Governo da Escócia exige novo referendo para a independência. Boris será “o último primeiro-ministro do Reino Unido”

Scottish Government / Flickr

Nicola Sturgeon, primeira-ministra da Escócia

A chegada de Boris Johnson ao Governo levou a chefe do Governo autónomo escocês, Nicola Sturgeon, a exigir vigorosamente um novo referendo sobre a independência da província britânica.

Numa carta endereçada ao novo primeiro-ministro britânico, a líder do Partido Nacionalista Escocês Sturgeon previu que Johnson será “o último primeiro-ministro do Reino Unido” (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte) e afirmou ser “mais importante do que nunca” que a Escócia tenha uma alternativa para o Brexit.

De acordo com a emissora britânica BBC, Nicola Sturgeon afirma na mesma carta que uma saída do Reino Unido da União Europeia a 31 de outubro sem acordo causaria “danos permanentes“, pedindo a Boris que “mude o rumo” do Brexit.

Em abril passado, o governo escocês anunciou a intenção de promover um novo referendo de independência para a Escócia antes do final da atual legislatura em 2021, procurando inverter o resultado da consulta feira em 2014, quando 55% dos eleitores se opuseram à independência escocesa. Em 2016, no referendo sobre o Brexit, 62% dos escoceses apoiaram a permanência na União Europeia, algo que Sturgeon considerou um argumento para a Escócia ter um estatuto diferente.

Um estudo recente do governo escocês estimou que um Brexit sem acordo poderia resultar na perda de 100.000 postos de trabalho na Escócia.

No entanto, o chefe do executivo britânico defendeu esta quinta-feira, durante o seu primeiro discurso na Câmara dos Comuns, que se o Reino Unido fosse capaz de executar um Brexit razoável, o Partido Nacionalista Escocês (SNP) ficaria sem argumentos para pedir um novo referendo. “Continuariam a dizer seriamente que a Escócia deve aderir ao euro? Será que realmente argumentam que a Escócia se deve submeter a toda a panóplia das leis europeias?”, questionou Boris Johnson.

O líder dos nacionalistas escoceses no parlamento de Westminster, Ian Blackford, respondeu a Johnson, insistindo que Sturgeon tem sido clara que “irá rever o calendário do segundo referendo da independência” e acrescentou que “a Escócia não apoiará as decisões tomadas por charlatões”.

Juncker deixa recado a Boris

Também o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, já deixou claro ao novo primeiro-ministro do Reino Unido a posição da União Europeia sobre o acordo. Numa conversa telefónica com Boris, Juncker reiterou que o Acordo do Brexit firmado entre Bruxelas e Londres é “o melhor e o único” possível para a União Europeia.

“O presidente Juncker ouviu o que o primeiro-ministro Johnson tinha para dizer e reiterou que o Acordo de Saída é o melhor e o único acordo possível”, precisou a porta-voz do executivo comunitário, na sua conta na rede social Twitter.

Mina Andreeva detalhou que, naquela que foi a primeira conversa, embora telefónica, entre ambos, Jean-Claude Juncker sublinhou que a Comissão Europeia está disponível para “adicionar texto” à Declaração Política e para analisar as ideias apresentadas pelo Reino Unido, desde que estas sejam compatíveis com o Acordo de Saída, fechado em novembro por Bruxelas e o Governo de Theresa May.

“Os dois trocaram os seus números de telemóvel e concordaram manter-se em contacto”, revela ainda a porta-voz do executivo comunitário, acrescentando que o político luxemburguês transmitiu também a disponibilidade da Comissão para clarificar de forma mais detalhada a sua posição, caso Johnson assim o solicite.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. No referendo à permanência no Reino Unido em 2014 os escoceses votaram no sentido de se manterem no RU. Esse, foi aliás o argumento decisivo para um resultado que, já assim, espelhava larga divisão na opinião pública.
    Os recentes acontecimentos em nada serviram para o atenuar das fracturas anteriores.
    Tendo-se alterado as condições, natural é que os escoceses decidam deixar o RU para se manterem na UE, aqui como estado independente. Se for para de facto integrarem a UE, excelente! Se vierem para continuar o papel de minagem dos ingleses, deixem-se estar no RU.

    • De acordo com a sua opinião, porque de facto o RU sempre tem estado com um pé dentro outro de fora da UE, sempre foi tratado diferencial-mente com vantagens para eles mas com enormes culpas dos políticos continentais que sempre estiveram de cocaras perante as exigências britânicas, será caso mesmo agora para perguntar caso a saída de todo o RU da UE se concretize se o inglês continuará a fazer parte da língua da União e mais ainda privilegiada como até aqui.

      • O Inglês é a língua franca em todo o mundo. Não faria sentido a UE começar a falar Francês ou alemão porque há muito menos gente a dominar esses idiomas, na Europa. O Inglês não tem sido a língua franca da UE só porque lá estava o Reino Unido.

        • Possivelmente não será tanto assim e para mais ainda lhe vou dizer outra coisa, jamais conseguirão unificar a Europa enquanto não optarem por uma segunda língua em cada país membro e que seja comum a todos eles, falou-se no Esperanzo, no entanto falta de coragem política e provavelmente pressão dos países anglo-saxónicos vai-nos deixar continuar a olhar uns para os outros com um certo ar de desconfiança.

      • É evidente que essa é uma questão muito pertinente. E não menos polémica!
        Em todo o caso, entendo perfeitamente o seu ponto de vista. No entanto, temos de ser práticos: o inglês é o Latim do século XXI. É assim nos negócios, é assim na política, na cooperação judiciária, etc. Logo, ainda que a sua questão seja muito relevante e até tenha toda a razão, a questão aqui é muito simples: a Europa vai deixar toda de falar inglês, só porque sim ou vamos ser pragmáticos. Por muito que custe a engolir o sapo (e custa-me) a resposta é óbvia. O inglês deve continuar a ser uma das três línguas de trabalho da UE.

    • Exacto.
      Os ingleses convenceram os escoceses a ficar no RU para se manterem na UE, agora, como os ingleses estão de saída da UE, é perfeitamente natural e coerente que a Escócia saía do Reino des(Unido) tormando-se independente e integrando a UE!!

    • Na altura do referendo ganhou a permanência (por muito pouco) da Escócia no Reino Unido porque caso saíssem do Reino Unido teriam de sair da UE. Como muitos queriam continuar na UE é natural que este facto tenha pesado na decisão dos escoceses. Agora que a Inglaterra quer sair é natural que a Escócia deva referendar se deve ou não manter-se ligada ao Reino Unido.

  2. E depois da Escócia segue a Irlanda do Sul e começam a batatada com os do Norte, a juntar a outros inúmeros problemas, mas estou certo que o mui competente sr. Johnson, tal qual um anjo salvador, ha-de descer do céu, com uma bandeirinha inglesa em cada mão, e resolve tudo com meia dúzia de larachas.

    • A Irlanda “do Sul” já é um país independente há muito, como República da Irlanda (Eire) e membro da U.E.! Aquilo que se refere é em relação à Irlanda do Norte (Ulster) que está sub administração do Reino Unido.

    • A Irlanda do Sul?!!! Quer dizer a República da Irlanda. Mas olhe que esses são independentes. Não fazem parte do Reino Unido e independentemente do Brexit continuarão pela UE. A Inglaterra aí não manda nada. O problema põe-se na Irlanda do Norte dividida entre Protestantes e Católicos. Aí, manda a Inglaterra e o Brexit poderá trazer alguns velhos problemas de volta.

  3. Caro ZAP, a Escócia não é uma província (tipo Catalunha). É um país. O Reino Unido por usa vez é um país que resulta da união de 4 países: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

    O nome completo deste país resultante da união de 4 países é “Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte”. A “Grã-Bretanha” é a ilha maior onde se encontram Inglaterra, Escócia e País de Gales. A Irlanda do Norte está noutra ilha, juntamente com a República Popular da Irlanda (que não faz parte do Reino Unido).

    Mas em conclusão, a Escócia é um país, embora não seja independente da união de países Reino Unido. Isto na verdade é uma trapalhada que nem os Britânicos entendem verdadeiramente. Têm de ser complicados em tudo, para se sentirem diferentes, enfim… Mas que está mais ou menos ilustrada neste esquema:

    https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Nations_of_the_UK.png

  4. Posso saber porque é que uma vez mais sem motivo aparente, o meu comentário foi censurado arbitráriamente??

    Fiz um comentário em que fazia uma correcção ao texto e o erro continua no texto enquanto o meu comentário foi bloqueado. Serão as pessoas assim tão complexadas que não suportam que lhes sugiram correcções para os seus erros?

RESPONDER

Campanha internacional quer salvar leões subnutridos em parque no Sudão

Várias fotografias de leões subnutridos no zoo de Al-Qureshi, no Sudão, atraíram a atenção de milhares de pessoas, que tentam agora salvar os animais. O fotógrafo Ashraf Shazly encontrou cinco leões malnutridos, enjaulados e sem …

Joacine Katar Moreira defende mais direitos para deputados não inscritos em partidos

A deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, defendeu nesta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos, durante uma reunião do grupo de trabalho para racionalizar os votos objecto de …

Nova universidade internacional de Soros pretende combater populismo e alterações climáticas

O filantropo multimilionário George Soros vai investir mil milhões de dólares (cerca de 904 milhões de euros) numa universidade internacional que terá como foco a oposição a governos autoritários e às alterações climáticas. Segundo avançou o …

"O índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual a nós", diz Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse, durante um vídeo em direto em que comentava a criação do Conselho da Amazónia, que "o índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual …

Jorge Brito Pereira deixa de ser advogado de Isabel dos Santos

O advogado anunciou, esta sexta-feira, que saiu da sociedade de advogados Uría Menéndez Proença de Carvalho, suspendeu a atividade profissional e, como consequência, vai cessar "o patrocínio jurídico" à empresária angolana. "Face às informações publicadas nos …

621 milhões de euros. Ministra reconhece que redução do défice no SNS ficou aquém

A ministra da Saúde reconheceu, esta sexta-feira, que a redução do défice do SNS em 2019 para 621 milhões ficou aquém do que estava previsto, sublinhando o aumento dos custos com pessoal. A ministra da Saúde, …

Governo prevê descontos nas portagens no interior

A ministra da Coesão Territorial disse esta sexta-feira que o novo modelo de desconto das portagens para o interior do país prevê descontos para quem vive, para quem trabalha e para quem visita no …

Excesso de higiene está a tornar a nossa saúde mais frágil, aponta estudo

Um grupo de investigação do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) divulgou recentemente um estudo sobre a perda de diversidade da flora intestinal - também denominada como microbiota - e as consequências desta diminuição na nossa …

Tiroteio na Alemanha faz pelo menos seis mortos e vários feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e várias ficaram feridas num tiroteio, esta sexta-feira, na cidade alemã de Rot am See. Um tiroteio, cujo presumível autor foi detido, fez hoje seis mortos e dois feridos graves em …

IKEA aumenta salário de entrada dos trabalhadores para 700 euros

A IKEA aumentou o salário de entrada para trabalhadores a tempo inteiro de 650 euros para 700 euros brutos mensais, acima do salário mínimo nacional (635 euros), anunciou hoje a cadeia de venda de mobiliário. Em …