Governo australiano acusado de censurar livro sobre história de Timor-Leste

Peter Shanks / Flickr

O Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano está alegadamente a tentar censurar partes do primeiro de dois volumes da história de operações militares em Timor-Leste, o dedicado à Força Internacional para Timor-Leste (Interfet), segundo revelou a imprensa australiana.

Os jornais Fairfax noticiaram que o projeto – que abrange uma história detalhada das operações militares da Austrália em Timor-Leste, no Afeganistão e no Iraque – “está em perigo de colapso com alegações de que burocratas estão a tentar censurar o primeiro volume”, noticiou esta segunda-feira a agência Lusa.

Segundo os jornais, a história deveria ter sido publicada há dois meses, mas o lançamento foi adiado por “resistência sem precedentes por parte do governo, especialmente do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Marise Payne”.

Craig Stockings, o historiador responsável pelo projeto do Australian War Memorial, terá dado a conhecer a sua “frustração” pelos sucessivos atrasos e “pelas principais mudanças exigidas pelos burocratas” ao texto final.

Fontes do jornal admitiram que é “normal” que o governo dê ‘feedback’ sobre projetos desta natureza, mas que, neste caso, as objeções do Ministério dos Negócios Estrangeiros vão “muito além dos limites”.

“Várias fontes, incluindo uma que trabalhou no volume, disse que o Governo queria grandes mudanças no projeto para amenizar as revelações sobre as ações das autoridades australianas e militares indonésios durante o destacamento em 1999 e 2000″, referiu.

Uma fonte académica citada pelo jornal indicou: “Como está escrita, a história poderia irritar os indonésios e humilhar os burocratas seniores australianos que, em retrospetiva, parecem excessivamente acomodados com a Indonésia e as suas ações”.

Fontes citadas pelo jornal referem que o texto de Craig Stockings “neutraliza a narrativa triunfante pós-evento e mostra verdades desagradáveis” sobre o comportamento australiano causando “preocupação sobre quão brutais e francas são as avaliações sobre o que ocorreu”.

Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano disse que o departamento tem vindo a colaborar com o Australian War Memorial neste projeto desde 2016, dando acesso aos seus arquivos classificados e disponibilizando pessoas para serem ouvidas. “Fizemos comentários e continuaremos engajados de forma construtiva em todos os volumes da História Oficial”, disse o porta-voz.

Alex Castro / Flickr

Porto de Díli, Timor Leste

Numa mensagem na sua conta no Twitter, o então ministro dos Negócios Estrangeiros, australiano, Alexandre Downer, defendeu que o livro deveria ser publicado.

“Marise Payne [atual ministra dos Negócios Estrangeiros] deveria permitir a publicação da história oficial da Interfet. Eu era ministro dos Negócios Estrangeiros na altura e a história deve ser contada”, escreveu Alexandre Downer.

À Lusa, o académico australiano Clinton Fernandes – autor de vários livros e artigos sobre Timor-Leste – afirmou que as notícias da alegada censura não o surpreendem, tendo em conta a postura de Camberra relativamente ao assunto.

“Não me surpreende que haja resistência a um livro que descreve o papel australiano no período, que foi um de total solidariedade com os militares indonésios”, disse Clinton Fernandes, ex-militar australiano, responsável pela Timor Desk da Força de Defesa Australiana e atualmente professor de Estudos Políticos e Internacionais na Universidade de NSW-Camberra.

Clinton Fernandes referiu que o livro – que terá mais de 400 mil palavras – está pronto “há quase um ano” e que poderia ter sido lançado no passado dia 20 de setembro, quando se cumpriram 20 anos da entrada dos militares australianos em Timor-Leste.

“Pergunto-me se esta censura é parte da razão pela qual o livro não foi lançado aquando da visita do primeiro-ministro australiano a Dili durante os 20 anos do referendo ou depois no aniversário da Interfet”, declarou. “Teria sido uma ocasião ideal para lançar uma história oficial como esta”, sublinhou.

O académico acrescentou que a ação de Camberra neste caso se assemelha à que as autoridades tomaram há 15 anos aquando da publicação de um dos seus livros sobre Timor-Leste, Reluctant Saviour, em que “a coisa não foi tão benigna, tendo chegado a ameaçar processar-me caso publicasse”.

A história oficial das operações em Timor-Leste, Afeganistão e Iraque foi encomendada pelo então primeiro-ministro Tony Abbott em 2015, tendo sido acordados seis volumes, dois quais um relativo à Interfet – entre 1999 e 2000 – e outro do período entre 2000 e 2012.

Craig Stockings, que integrou a Interfet, é autor do volume sobre a Interfet e os historiadores Andrew Richardson e William Westerman são autores das duas partes do segundo volume.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Chovem diamantes no interior de Neptuno e Urano (e já se sabe porquê)

Podem estar a chover diamantes dentro dos corações de Neptuno e Urano. Agora, os cientistas descobriram novas evidências experimentais que mostram como é que isso poderia ser possível. Neptuno e Urano são os planetas mais mal …

Descobertas duas super-Terras na zona habitável de uma das estrelas mais próximas do Sistema Solar

Uma equipa internacional de cientistas encontrou duas super-Terras a orbitar uma das estrelas mais próximas do Sistema Solar. Conduzida pela Universidade de Göttingen, na Alemanha, a equipa de especialistas localizou um sistema formado por pelo …

Sporting 2-1 Gil Vicente | Leão de Plata só sabe vencer

O Sporting cumpriu na recepção ao Gil Vicente, no fecho da 29ª jornada da Liga NOS, e venceu por 2-1, num jogo que pareceu sempre controlado, mas que terminou com emoção. Os “leões” dominaram por completo …

Leões marinhos decapitados estão a dar à costa no Canadá (e ninguém sabe porquê)

Os corpos decapitados de pelo menos cinco leões-marinhos encontrados nas costas de Vancouver, no Canadá, nos últimos meses sugerem que pode haver um serial killer de mamíferos marinhos à solta. O LiveScience relata que pelo menos …

Este japonês é a única pessoa no mundo a ter um mestrado em Estudos Ninja

Um homem japonês tornou-se a primeira pessoa no mundo a ter um mestrado em Estudos Ninja depois de concluir um curso de pós-graduação que envolvia a aprendizagem de artes marciais básicas e escalada de montanhas. De …

Cátio Baldé acusado de comprar vistos para jogadores do Benfica

Cátio Baldé está a ser acusado de corrupção passiva por ter pagado a um funcionário da embaixada portuguesa em Bissau para conseguir vistos para jogadores do Benfica. O empresário admite o crime, mas nega o …

Ex-polícia admite ser "Assassino de Golden State" e declara-se culpado de 13 homicídios

O ex-polícia norte-americano Joseph DeAngelo declarou-se, esta segunda-feira, culpado de 13 homicídios. Mais conhecido como o "Assassino de Golden State", DeAngelo foi preso em 2018, após 40 anos de investigação. A identificação do criminoso apenas foi …

Infarmed garante ter stock de remdesivir, apesar da compra massiva dos EUA

Depois da notícia de que os EUA compraram à empresa Gilead Sciences praticamente toda a reserva para três meses do medicamento remdesivir, o primeiro aprovado no país no tratamento de covid-19, o Infarmed garante que …

Orfão, capturado e apresentado à rainha. A história da mais antiga fotografia de um indígena da Nova Zelândia

Um daguerreótipo - primeiro processo fotográfico do mundo - mantido na Biblioteca Nacional da Austrália é o mais antigo retrato fotográfico conhecido de um indígena maori da Nova Zelândia. Na imagem antiga, um adolescente aparece vestido …

Uma mesa de 490 metros na Charles Bridge. Em Praga, o fim da restrições celebrou-se com um jantar em massa

Os habitantes de Praga, capital da República Checa, construíram uma mesa com quase 490 metros e realizaram um enorme jantar público esta terça-feira para comemorar o fim do bloqueio do coronavírus no país. De acordo com …