Governo australiano acusado de censurar livro sobre história de Timor-Leste

Peter Shanks / Flickr

O Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano está alegadamente a tentar censurar partes do primeiro de dois volumes da história de operações militares em Timor-Leste, o dedicado à Força Internacional para Timor-Leste (Interfet), segundo revelou a imprensa australiana.

Os jornais Fairfax noticiaram que o projeto – que abrange uma história detalhada das operações militares da Austrália em Timor-Leste, no Afeganistão e no Iraque – “está em perigo de colapso com alegações de que burocratas estão a tentar censurar o primeiro volume”, noticiou esta segunda-feira a agência Lusa.

Segundo os jornais, a história deveria ter sido publicada há dois meses, mas o lançamento foi adiado por “resistência sem precedentes por parte do governo, especialmente do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Marise Payne”.

Craig Stockings, o historiador responsável pelo projeto do Australian War Memorial, terá dado a conhecer a sua “frustração” pelos sucessivos atrasos e “pelas principais mudanças exigidas pelos burocratas” ao texto final.

Fontes do jornal admitiram que é “normal” que o governo dê ‘feedback’ sobre projetos desta natureza, mas que, neste caso, as objeções do Ministério dos Negócios Estrangeiros vão “muito além dos limites”.

“Várias fontes, incluindo uma que trabalhou no volume, disse que o Governo queria grandes mudanças no projeto para amenizar as revelações sobre as ações das autoridades australianas e militares indonésios durante o destacamento em 1999 e 2000″, referiu.

Uma fonte académica citada pelo jornal indicou: “Como está escrita, a história poderia irritar os indonésios e humilhar os burocratas seniores australianos que, em retrospetiva, parecem excessivamente acomodados com a Indonésia e as suas ações”.

Fontes citadas pelo jornal referem que o texto de Craig Stockings “neutraliza a narrativa triunfante pós-evento e mostra verdades desagradáveis” sobre o comportamento australiano causando “preocupação sobre quão brutais e francas são as avaliações sobre o que ocorreu”.

Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano disse que o departamento tem vindo a colaborar com o Australian War Memorial neste projeto desde 2016, dando acesso aos seus arquivos classificados e disponibilizando pessoas para serem ouvidas. “Fizemos comentários e continuaremos engajados de forma construtiva em todos os volumes da História Oficial”, disse o porta-voz.

Alex Castro / Flickr

Porto de Díli, Timor Leste

Numa mensagem na sua conta no Twitter, o então ministro dos Negócios Estrangeiros, australiano, Alexandre Downer, defendeu que o livro deveria ser publicado.

“Marise Payne [atual ministra dos Negócios Estrangeiros] deveria permitir a publicação da história oficial da Interfet. Eu era ministro dos Negócios Estrangeiros na altura e a história deve ser contada”, escreveu Alexandre Downer.

À Lusa, o académico australiano Clinton Fernandes – autor de vários livros e artigos sobre Timor-Leste – afirmou que as notícias da alegada censura não o surpreendem, tendo em conta a postura de Camberra relativamente ao assunto.

“Não me surpreende que haja resistência a um livro que descreve o papel australiano no período, que foi um de total solidariedade com os militares indonésios”, disse Clinton Fernandes, ex-militar australiano, responsável pela Timor Desk da Força de Defesa Australiana e atualmente professor de Estudos Políticos e Internacionais na Universidade de NSW-Camberra.

Clinton Fernandes referiu que o livro – que terá mais de 400 mil palavras – está pronto “há quase um ano” e que poderia ter sido lançado no passado dia 20 de setembro, quando se cumpriram 20 anos da entrada dos militares australianos em Timor-Leste.

“Pergunto-me se esta censura é parte da razão pela qual o livro não foi lançado aquando da visita do primeiro-ministro australiano a Dili durante os 20 anos do referendo ou depois no aniversário da Interfet”, declarou. “Teria sido uma ocasião ideal para lançar uma história oficial como esta”, sublinhou.

O académico acrescentou que a ação de Camberra neste caso se assemelha à que as autoridades tomaram há 15 anos aquando da publicação de um dos seus livros sobre Timor-Leste, Reluctant Saviour, em que “a coisa não foi tão benigna, tendo chegado a ameaçar processar-me caso publicasse”.

A história oficial das operações em Timor-Leste, Afeganistão e Iraque foi encomendada pelo então primeiro-ministro Tony Abbott em 2015, tendo sido acordados seis volumes, dois quais um relativo à Interfet – entre 1999 e 2000 – e outro do período entre 2000 e 2012.

Craig Stockings, que integrou a Interfet, é autor do volume sobre a Interfet e os historiadores Andrew Richardson e William Westerman são autores das duas partes do segundo volume.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Real Madrid contrata Reinier. É a transferência de inverno mais cara de sempre do clube

O Real Madrid confirmou hoje a contratação do médio ofensivo brasileiro Reinier, que atuava no Flamengo de Jorge Jesus, num negócio que envolve uma verba de 30 milhões de euros, segundo a imprensa espanhola. Os 'merengues' …

Hospitais de Santa Maria e Pulido Valente querem "internar" em casa 1.800 pacientes por ano

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) vai começar no princípio de fevereiro a “internar” doentes em casa, projetando que, dentro de três anos, seja o maior serviço de hospitalização domiciliária do país, tratando 1.800 …

Pneumonia viral na China já fez seis vítimas mortais

Subiu para seis o número de mortos na China devido ao vírus de pneumonia que está a assolar o País. Esta terça-feira registaram-se 77 novos casos da misteriosa doença com origem na cidade Wuhan, elevando …

Gil Vicente tem um registo único em Portugal e apenas igualado por "gigantes" europeus

O Gil Vicente é a única equipa imbatível em casa na liga portuguesa. Apenas oito equipas no resto da Europa conseguem equiparar este registo de invencibilidade. O Gil Vicente é a única equipa da Liga NOS …

Governo avança com incentivos à natalidade. Baixas para assistência a filho vão ser pagas a 100%

O Governo vai avançar com novos incentivos à natalidade. Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, avança que as baixas para assistência aos filhos passarão a ser pagas a 100%. Em entrevista ao …

OE2020. Afinal, o risco de incumprimento é "bastante baixo"

O presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças de Portugal mostrou-se esta segunda-feira despreocupado com os alertas da Comissão Europeia, afirmando que, enquanto responsável pela elaboração do Orçamento de Estado para 2020, não conta ter …

Claques do Sporting vão passar a estar numa caixa de segurança no Estádio de Alvalade

A partir da próxima época, o Sporting vai colocar todas as suas claques na arquibancada do Estádio de Alvalade e no interior de caixas de segurança. As claques serão assim "despromovidas" do primeiro anel do …

Rui Tavares sentiu "vergonha alheia" durante discurso de Joacine no Congresso do Livre

O fundador do Livre, Rui Tavares, disse ter sentido “a vergonha alheia dos outros” durante o discurso de Joacine Katar Moreira no congresso do fim de semana. Em entrevista ao Diário de Notícias, o fundador do …

Dono de poço onde Julen morreu condenado a um ano de prisão

O juiz do Tribunal de Instrução n.º 9 de Málaga aceitou o acordo alcançado entre os pais de Julen Roselló, o menino de dois anos que morreu depois de cair num poço, e o dono …

Caio Lucas fez escala de seis meses na Luz e deverá regressar aos Emirados

Após pouco mais de meia época no Benfica, Caio Lucas deverá agora ser emprestado ao Al-Sharjah, dos Emirados Árabes Unidos. A cedência do brasileiro vai render 1,5 milhões de euros ao Benfica. Caio Lucas chegou ao …