Em 30 mil anos, a grande Barreira de Coral morreu cinco vezes

Hostelworld.com

Grande Barreira de Coral, Australia

A Grande Barreira de Coral, na Austrália, já morreu cinco vezes nos últimos 30 mil anos, devido a alterações no nível da água do mar.

A maior estrutura de organismos vivos do planeta já morreu e ressuscitou cinco vezes nos últimos 30 anos, sempre pela mesma causa: mudanças drásticas no nível médio da água do mar.

Segundo um estudo recente, duas dessas mortes aconteceram há 22 mil anos quando a Terra passava pela última era glacial e ocorreram porque o nível médio da água do mar diminuiu drasticamente. O facto de a água ter congelado, fez com que o nível da água do mar diminuísse, expondo a barreira à atmosfera – fazendo, assim, com que ela morresse.

Mas a barreira ressuscitou sempre. O biólogo Jody Webster acredita que, nos primeiros milhares de anos depois dessas mortes, alguns organismos conseguiram mover-se para regiões mais profundas e voltar à vida.

De acordo com o Observador, além do frio, os facto de os corais terem ficado submersos também condenou a Grande Barreira de Coral, dado que não conseguiram receber a luz do Sol. Aliás, foi isso que matou a barreira três vezes, algo que aconteceu há entre 17 mil e 10 mil anos.

Desta vez – e para não morrerem de vez – os organismos recuaram para zonas mais profundas onde conseguissem estar submersos mas, ao mesmo tempo, os raios solares pudessem entrar. Mil anos depois, a Grande Barreira de Coral conseguiu ressuscitar.

Os cientistas recolheram entre 30 a 40 metros de amostras diretamente de 16 locais distintos da barreira. Depois de interpretar os resultados, Webster considera que “a barreira tem uma maior resiliência a longo prazo do que se pensava anteriormente mas a saúde a curto prazo é mais difícil de prever”.

“Com o branqueamento da Grande Barreira de Coral a que temos assistido ano após ano, diria que este estudo é um grande farol de esperança” para esta estrutura, numa altura em que as temperaturas estão a subir muito mais rapidamente do que nos últimos 30 mil anos, explica, citado pelo New Scientist.

O estudo, publicado recentemente na Nature Geoscience, destaca que o mais provável é que a Grande Barreira venha a morrer mais uma vez nos próximos milhares de anos, graças à era glacial que está a caminho e às consequências das alterações climáticas induzidas pelo Homem.

Mudanças na temperatura e na acidez do mar fazem com que os corais sofram um branqueamento, tornando-os mais suscetíveis a doenças. Sem tempo para recuperar, podem mesmo desaparecer para sempre.

Em abril, o biólogo australiano Terry Hughes disse que “os nossos netos podem nunca ver a Grande Barreira do Coral a recuperar” das mudanças a que o ambiente está a ser sujeito. Aliás, 30% da barreira já está morta.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Novas restrições em Itália recebidas com protestos violentos

Manifestantes saíram à rua em várias cidades italianas, esta segunda-feira, para protestar contra as novas restrições anunciadas pelo Governo para controlar a pandemia de covid-19. De acordo com a agência Associated Press (AP), citada pelo jornal …

Número de Câmaras que devolvem parte do IRS duplicou numa década

O número de Câmaras Municipais que dão desconto no IRS aos munícipes, ao abrigo do Regime Financeiro das Autarquias locais, duplicou em dez anos. O número de Câmaras Municipais a efetuar descontos no IRS a favor …

"Melhor treinador de todos os tempos". Mourinho vai receber prémio na Web Summit

A Web Summit anunciou, esta terça-feira, que o treinador de futebol português vai ser premiado com o "Web Summit Innovation in Sport", durante o evento que decorre online entre 2 e 4 de dezembro. Em comunicado …

Afinal, novo apoio social vai chegar a 250 mil trabalhadores e custar 633 milhões de euros

As negociações do Governo com a esquerda levaram a alterações no novo apoio social, que deverá abranger mais 80 mil pessoas do que inicialmente estava previsto.  O novo apoio social previsto na proposta de Orçamento do …

Geringonça açoriana. PSD pondera ligação com CDS, PPM e Chega (e o PAN é o centro da disputa)

PSD leva em conta "casamento" político com CDS e PPM e estes podem ser opção para o executivo regional. Os sociais-democratas e os socialistas disputam o PAN. Após as eleições nos Açores, que se realizaram no …

"Dei-te quase tudo." PS dedica música ao Bloco, mas não vai em cantigas

"Dei-te quase tudo e quase tudo foi demais." A dedicatória do deputado socialista João Paulo Pedrosa resume a relação tensa do Governo com o Bloco de Esquerda. Sem acordo, parte das propostas no Código de …

Cristiano Ronaldo está a ser investigado em Itália por causa da covid-19

O ministro do Desporto de Itália, Vincenzo Spadafora, anunciou que está em curso uma investigação para "provar" que Cristiano Ronaldo quebrou o protocolo sanitário no âmbito da pandemia de covid-19. Em causa está o facto …

PEV vai abster-se na votação do Orçamento do Estado na generalidade

O Partido Ecologista "Os Verdes" junta-se ao PCP e ao PAN na abstenção da votação da proposta de Orçamento do Estado para 2021, cuja aprovação já está garantida. De acordo com o deputado José Luís Ferreira, …

Ovar volta a ativar Plano de Emergência Municipal

A Câmara Municipal de Ovar reativou o Plano Municipal de Emergência da Proteção Civil face ao aumento do número de casos de covid-19. Salvador Malheiro, decidiu ativar o Plano Municipal de Emergência, a partir das 00:00 …

Crocodilos africanos viveram em Espanha há seis milhões de anos

Há milhões de anos, várias espécies de crocodilos habitaram a Europa. Contudo, era improvável que crocodilos do género Crocodylus - de origem africana - tivessem vivido na bacia do Mediterrâneo. Os vestígios encontrados nas regiões …