Fundação de Serralves diz-se surpreendida. Escolha das peças foi “inteiramente” de João Ribas

José Coelho / Lusa

A Fundação de Serralves considera surpreendente o processo de contestação à presidente da instituição, Ana Pinho, e não vê motivos para a demissão da administração, como pediram três dezenas de manifestantes no Porto.

“Parece-se-me óbvio que há um processo em curso. Não faço ideia quem dirige ou que quem comanda, apenas é absolutamente inesperado, surpreendente até, ainda mais depois de uma abertura de uma exposição que correu sem nenhuma crise“, disse Isabel Pires de Lima, que falava em representação do Conselho de Administração da fundação.

“É uma total surpresa e a manifestação é igualmente surpreendente” acrescentou, sublinhando que entre os manifestantes havia “várias pessoas que têm estado envolvidas na programação de Serralves” e “saberão que as atividades são programadas pelos programadores sem qualquer interferência da administração, nem na escolha da programação e muito menos na escolha das pessoas que são convocadas ou cujo o trabalho é solicitado”.

Dezenas de pessoas manifestaram-se neste domingo em Serralves, no Porto, para exigir a demissão do Conselho de Administração da fundação, na sequência da demissão do diretor artístico do Museu de Arte Contemporânea da instituição, João Ribas.

O próprio João Ribas disse em declarações ao Público que se demitiu na sexta-feira porque “já não tinha condições para continuar à frente da instituição”.

De acordo com o diárop, a demissão surge depois de a administração ter limitado a maiores de 18 anos uma parte da exposição dedicada ao fotógrafo norte-americano Robert Mapplethorpe, comissariada por Ribas, e ter imposto a retirada de algumas obras com conteúdo sexualmente explícito.

Escolha das peças foi “inteiramente” de João Ribas

Em reação às declarações do diretor demissionário, Isabel Pires de Lima, antiga ministra da Cultura, reforçou que a escolha das peças da exposição foi “inteiramente da autoria do João Ribas”, que sabia desde o início que haveria, se necessário, zonas reservadas, como de resto aconteceu em muitos museus do mundo.

“O João Ribas escolheu o que quis e a partir do momento em que escolheu muitas obras com conteúdo sexual explícito foi necessário criar uma zona de reserva, de que ele tinha conhecimento desde sempre”, assegurou, dizendo não saber porque razão o curador deu uma entrevista onde afirmou que não haveria zonas condicionadas.

“Isso, para nós, foi uma surpresa, como de resto lhe comunicámos”, revelou.

Segundo Isabel Pires de Lima, a administração da fundação também não percebeu por que é João Ribas “excluiu 20 obras” da exposição. “Até nos preocupa um pouco porque pagámos o custo de mais 20 obras que não foram usadas”, afirmou.

Cerca de três dezenas de manifestantes, que gritavam palavras de ordem como “Ana Tirana”, “queremos mais 20”, entraram este dominho por volta das 12:00 dentro das instalações da Fundação, onde se mantiveram em protesto contra o que consideram ser um ato de “censura”.

Numa carta aberta que, às 10:00 de domingo, já tinha sido subscrita por 389 pessoas, os signatários exigem, face “aos últimos acontecimentos ocorridos em torno da exposição do fotógrafo Robert Mapplethorpe, que o Conselho de Administração “apresente a respetiva demissão ou, caso não se confirmem os factos expostos, procedam ao contraditório”.

Num comunicado enviado no sábado, o Conselho de Administração da Fundação de Serralves afirma que “não retirou nenhuma obra da exposição“, composta por 159 fotografias “todas elas escolhidas pelo curador”, João Ribas.

A administração acrescentou que “desde o início a proposta da exposição foi apresentar as obras de cariz sexual explícito numa zona com acesso restrito”, afirmando que considerou “que o público visitante deveria ser alertado para esse efeito, de acordo com a legislação em vigor”.

Ainda no sábado, o presidente do Conselho de Administração da Fundação Mapplethorpe, Michael Ward Stout, afirmou que a demissão de João Ribas foi “completamente inapropriada e pouco profissional“, revelando ter ficado “chocado com a atitude”.

A exposição, com fotografias de nus, flores, retratos de artistas como Patti Smith ou Iggy Pop e imagens de cariz sexual foi inaugurada na quinta-feira.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Secreto e lucrativo, o mercado de venda de "fezes de cachalote" pode também ser violento

O âmbar cinza é altamente raro, mas também altamente valioso. Usada na indústria dos perfumes, o mercado deste material pode ser muito perigoso. Deixa na pele uma resina oleosa e tem um cheiro a tabaco, madeira, …

Empresa norueguesa garante que pode "parar" furacões antes que estes se tornam destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de "cortina de bolhas" proposto pela empresa pode provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, uma startup norueguesa, assegura que a sua nova tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem …

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …

Ventura: "Não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada"

O Chega vai questionar formalmente o Governo pelo “facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado” para ir a uma ação de campanha no Porto na sexta-feira, anunciou este sábado André …

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …

Astrónomos resolvem mistério cósmico com 900 anos

Um mistério cósmico com 900 anos, em torno das origens de uma famosa supernova observada pela primeira vez na China no ano 1181, foi finalmente resolvido. Uma nova investigação, publicada dia 15 de setembro no The …

Bons hábitos alimentares podem reduzir a probabilidade de contrair covid-19

Um novo estudo indica que as pessoas que comem muitas frutas e vegetais podem ter menos probabilidades de contrair covid-19. Num pesquisa que envolveu 590 mil adultos, os investigadores descobriram que as pessoas que eram adeptas …

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …