Golfinhos apanhados a tentar afogar filhote recém-nascido

DR BBC

Mãe golfinho tenta salvar filhote que golfinhos machos tentam afogar

Mãe golfinho tenta salvar a cria que golfinhos machos tentam afogar

Esta é uma das histórias mais cruéis da natureza: um recém-nascido desamparado é ameaçado ou até morto por membros da sua própria espécie.

Chama-se infanticídio e é algo que acontece em várias espécies, de leões a primatas. Mas raramente é observado entre golfinhos, criaturas amplamente vistas como dóceis.

Pela primeira vez, cientistas puderam testemunhar uma fêmea de golfinho-nariz-de-garrafa dar à luz no seu habitat natural, para ver a sua cria atacada poucos minutos depois.

O incidente ocorreu em Agosto de 2013 e foi descrito num artigo publicado a semana passada na Marine Mammal Science, no qual a bióloga Robin Perrtree, da Savannah State University, nos Estados Unidos, conta como dois machos tentaram afogar o bebé golfinho dois minutos depois de este nascer, perto da ilha de Tybee, no Estado americano da Geórgia.

Mãe e cria acossados

Os golfinhos-nariz-de-garrafa são a espécie mais comum deste animal, o que torna impressionante o facto de os cientistas nunca terem observado um parto fora do cativeiro.

Quando Perrtree e os seus colegas se aproximaram de um grupo de golfinhos, notaram uma fêmea aparentemente a debater-se na água. Aperceberam-se de imediato de que a sua cria estava rodeada de sangue, provavelmente libertado pela placenta da mãe.

“As águas estavam muito enlameadas, pelo que tínhamos pouca visibilidade”, lembra a bióloga, em declarações à BBC.

O grupo ficou surpreendido por testemunhar o parto.

“Começámos a filmar a cena, mas de repente, dois outros animais juntaram-se ao grupo e começaram a tentar afundar a cria”, descreve Perrtree.

Ataque premeditado?

Cada vez que o duo tentava afogar o bebé, a mãe empurrava-o para fora da água, apoiado na sua cabeça, para poder respirar.

Mas os dois machos continuaram a empurrar o recém-nascido para o fundo do mar por mais 30 minutos. Perrtree disse-se chocada por ver como “saltavam para cima do bebé”.

A dupla de golfinhos ainda perseguiu a mãe e a cria durante duas horas e meia. Pararam de atacá-los fisicamente, mas continuaram com um comportamento agressivo debaixo de água, mostrou uma gravação acústica feita pelos pesquisadores.

Apesar de admitir não ter a certeza, a bióloga acredita que o ataque pode ter sido premeditado. Os machos foram observados a nadar em torno da mãe uma hora e meia antes do nascimento, talvez perseguindo-a para preparar o infanticídio.

“Talvez tenha sido coincidência, mas a atitude dos machos levanta a questão. Estariam ou não a espiar a fêmea antes do parto?”, pergunta-se Perrtree.

Fenómeno comum?

O infanticídio é raramente observado em cetáceos, o grupo que inclui golfinhos, baleias e orcas.

O fenómeno já foi testemunhado duas vezes entre golfinhos-nariz-de-garrafa, mas esta foi a primeira vez que se viu uma tentativa de afogar a cria. Nos casos anteriores, o bebé era atirado ao ar para lhe provocar ferimentos e o levar à exaustão.

A nova descoberta mostra que os ataques podem acontecer debaixo de água, o que os torna mais difíceis de serem notados. Por isso, o infanticídio entre golfinhos pode ser mais comum do que se imagina.

“Este é um dos muitos factores que podem causar a morte de uma cria jovem”, afirma Perrtree.

“Acho que ninguém esperaria uma tentativa de matar um bebé minutos após o nascimento. Noutros cetáceos, isso ocorreu de dias a semanas depois”, acrescenta.

Os cientistas acreditam que os machos cometem infanticídio para libertarem as fêmeas para o acasalamento.

Se uma fêmea de golfinho tem que cuidar de um filhote, chega a passar anos indisponível. Mas se perde o bebé logo após o parto, pode estar pronta para acasalar novamente meses depois.

A equipa americana não sabe o que aconteceu à a mãe à cria, que foram vistos 24 horas depois, mas desde então não foram mais avsitados.

Tal não é no entanto surpreendente, já que antes do incidente, a mesma fêmea esteve três anos sem ser vista.

Por isso, é possível que mãe e cria estejam a salvo em algum canto do oceano.

ZAP / BBC

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Pois este bebé golfinho ainda foi atacado por dois machos que possivelmente nem pais seriam enquanto nos “humanos” ainda agora uma moça pariu e atirou o bebé esgoto abaixo e quantos casos de pais a eliminarem os filhos não acontecem por esse mundo a fora, serão os golfinhos mais desumanos do que os chamados humanos?.

  2. Equipe?!
    Bem…. em Portugal escreve-se “equipa”!!!
    Faz falta (neste site e não só), mais respeito por Portugal e pelos portugueses (e, no geral, pela Língua Portuguesa)!!

  3. Mas será possível algum dia nestes websites e não só, ler-se apenas Português genuíno de Portugal e não uma brasileirada indígena ?

RESPONDER

Costa diz que reforma das Forças Armadas “tem simplesmente de ser implementada”

O primeiro-ministro, António Costa, apontou hoje que, ultrapassada a fase de debate, a reforma da estrutura superior das Forças Armadas “tem simplesmente de ser implementada”, enaltecendo ainda o trabalho dos militares no combate à covid-19. “Ultrapassada …

Presidente de clube detido por posse de arma (mas há muito para investigar)

Prisão em flagrante delito do presidente do Tupi, José Luiz Mauler Júnior. Há várias denúncias ao funcionamento das camadas jovens do clube. O clube é da cidade Juiz de Fora e agora o seu presidente terá, …

Alemanha indemniza homossexuais perseguidos ou condenados até 1969

As autoridades alemãs indemnizaram quase 250 pessoas que foram perseguidas ou investigadas pelas leis adotadas pelo regime nazi sobre homossexualidade e que se mantiveram em vigor após o final da II Guerra Mundial. O Departamento Federal …

PS deverá vencer em Almada, mas sem maioria absoluta

Resultados da sondagem apontam para um novo executivo minoritário, tal como aconteceu há quatro anos. PS está em vantagem. De acordo com uma sondagem realizada pelo Cesop - Universidade Católica Portuguesa para o Público, a atual …

Chega pede arquivamento de processo do Ministério Público sobre alterações estatutárias

O partido Chega pediu o arquivamento do processo do Ministério Público relativo às alterações estatutárias introduzidas no congresso de Évora, em setembro de 2020, por considerar que o processo tem “ausência de fundamento legal”. “Requer-se o …

Professores e alunos com doenças de risco ficam em casa - mesmo estando vacinados

Com o início do ano letivo, nem todos os alunos e professores estão de regresso às escolas. Aqueles que estão sinalizados como doentes de risco vão manter o acesso aos regimes excecionais, aprovados por causa …

Já é possível extrair lítio dos resíduos da produção de combustíveis fóssil

Investigadores norte-americanos descobriram uma forma de extrair lítio de forma sustentável, através das águas residuais da produção de combustíveis fósseis. Graças à sua utilização em dispositivos eletrónicos, o lítio é um elemento cada vez mais procurado, …

Ministro do Ambiente visita Moçambique com dois milhões e projetos de cooperação na carteira

O ministro do Ambiente e da Ação Climática português inicia quarta-feira uma visita a Moçambique, onde irá contactar com projetos apoiados por Portugal e anunciar investimentos ao nível da cooperação na ordem dos dois milhões …

Governo espanhol avança com "plano de choque" para reduzir tarifas de eletricidade

Ministros do Governo de Sanchéz (PSOE) afirmam que o conjunto de medidas apresentadas conseguirão reduzir a fatura da eletricidade para os consumidores em 12% e reiteram a promessa feita de que o ano de 2021 …

Textor suspende compra de acções da Benfica SAD após dúvidas do clube (e Vieira diz que não recebeu a carta)

O empresário norte-americano John Textor anunciou que suspendeu o acordo com José António dos Santos, o "Rei dos Frangos", para a compra de 25% das acções da SAD do Benfica, até à realização das eleições …