Golfinhos apanhados a tentar afogar filhote recém-nascido

DR BBC

Mãe golfinho tenta salvar filhote que golfinhos machos tentam afogar

Mãe golfinho tenta salvar a cria que golfinhos machos tentam afogar

Esta é uma das histórias mais cruéis da natureza: um recém-nascido desamparado é ameaçado ou até morto por membros da sua própria espécie.

Chama-se infanticídio e é algo que acontece em várias espécies, de leões a primatas. Mas raramente é observado entre golfinhos, criaturas amplamente vistas como dóceis.

Pela primeira vez, cientistas puderam testemunhar uma fêmea de golfinho-nariz-de-garrafa dar à luz no seu habitat natural, para ver a sua cria atacada poucos minutos depois.

O incidente ocorreu em Agosto de 2013 e foi descrito num artigo publicado a semana passada na Marine Mammal Science, no qual a bióloga Robin Perrtree, da Savannah State University, nos Estados Unidos, conta como dois machos tentaram afogar o bebé golfinho dois minutos depois de este nascer, perto da ilha de Tybee, no Estado americano da Geórgia.

Mãe e cria acossados

Os golfinhos-nariz-de-garrafa são a espécie mais comum deste animal, o que torna impressionante o facto de os cientistas nunca terem observado um parto fora do cativeiro.

Quando Perrtree e os seus colegas se aproximaram de um grupo de golfinhos, notaram uma fêmea aparentemente a debater-se na água. Aperceberam-se de imediato de que a sua cria estava rodeada de sangue, provavelmente libertado pela placenta da mãe.

“As águas estavam muito enlameadas, pelo que tínhamos pouca visibilidade”, lembra a bióloga, em declarações à BBC.

O grupo ficou surpreendido por testemunhar o parto.

“Começámos a filmar a cena, mas de repente, dois outros animais juntaram-se ao grupo e começaram a tentar afundar a cria”, descreve Perrtree.

Ataque premeditado?

Cada vez que o duo tentava afogar o bebé, a mãe empurrava-o para fora da água, apoiado na sua cabeça, para poder respirar.

Mas os dois machos continuaram a empurrar o recém-nascido para o fundo do mar por mais 30 minutos. Perrtree disse-se chocada por ver como “saltavam para cima do bebé”.

A dupla de golfinhos ainda perseguiu a mãe e a cria durante duas horas e meia. Pararam de atacá-los fisicamente, mas continuaram com um comportamento agressivo debaixo de água, mostrou uma gravação acústica feita pelos pesquisadores.

Apesar de admitir não ter a certeza, a bióloga acredita que o ataque pode ter sido premeditado. Os machos foram observados a nadar em torno da mãe uma hora e meia antes do nascimento, talvez perseguindo-a para preparar o infanticídio.

“Talvez tenha sido coincidência, mas a atitude dos machos levanta a questão. Estariam ou não a espiar a fêmea antes do parto?”, pergunta-se Perrtree.

Fenómeno comum?

O infanticídio é raramente observado em cetáceos, o grupo que inclui golfinhos, baleias e orcas.

O fenómeno já foi testemunhado duas vezes entre golfinhos-nariz-de-garrafa, mas esta foi a primeira vez que se viu uma tentativa de afogar a cria. Nos casos anteriores, o bebé era atirado ao ar para lhe provocar ferimentos e o levar à exaustão.

A nova descoberta mostra que os ataques podem acontecer debaixo de água, o que os torna mais difíceis de serem notados. Por isso, o infanticídio entre golfinhos pode ser mais comum do que se imagina.

“Este é um dos muitos factores que podem causar a morte de uma cria jovem”, afirma Perrtree.

“Acho que ninguém esperaria uma tentativa de matar um bebé minutos após o nascimento. Noutros cetáceos, isso ocorreu de dias a semanas depois”, acrescenta.

Os cientistas acreditam que os machos cometem infanticídio para libertarem as fêmeas para o acasalamento.

Se uma fêmea de golfinho tem que cuidar de um filhote, chega a passar anos indisponível. Mas se perde o bebé logo após o parto, pode estar pronta para acasalar novamente meses depois.

A equipa americana não sabe o que aconteceu à a mãe à cria, que foram vistos 24 horas depois, mas desde então não foram mais avsitados.

Tal não é no entanto surpreendente, já que antes do incidente, a mesma fêmea esteve três anos sem ser vista.

Por isso, é possível que mãe e cria estejam a salvo em algum canto do oceano.

ZAP / BBC

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Pois este bebé golfinho ainda foi atacado por dois machos que possivelmente nem pais seriam enquanto nos “humanos” ainda agora uma moça pariu e atirou o bebé esgoto abaixo e quantos casos de pais a eliminarem os filhos não acontecem por esse mundo a fora, serão os golfinhos mais desumanos do que os chamados humanos?.

  2. Equipe?!
    Bem…. em Portugal escreve-se “equipa”!!!
    Faz falta (neste site e não só), mais respeito por Portugal e pelos portugueses (e, no geral, pela Língua Portuguesa)!!

  3. Mas será possível algum dia nestes websites e não só, ler-se apenas Português genuíno de Portugal e não uma brasileirada indígena ?

RESPONDER

Encontradas fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico

Investigadores encontraram fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico. As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para esta contaminação. Há muito tempo que o Ártico provou ser um barómetro da saúde …

Campus universitários nos Estados Unidos podem tornar-se super-propagadores da covid-19

Os campus universitários podem tornar-se super-propagadores do novo coronavírus, que causa a covid-19, para toda a sua área de abrangência, concluiu uma nova investigação levada a cabo nos Estados Unidos. Analisando os 30 campus universitários …

A "máscara mais inteligente do mundo" é recarregável, tem microfone e dá luz

A Razer afirma ter criado a máscara mais inteligente do mundo. O Projeto Hazel é um design com um revestimento externo feito de plástico reciclado à prova de água e é transparente para permitir a …

Novo tratamento permite que pessoas com lesões na espinal medula voltem a mexer mãos e braços

Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington conseguiu ajudar seis participantes com lesões traumáticas da espinal medual a recuperar alguma mobilidade de mãos e braços. Muitas das pessoas que sofrem lesões traumáticas da espinal medula …

Ventiladores comprados à China custaram 1,3 milhões. Autarquias algarvias vão pedir devolução do dinheiro

Os 30 ventiladores comprados à China seriam usados nos hospitais do Algarve, mas os equipamentos não funcionam. Os autarcas vão agora exigir devolução do dinheiro. De acordo com a edição do jornal Público deste domingo, o …

EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país …

Alexei Navalny detido no regresso à Rússia

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido este domingo no aeroporto em Moscovo quando regressava à Rússia. Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram o opositor russo Alexei Navalny, este domingo, à chegada a Moscovo, acusando-o …

Prazo para trocas ou devoluções suspenso durante confinamento

O prazo para efetuar trocas ou devoluções de bens ficará suspenso durante o atual confinamento e as garantias que terminem neste período ou nos 10 dias seguintes serão prorrogadas por 30 dias, segundo diploma publicado …

Desde 2001 que polícias negros alertam para racismo de agentes do Capitólio

Com a invasão do Capitólio, investiga-se o alegado racismo existente na Polícia do Capitólio. Desde 2001 que agentes negros denunciam casos de discriminação racial no departamento. Desde 2001, centenas de agentes policiais negros processaram o departamento …

Um megatsunami devastou uma vila na Gronelândia. Três anos depois, há quem não possa voltar a casa

Em junho de 2017, Nuugaatsiaq, na Gronelândia, foi devastada por um megatsunami, cujas ondas foram desencadeadas por um enorme deslizamento de quase 30 quilómetros através do fiorde. Embora as ondas se tivessem dissipado quando chegaram a …