo num vaso fino empurrando para dentro com as suas mãos. Quanto mais pequena torna a base, mais alto o vaso fica.

No caso da Grande Mancha Vermelha, a mudança em altura é pequena em relação à área que a tempestade cobre, mas é ainda visível.

A cor da Grande Mancha Vermelha também tem vindo a ficar mais escura, tornando-se intensamente alaranjada desde 2014. É possível que as substâncias químicas que dão cor estejam a ser levadas para mais alto na atmosfera. A maiores altitudes, as substâncias químicas são submetidas a mais radiação UV.

De certa forma, o mistério da Grande Mancha Vermelha só parece aprofundar-se à medida que a tempestade icónica se contrai. Os investigadores não sabem se a mancha vai continuar a ficar mais pequena e depois estabilizar, ou se se dissipa completamente.

“Se as tendências que vemos na Grande Mancha Vermelha continuarem, os próximos 5-10 anos podem ser muito interessantes do ponto de vista dinâmico,” comenta o coautor do estudo Rick Cosentino de Goddard.

“Podemos ver mudanças rápidas na aparência física e no comportamento da tempestade, e talvez a mancha vermelha acabe, afinal de contas, por deixar de ser grande”, conclui.

// CCVAlg

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. TUDO o que aqui se refere relativo ao planeta Júpiter é a prova inequívoca das alterações climáticas provocada pela “Local Fluff”, altamente magnetizada e quente, a qual o nosso sistema solar está a atravessar e os planetas exteriores (plutão, neptuno, urano, saturno,júpiter..)são os primeiros a sentir os efeitos dessa nuvem (mas nós também já sentimos) A NASA não diz isso abertamente, pois isto são só jogos de dinheiro e interesse e toda a agenda das alterações climáticas antropogénicas cairia por terra.

RESPONDER

Estoril vs Benfica | Salvio em cima do gongo

O Benfica arrancou um suado triunfo por 2-1 na visita ao Estoril Praia. A formação benfiquista marcou primeiro, foi superior no primeiro tempo, mas no segundo, os “canarinhos” deram a volta ao texto e justificaram …

Cientistas criam "tatuagem biomédica" para detetar vários tipos de cancro

Cientistas suíços desenvolveram uma "tatuagem biomédica" que escurece quando deteta mudanças no corpo que podem indicar a presença de cancro. Os investigadores do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (ETH), na Suíça, desenvolveram uma "tatuagem biomédica" …

Vinho tinto e frutos vermelhos podem prevenir doenças mentais

As substâncias presentes nos frutos vermelhos e no vinho tinto podem contribuir para a prevenção da depressão e doenças neurodegenerativas. Investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (Cintesis) descobriram que as substâncias …

Karl Lagerfeld: "Se não querem que vos baixem as calças, não sejam modelos"

O designer não ficou calado e fez declarações sobre queixas de assédio sexual na indústria do cinema e da moda à revista francesa Número Magazine. Karl Lagerfeld, designer de moda e responsável pela Fendi e Chanel, …

Descobertas acidentalmente ossadas humanas com mil anos enterradas duas vezes

Uma equipa de investigadores do Instituto Politécnico Nacional do México descobriu restos mortais de antigos indígenas que datam do ano de 1100 d.C.. Fósseis humanos com cerca de mil anos foram encontrados na praia de El …

Vem aí chuva de poeiras vindas do Norte de África

Este fim de semana, o sul de Portugal pode enfrentar uma chuva carregada de poeiras vindas do Norte de África. O IPMA explica que se trata apenas de uma deposição. Uma chuva de poeiras pode atingir …

Marcelo deverá vetar mudança de género aos 16 anos

O Presidente da República deverá vetar a lei que permite a mudança de género no registo civil aos 16 anos, por questionar não ser necessário um relatório médico. Marcelo Rebelo de Sousa deverá vetar a lei …

Nacionalidade automática para filhos de imigrantes há 2 anos em Portugal

Os filhos de imigrantes que vivam em Portugal há dois anos vão ser considerados portugueses originários, a não ser que declarem que não querem ser portugueses. Esta alteração vai "inverter a atual regra" e irá encurtar …

Eleições de 2019 com plano europeu para travar perturbações nas redes sociais

Em 2019, o objetivo central dos técnicos da "sala de situação" é proteger as infraestruturas de apoio ao processo eleitoral, nas europeias e as legislativas, ainda sem data marcada. O cenário internacional tem sido marcado pela …

PSD dá a Costa espaço para reformar o SNS sem o Bloco

O ministro-sombra da saúde de Rui Rio, Luís Filipe Pereira, está a preparar um documento estratégico sobre o SNS. O PSD pretende, assim, ir a jogo na discussão sobre o futuro do Serviço Nacional de Saúde. A …