Todos os funcionários públicos com aumento para 635 euros perdem pontos

Miguel A. Lopes / Lusa

O ministro das Finanças, Mário Centeno

Os 70 mil funcionários públicos que este ano chegam à quarta posição da Tabela Remuneratório Única (TRU) – por via das progressões ou por via administrativa – vão ver eliminados os pontos que tinham acumulados para progredir na carreira.

Todos os funcionários públicos que passam a ganhar 635,07 euros este ano vão mesmo perder os pontos da avaliação de desempenho que dariam direito às progressões na carreira, com uma pequena exceção, esclareceu o Ministério das Finanças.

“Para garantir a equidade entre a carreira dos trabalhadores que agora beneficiam da valorização salarial e a dos trabalhadores que, atualmente, já se encontram na posição que garante a remuneração de 635,07 euros, por mérito das respetivas carreiras, os primeiros iniciam a sua progressão em igualdade de circunstâncias com os anteriores“, explica o Ministério de Mário Centeno em comunicado.

Desta forma, continua a mesma fonte, “quem passa para a nova base remuneratória usa, em regra, todos os seus pontos para essa transição“.

Isto significa que os trabalhadores que em 2018 tinham um salário de 580 euros (correspondente ao salário mínimo), passam este ano a ganhar 635,07 euros, mas perdem os pontos que tinham acumulado em anos anteriores na avaliação de desempenho e que dariam direito a uma progressão nos próximos anos.

Para progredir na carreira são necessários dez pontos na avaliação de desempenho e, na quinta-feira em Conselho de Ministros, a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, indicou que apenas quem tinha dez pontos ficaria sem os mesmos com a passagem para os 635,07 euros.

Quem tivesse menos de dez pontos poderia usá-los no futuro para progredir (por exemplo daqui a dois anos, se tivesse oito pontos). Esta era, aliás, a leitura das estruturas sindicais que acusaram o Governo de “injustiças” entre trabalhadores, já que uns manteriam os pontos para progredir e outros não.

Esta sexta-feira, o Ministério das Finanças garantiu que todos os funcionários perdem os pontos, defendendo que o aumento da remuneração base da administração pública constitui uma “substancial aceleração da carreira destes profissionais”.

Apenas os trabalhadores que estão em posições remuneratórias virtuais (que não existem na tabela salarial do Estado) com salários superiores a 607 euros mantêm os pontos da avaliação de desempenho. Questionada sobre quantos trabalhadores estarão nesta situação, fonte do Ministério das Finanças disse à Lusa não saber, mas são “poucos”.

Estes trabalhadores mantêm os pontos porque estão a menos de 28 euros dos 635,07 euros, sendo que a lei obriga a que a progressão na carreira seja superior a este valor. Assim, passam em janeiro para a nova remuneração base (635,07 euros) e, quando obtiverem dez pontos na avaliação de desempenho podem progredir para os 683 euros.

O dirigente da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, contesta a posição das Finanças, considerando tratar-se de “um embuste, uma engenharia jurídica e financeira que irá beneficiar poucos trabalhadores”.

“Isto é uma trapalhada, uma injustiça sem respeito nenhum pelos trabalhadores, um apagão no tempo de serviço para milhares de trabalhadores”, disse à Lusa o sindicalista, que se mostrou surpreendido com a posição do executivo, acrescentando que “esta provocação aos trabalhadores” terá expressão na greve convocada para dia 15 de fevereiro.

Segundo o Governo, o custo da atualização da base remuneratória é de cerca de 50 milhões de euros e irá abranger 70 mil funcionários.

O Governo está obrigado por lei a aumentar a base remuneratória da função pública sempre que o salário mínimo sobe, o que aconteceu este ano, sendo fixado em 600 euros. Caso o executivo tivesse cumprido apenas o que está na lei, o custo da atualização seria de 20 milhões de euros, avançou fonte das Finanças.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em momento "de vida ou morte" da empresa, Huawei tenta evitar despedimentos

O fundador da Huawei, Ren Zhengfei, escreveu na segunda-feira um comunicado interno no qual admite que a empresa está "num momento de vida ou morte" e pediu aos funcionários que não estão com muito trabalho …

Honduras. Ex-primeira dama condenada por desviar verbas quando marido era Presidente

Um tribunal hondurenho condenou a ex-primeira dama Rosa Elena Bonilla por desviar cerca de 600 mil dólares (540 mil euros) em dinheiro do Governo (2010-2014), quando o marido, Porfirio Lobo, era Presidente. Segundo informou esta quarta-feira …

Maduro confirma conversações ao mais alto nível com EUA

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, confirmou esta quarta-feira que membros do seu governo mantêm contactos de alto nível com funcionários da administração norte-americana de Donald Trump. "[Donald] Trump disse que os Estados Unidos [EUA] dialogam …

Pardal Henriques desmente Marinho e Pinto. Recebeu convite mas ainda não é candidato

O presidente do Partido Democrático Republicano (PDR) anunciou que o porta-voz do SNMMP é candidato às legislativas de outubro. Pardal Henriques confirmou o convite mas diz que ainda não tomou uma decisão. "Pardal Henriques vai ser …

Desemprego registado cai em julho para o valor mais baixo desde 1991

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Portugal continua a diminuir. O desemprego registado cai em julho para o valor mais baixo desde 1991. É o chamado desemprego registado que, depois de em …

Nova acusação contra Plácido Domingo. Jornalista espanhola diz que o tenor se aproximou “mais do que devia”

A jornalista espanhola Karmele Marchante acusou o tenor Plácido Domingo de se ter aproximado "mais do que devia com cara de quero, posso e mando". É um dos desenvolvimentos mais recentes do caso Plácido Domingo e …

China confirma detenção de funcionário do consulado britânico em Hong Kong

A China confirmou esta quarta-feira a detenção de um funcionário do consulado britânico em Hong Kong, Simon Cheng Man-kit, desaparecido desde 08 de agosto, numa altura de tensão diplomática entre Pequim e Londres, devido aos …

Parlamento chinês proíbe casamento entre pessoas do mesmo sexo

A China não segue a lei da Formosa, que autorizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e declara que a posição oficial do Parlamento chinês continua a ser de limitar a autorização do casamento …

Mais de 200 mortos em cheias de verão na China

Pelo menos 201 pessoas morreram, em julho e agosto, e 63 estão desaparecidas, na sequência de cheias em diferentes regiões da China, revelaram esta quarta-feira as autoridades chinesas. As vítimas mais recentes foram registadas numa região …

Trump volta a defender regresso da Rússia ao G7

O Presidente dos Estados Unidos voltou nesta terça-feira a defender o regresso da Rússia ao grupo das oito nações mais industrializadas (G8), que afastaram a Rússia em 2014, no seguimento da anexação da Crimeia, em …