Freitas do Amaral defende “voto obrigatório” contra abstenção

ISCTE / Flickr

-

O fundador do CDS e ex-ministro do PS Freitas do Amaral defendeu esta sexta-feira a aplicação do “voto obrigatório” como forma de eliminar a abstenção e até de motivar os jovens a participar na vida cívica e política portuguesa.

“Se a abstenção cresce não seria de estabelecer o voto obrigatório, pelo menos nas legislativas? Posso ter mais dúvidas nos restantes atos eleitorais, mas considero que todos os portugueses com direito ao voto deveriam ter de exercê-lo pelo menos nas legislativas”, disse o também ex-candidato presidencial e ministro dos Negócios Estrangeiros num Governo do PS.

Freitas do Amaral falava, na Covilhã, à margem de uma conferência que proferiu sobre as “Funções Visíveis e Invisíveis da ONU”, uma iniciativa organizada pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade da Beira Interior.

Em resposta à questão de como seria possível voltar a motivar os jovens para a vida social e política, o cofundador do CDS apontou o voto obrigatório como uma solução, e sublinhou que não a considera antidemocrática.

“Não tem nada de antidemocrático. Se a vacinação e o seguro automóvel são obrigatórios em Portugal por que é que o voto, que define o que vai ser o nosso país, não pode ser obrigatório?”, questionou.

Renovar o sistema político

Por acreditar que os cadernos eleitorais estão desatualizados, o ex-ministro também ressalvou que não acredita que os níveis de abstenção sejam tão elevados como os que são revelados oficialmente, mas assumiu que acha que o voto obrigatório poderia contribuir para inverter “o crescente desinteresse que os cidadãos demonstram relativamente às decisões que definem o futuro do país”.

“Permitiria eliminar a abstenção e fazer com que todos os cidadãos se sentissem igualmente conscientes de que o seu voto é decisivo para a orientação política do país. Por outro lado, contribuiria para aumentar a participação daqueles que se vão afastando, permitiria ainda reduzir a taxa de abstenção com que Portugal surge nas estatísticas internacionais relativas ao interesse dos cidadãos pela política.

Entre as vantagens que enumerou, Freitas do Amaral referiu a da possibilidade de renovação do sistema político português.

“Tendo em conta que a abstenção é, à partida, dos que estão descontentes, então fazê-los votar podia contribuir para que todos se responsabilizassem e, eventualmente, para que surgissem novos partidos, novas sugestões, novas alianças e portanto renovar o nosso sistema político”, fundamentou.

ZAP/Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Voto obrigatório é uma péssima ideia. A melhor forma de levar as pessoas a votar é um bom esclarecimento do que se pretende fazer e com que meios às populações e promover a equidade e a justiça social no exercício legislativo, executivo e judicial. Quando as pessoas voltarem a confiar na integridade e sentido de serviço público do políticos concerteza votarão em maior número.

  2. Fiz minhas as palavras do PM que se lixem as eleições e acrescentei àquelas que se lixem também os politicos. Cada vez estou mais farto deles e já não os posso ouvir dizer tretas, a fraseologia estéril e barata.
    Se o voto se tornar obrigatório irei votar em branco ou tornar o voto nulo. Pois por cada voto o Estado atribui quanto de subsídio ou de subvenção? Se o Estado não tem dinheiro vai ao bolso do Zé para o sacar para depois o distribuir pelos partidos e forças politicas em subvenções e subsídios daqui não ter nenhum interesse em votar, para além de outros custos que isso me implica gastar gasolina com o Estado a arrecadar mais através do IVA que cobra. Votar é um dever cívico, para mim não é, apenas fruto de uma vontade, agora para os politicos é um dever cívico pois eles lucram com a politica. Ir votar só se for em mim, mas como não me candidato, não irei votar.

  3. estou de acordo com esses comentaristas, e ainda direi mais-Votar por obrigação, não sei ser erá boa ideia,pois obrigar as pessoas a votar,politicamente é obrigar o cidadão ,a obedecer ao ESTADO, que é senão o POVO dentro da a ASSEMBLEIA PARLAMENTO, e que o POVO devia poder assistir as Assembleias, as discussões e aprovações e reprovações do GOVERNO, mas que não deixam entrar as pessoas e as que entram são escolhidas, a dedo.Tudo no GOVERNO é um jogo POLITICO, e claro fazem porcaria, e o povo queer entrar e berrar etc etc,Talvez um dia , um ano etcetc o PARLAMENTO seja mesmo um Parlamento e o POVO possa assistir,e ter participação politica , que represente o POVO no PARLAMENTO, e nas manifestações etcetc-Tipo POLICIA do POVO,ca fora nas manifestações e la dentro no GOVERNO, tal como os POITICOS teem, a defende-los.as wetcetc, enfim –TALVEZ um DIA e acredito que esse dia chegara. Agora parece ser O PARLAMENTO ASSEMBLEIA um CASTELO fortificado, e o POVO a galera,os os.as pobres,os assim e os media etcetc á MODERNA tipo MONARQUIA MODERNA etcetcetc enfimmmm bons tempos virão e ja nãofalta muito…….

  4. Não é novidade… Na Bélgica por exemplo é obrigatório… Para as regionais concorrem centenas de partidos! É um estado parlamentar com duas câmaras (alta e baixa) e que tem um rei como garante da unidade… Há muito que governam em coligações… O voto nulo ou em branco tem outra leitura que a simples abstenção tem em Portugal!

  5. ah o camarada freitas…triste.

    esta cambada do colectivismo cada vez me mete mais nojo.

    e ainda perguntam pq razão as pessoas não os estão para aturar ou pelo menos para participarem desta palhaçada a que chamam de democracia.

Rui Rio continua "em ponderação" e não anunciará qualquer decisão na quarta-feira

A Comissão Política Nacional do PSD vai reunir-se na próxima quarta-feira, mas o presidente do partido não falará ainda publicamente sobre o seu futuro político e continua “em ponderação”, disse à Lusa fonte oficial social-democrata. Segundo …

Ministério nega "situação anómala" de alunos ainda sem professores

Milhares de alunos continuam sem professores um mês depois de as aulas terem começado e o Ministério da Educação diz não ter sido informado de qualquer “situação anómala ou de uma falta sistémica de docentes”. Ainda …

Gage Skidmore

John Bolton denunciou pressão sobre a Ucrânia dois meses antes de sair da Casa Branca

John Bolton, o antigo conselheiro de Segurança Nacional norte-americano que saiu do cargo em setembro em confronto com Donald Trump, fez saber aos advogados da Casa Branca, em julho, que estava em curso uma campanha …

Homem que violava e trancava mulher sem comida tinha sido absolvido do mesmo crime

Um homem de 38 anos que ficou em prisão preventiva por suspeitas de crimes de violência doméstica agravada, violação e sequestro agravado contra a companheira, já tinha sido absolvido antes pela prática do mesmo crime …

Portugal é dos países da UE que mais progrediram na igualdade de género

Portugal está a progredir para uma plena igualdade de género mais rapidamente do que a média da União Europeia, revela o Instituto Europeu para a Igualdade de Género, que coloca o país em 16.º posição, …

"Sem água potável e a urinar em latas". Assim vivem os seguranças dos jogadores do Real Madrid

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) de Espanha, um sindicato operário, denuncia as "péssimas condições" laborais dos seguranças que fazem vigilância a alguns jogadores do Real Madrid, nas suas moradias particulares. "Não há 'guaritas' de vigilância …

Ricardo Serrão Santos vai ser o novo ministro do Mar

O ex-eurodeputado socialista Ricardo Serrão Santos vai ser o novo ministro do Mar, no executivo de António Costa. A notícia foi avançada pela Antena Um/Açores e confirmada pelo Diário de Notícias.  Doutorado em Biologia pela Universidade …

Ex-presidente da Câmara da Covilhã começa a ser julgado por peculato

O antigo presidente da Câmara da Covilhã e também ex-vice-presidente do partido Aliança começa, esta terça-feira, a ser julgado em Castelo Branco, acusado de peculato e prevaricação. A SIC noticiou no fim-de-semana de 16 e 17 …

Dois anos depois dos fogos, há mais de 200 casas excluídas do processo de reconstrução

Dois anos depois dos incêndios na zona centro do país, mais de 200 casas de primeira habitação continuam excluídas do processo de reconstrução. Apesar de as obras estarem licenciadas, as habitações foram chumbadas pela Comissão de …

Professor que pediu dinheiro emprestado para se inscrever como candidato é o novo Presidente da Tunísia

Kais Saied, um professor de Direito reformado, conservador e visto como um homem intocado por qualquer suspeita de corrupção, vai ser o próximo Presidente da Tunísia, segundo os resultados à boca das urnas publicados na …