Caos, fronteiras fechadas e falta de combustível, comida e medicamentos. Eis os efeitos do Brexit sem acordo

Documentos oficiais divulgados este domingo pelo jornal Sunday Times alertam que uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo vai implicar um período de escassez de combustível, alimentos e medicamentos e o caos nos portos britânicos.

O novo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, prometeu que o Reino Unido vai sair da UE a 31 de outubro, com ou sem acordo. Dadas as dificuldades que se colocam a uma renegociação do acordo fechado com Bruxelas pela ex-primeira-ministra Theresa May nas 10 semanas que faltam até 31 de outubro, data prevista para o Brexit, a possibilidade de uma saída sem acordo parece a mais provável.

O Sunday Times publicou este domingo o que afirma ser um estudo confidencial do executivo sobre as consequências mais prováveis de sair sem acordo. Segundo o relatório, uma saída abrupta pode levar à escassez de alimentos frescos e a perturbações “significativas” no fornecimento de medicamentos, que podem prolongar-se durante seis meses. É também possível que se verifique escassez de água, devido a possíveis interrupções na importação de químicos para o tratamento das águas.

O documento estima também que até 85% dos camiões que atravessam o Canal da Mancha “podem não estar preparados” para as formalidades das alfândegas francesas, o que provocaria longas filas que podem prolongar-se por dias e, consequentemente, graves perturbações no tráfego dos portos britânicos durante meses.

Cerca de 75% dos medicamentos chegam ao Reino Unido através do Canal da Mancha, o que “os torna particularmente vulneráveis a atrasos graves”.

O jornal britânico The Independent escreve também que o Governo britânico planeia acabar com a liberdade de movimento de cidadãos a partir do primeiro dia. A liberdade de movimento de pessoas é uma das quatro liberdades de circulação garantidas no interior da União Europeia (pessoas, mercadorias, serviços e capitais).

Assim que o Reino Unido abandonar o espaço da UE, estas liberdades deixam de se aplicar no território do país, o que pode deixar presas milhares de pessoas sem documentos para cruzar a fronteira a partir daquele momento.

A decisão sobre as fronteiras cabe à ministra do Interior, Priti Patel, que assumiu a pasta no mês passado após a saída de Sajid Javid. A nova governante, apoiante de linha dura do Brexit, pretende que as fronteiras do Reino Unido sejam fechadas logo a partir do dia 31 de outubro — o que implicará a chamada “hard border” entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

Os seus antecessores no cargo pretendiam que a livre circulação de pessoas pudesse ser mantida mesmo após o momento do Brexit, enquanto o Parlamento britânico chegava a um consenso sobre as novas regras a aplicar no futuro. Em caso de acordo, o mais provável é que a nova relação entre Reino Unido e UE inclua uma nova forma de mobilidade facilitada entre os dois territórios.

As dificuldades que se colocam ao Reino Unido em caso de Brexit sem acordo têm sido avaliadas regularmente em estudos académicos e de associações empresariais ou outras, mas têm sido repetidamente desvalorizadas e qualificadas de alarmistas pelos defensores da saída do país da UE.

O ministro para o Brexit, Steve Barclay, assinou este domingo a ordem que revoga a Lei das Comunidades Europeias de 1972, que determinou a adesão do Reino Unido à então Comunidade Europeia e transferiu toda a legislação da UE para o direito britânico. A ordem produzirá efeito quando o Reino Unido formalizar a saída da UE.

Em comunicado, o Governo britânico qualificou a assinatura de “passo histórico” na recuperação do poder nacional sobre a legislação. “Estamos a assumir o controlo das nossas leis, como decidiram os britânicos no referendo de 2016″, lê-se no comunicado. Barclay frisou ainda que este passo “é um sinal claro” para todos os britânicos de que “não há volta atrás” e que o país vai sair da UE a 31 de outubro.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Além da bagunça que o bifes terão de aguentar, já estou ouvindo um Tic…tac…tic…tac… na Irlanda, vendo uma Escócia a querer deixá-los, e contestação nas ruas quando a coisa piorar. O que o governo inglês chama um “passo histórico”, deverá ser antes um “erro histórico”.

  2. Aurêntica chicana política. Alguém esclarecido e de bom senso imagina um país como o Reino Unido com falta de comida? Ou será que havia falta de comida antes de aderir à então CEE?

    • Se estivessem esclarecidos e houvesse bom senso, não haveria Brexit…
      Basta ver a palhaçada que se passa na política britânica onde quem promoveu o Brexit fugiu e já vão no 2° PM sem ter sido eleito…
      Não havia falta de comida (se bem que chamar aquilo comida…), mas, se numa primeira fase o RU não quis saber da CEE, quando estavam falidos (até a Itália ultrapassou o PIB britânico), vieram a correr pedir para entrar!.. Mas, pouco depois, começaram logo com exigências e pedidos de tratamento diferenciado!…
      Típico de parasitas que sempre viveram à custa dos outros – mas esquecem-se que já não tem colóniais nem “parceiros” para emganar/roubar e, se perdem a city londronia e as off-shores (que “vivem” das lavagens de dinheiro), vai ser bonito…

      • Eu só me reportei ao título. Problemas advirão certamente, mas não será falta de combustíveis, comida e medicamentos.
        Já agora, gostaria de salientar que a sondagem publicada há dias pelo Daily Telegraph enuncia um apoio ao Brexit superior ao do referendo. A adicionar a isto, temos a vitória do Partido do Brexit nas eleições europeias. Provavelmente uma grande surpresa para os que julgam que um novo referendo teria um resultado diverso. Devo dizer que conheço o povo inglês o suficiente para não ter ficado surpreendido. Deixe-os andar, cada povo tem aquilo que merece.

  3. Mas será que não foi o povo inglês em referendo que escolheu? Ou a chamada democracia só serve para algumas coisas (o que nos convém)?

    • Meu caro Luis,
      O problema é que o povo inglês escolheu de olhos vendados por montanhas de mentiras. Sendo que no dia seguinte muitos disseram que estavam a votar a favor do Brexit para castigar o governo do que se passava internamente no país – erro crasso!

  4. os comunistas anarquistas abituados a a ocupar a propriedade alheia como se fosse sua, fazem -se de muito preocupados com a falta de alimentos para os ingleses.
    Mas no fundo o que os preocupa é ficarem retidos do canal da mancha ou na fronteira da irlanda. e não poderem mais islamisar a vontadinha.

    • Mas há alguém que tenha ocupado mais “propriedade alheia” do que os britânicos?!
      “Islamizar à vontadinha”? O RU?
      Nunca lá foste, pois não?!…
      Pois… é que não há país europeu mais islamizado que o RU…

RESPONDER

Publicada lista de entidades abrangidas por alargamento da ADSE

A ADSE já publicou a lista de entidades abrangidas pelo alargamento do subsistema de saúde da função pública aos trabalhadores com contrato individual de trabalho. As entidades reguladoras e a maioria das empresas municipais foram …

O "caminho ainda é longo", mas Portugal já administrou um milhão de vacinas

Esta sexta-feira, Portugal ultrapassou o marco do primeiro milhão de vacinas administradas, mas o "caminho ainda é longo". Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, um milhão de vacinas contra a covid-19 administradas, uma marca que o secretário de …

Cavaco fala em "democracia amordaçada" (e na "vergonha" dos números da pandemia)

Este sábado, numa participação na Academia de Formação Política das Mulheres Sociais-Democratas, Cavaco Silva deixou duras críticas ao Executivo de António Costa, sublinhando que a pandemia mostrou um "SNS fragilizado por decisões erradas do governo". O …

Remédio contra piolhos está a ser usado contra covid-19. Infarmed e DGS investigam

"Centenas" de doentes de covid-19, em Portugal, têm sido tratados com o antiparasitário Ivermectina que é usado contra piolhos e lombrigas. Há médicos que o prescrevem e que também o tomam a título preventivo, embora …

Sporting bate recorde histórico, mas até o do 6-3 era melhor (quando Amorim não estava "do lado certo")

O Sporting não perde há 22 jogos e bateu o recorde de invencibilidade dos leões em jogos do campeonato que pertencia à equipa de 1981/1982. Um dado que deixa Ruben Amorim orgulhoso, mas o treinador …

"Estou a morrer." Constança luta por um medicamento para se salvar, Infarmed diz que não recebeu pedido do Hospital

Constança Bradell fez um apelo nas redes sociais, numa publicação em que descreve a luta que está a travar contra a fibrose quística. A jovem, de 24 anos, pede a aprovação do medicamento que lhe …

Um século de luta comunista comemorado com 100 ações pelo país

O mais antigo partido político comemora, esta sábado, 100 anos de existência. PCP vai festejar o aniversário com 100 ações pelo país. O PCP assinala, este sábado, os seus 100 anos com 100 ações, em mais …

Relações esfriadas. Moedas consultou Marcelo, mas dispensou conselhos de Passos

Antes de anunciar a sua candidatura a Lisboa, Carlos Moedas consultou Marcelo Rebelo de Sousa e falou com Paulo Portas. Com Pedro Passos Coelho só falou um dia depois de o seu nome ter sido …

Portugal não pode perder o comboio da Europa. Para Marcelo, é hora de aproveitar o novo ciclo

A crise que assolou o nosso país tem de ser aproveitada para "olhar para os problemas estruturais". A mensagem foi deixada pelo Presidente da República, nesta sexta-feira, na conferência de abertura do Festival P, com …

Santana não desiste e admite candidatar-se à Figueira (mesmo à revelia do PSD local)

Pedro Santana Lopes não fecha totalmente a porta e admite vir a candidatar-se à Figueira da Foz como independente. Mesmo que a concelhia do PSD já tenha tomado uma decisão e avance com Pedro Machado, Pedro …