Gelo do Ártico está a derreter a uma velocidade nunca vista

NASA

Placa de gelo na Antártica

Placa de gelo na Antártica

O gelo do Ártico está a derreter a uma velocidade nunca vista, o que ameaça colocar tanta água fresca no Atlântico Norte que pode desfazer a forma como o oceano regula a temperatura global.

O oceanógrafo belga Roger François, dirigente de uma missão científica ao Ártico a bordo do quebra-gelo Amundsen, da Guarda Costeira canadiana, mostrou-se preocupado com as consequências do ritmo das alterações climáticas para os fundos e as correntes do fundo do mar, considerando que este desequilíbrio pode agravar os efeitos do aquecimento global.

Durante os últimos dois milhões de anos, as temperaturas subiram e desceram em ciclos de 100 mil anos, com a formação de um bloco de gelo sobre o Ártico, seguida por um rápido degelo, disse á AFP.

O último aquecimento ocorreu há entre 20 mil e 15 mil anos e, na altura, causou uma subida do nível do mar em 130 metros.

“Esta é a tendência com o degelo na Groenlândia e na Antártida”, afirmou François, que é professor na Universidade da Columbia Britânica, em Vancouver.

A grande diferença em relação a hoje é a velocidade. Nunca foi tão rápida“, acentuou.

Cada ciclo é marcado pelo aumento do dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. Na última alteração, a taxa de CO2 no ar aumentou de 180 moléculas (partes) por milhão (ppm) para 280 ppm em cinco mil anos.

Até à Revolução Industrial, o nível permaneceu em 280 ppm, mas desde então disparou para mais de 400 ppm em 2015, especificou.

“Se continuamos desta maneira, e parece que é o que está a acontecer, vamos acabar no final do século com níveis nunca vistos desde o tempo dos dinossauros, o Mesozoico“, com mil ppm, alertou François.

O último degelo, o desaparecimento de gelo de uma área que estava coberta, foi seguido por um período de estabilidade climática, mais longo do que o habitual, o que permitiu ao Homo Sapiens florescer.

“A nossa civilização, como a conhecemos, é o resultado direto das alterações climáticas”, comentou.

No coração deste clima estão as massas de “águas profundas” criadas no Atlântico Norte perto da Groenlândia, quando a água da superfície do mar evapora e arrefece, devido ao vento, o que resulta no aumento da salinidade. A água restante torna-se pesada e mais densa e afunda para bacias profundas.

A água flui então para sul, ao longo dos fundos abissais, e retorna, criando correntes que são “um mecanismo principal para transportar calor do equador para os polos”, detalhou o cientista.

Com o degelo da camada de gelo, a diluição no mar de icebergues de água fresca “reduz a salinidade e dificulta a formação das massas de águas profundas”, explicou.

Mas se a transferência de calor entre o equador e os polos for interrompida, devido à quebra desta circulação de águas profundas, então “as latitudes altas tornam-se muito mais firas”, acrescentou François.

Este cenário já aconteceu durante o último aquecimento global.

Alterar este padrão de circulação de águas profundas é apenas um dos vários fenómenos climáticos que podem ampliar os efeitos do aquecimento global, os designados feedbacks, colocando as alterações climática fora de controlo.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Cada vez dizem uma coisa, conforme se pode ver nas notícias relacionadas… Enfim, não nos devemos esquecer que existem muitos interesses, lobbies, por detrás desta história toda do “aquecimento” global.
    Provocado pelo Homem ou pela Natureza (TODOS os planetas do sistema solar estão a passar por modificações climatéricas extremas e já vem desde os anos 90, agora pensem), a Terra há de encontrar forma de se reequilibrar, mas é claro que o Homem não pode continuar a poluir, a destruir e a desrespeitar a nossa Mãe Terra.

  2. Pois é Joya, o planeta por certo encontrará o equilíbrio já o vem fazendo à milhões de anos, contudo convém não esquecer que em todos esses casos ocorreram extinções em massa , em que poucos sobreviveram, se o planeta se tornar inabitável para os seres vivos, em termos do planeta em si não têm a menor importância agora para os “bichos” e plantas que o habitam o problema já é outro. Se não existirem condições para suportar a vida das diversas espécies, que povoam a Terra, este facto só os afecta a eles e não o planeta em si.

    • Correcto Manel, nessas extinções em massa do passado, não havia poluição feita pelo Homem e que tudo se “reconstruiu” e retomou o seu ciclo.
      Por isso é que digo que devíamos de cuidar bem da nossa única casa universal, pois se tiver que acontecer algum cataclismo, que ao menos não seja culpa do Homem.
      Mas, se tiver que acontecer naturalmente, quem somos nós para o impedir…

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …