Freitas do Amaral defende “voto obrigatório” contra abstenção

ISCTE / Flickr

-

O fundador do CDS e ex-ministro do PS Freitas do Amaral defendeu esta sexta-feira a aplicação do “voto obrigatório” como forma de eliminar a abstenção e até de motivar os jovens a participar na vida cívica e política portuguesa.

“Se a abstenção cresce não seria de estabelecer o voto obrigatório, pelo menos nas legislativas? Posso ter mais dúvidas nos restantes atos eleitorais, mas considero que todos os portugueses com direito ao voto deveriam ter de exercê-lo pelo menos nas legislativas”, disse o também ex-candidato presidencial e ministro dos Negócios Estrangeiros num Governo do PS.

Freitas do Amaral falava, na Covilhã, à margem de uma conferência que proferiu sobre as “Funções Visíveis e Invisíveis da ONU”, uma iniciativa organizada pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade da Beira Interior.

Em resposta à questão de como seria possível voltar a motivar os jovens para a vida social e política, o cofundador do CDS apontou o voto obrigatório como uma solução, e sublinhou que não a considera antidemocrática.

“Não tem nada de antidemocrático. Se a vacinação e o seguro automóvel são obrigatórios em Portugal por que é que o voto, que define o que vai ser o nosso país, não pode ser obrigatório?”, questionou.

Renovar o sistema político

Por acreditar que os cadernos eleitorais estão desatualizados, o ex-ministro também ressalvou que não acredita que os níveis de abstenção sejam tão elevados como os que são revelados oficialmente, mas assumiu que acha que o voto obrigatório poderia contribuir para inverter “o crescente desinteresse que os cidadãos demonstram relativamente às decisões que definem o futuro do país”.

“Permitiria eliminar a abstenção e fazer com que todos os cidadãos se sentissem igualmente conscientes de que o seu voto é decisivo para a orientação política do país. Por outro lado, contribuiria para aumentar a participação daqueles que se vão afastando, permitiria ainda reduzir a taxa de abstenção com que Portugal surge nas estatísticas internacionais relativas ao interesse dos cidadãos pela política.

Entre as vantagens que enumerou, Freitas do Amaral referiu a da possibilidade de renovação do sistema político português.

“Tendo em conta que a abstenção é, à partida, dos que estão descontentes, então fazê-los votar podia contribuir para que todos se responsabilizassem e, eventualmente, para que surgissem novos partidos, novas sugestões, novas alianças e portanto renovar o nosso sistema político”, fundamentou.

ZAP/Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Voto obrigatório é uma péssima ideia. A melhor forma de levar as pessoas a votar é um bom esclarecimento do que se pretende fazer e com que meios às populações e promover a equidade e a justiça social no exercício legislativo, executivo e judicial. Quando as pessoas voltarem a confiar na integridade e sentido de serviço público do políticos concerteza votarão em maior número.

  2. Fiz minhas as palavras do PM que se lixem as eleições e acrescentei àquelas que se lixem também os politicos. Cada vez estou mais farto deles e já não os posso ouvir dizer tretas, a fraseologia estéril e barata.
    Se o voto se tornar obrigatório irei votar em branco ou tornar o voto nulo. Pois por cada voto o Estado atribui quanto de subsídio ou de subvenção? Se o Estado não tem dinheiro vai ao bolso do Zé para o sacar para depois o distribuir pelos partidos e forças politicas em subvenções e subsídios daqui não ter nenhum interesse em votar, para além de outros custos que isso me implica gastar gasolina com o Estado a arrecadar mais através do IVA que cobra. Votar é um dever cívico, para mim não é, apenas fruto de uma vontade, agora para os politicos é um dever cívico pois eles lucram com a politica. Ir votar só se for em mim, mas como não me candidato, não irei votar.

  3. estou de acordo com esses comentaristas, e ainda direi mais-Votar por obrigação, não sei ser erá boa ideia,pois obrigar as pessoas a votar,politicamente é obrigar o cidadão ,a obedecer ao ESTADO, que é senão o POVO dentro da a ASSEMBLEIA PARLAMENTO, e que o POVO devia poder assistir as Assembleias, as discussões e aprovações e reprovações do GOVERNO, mas que não deixam entrar as pessoas e as que entram são escolhidas, a dedo.Tudo no GOVERNO é um jogo POLITICO, e claro fazem porcaria, e o povo queer entrar e berrar etc etc,Talvez um dia , um ano etcetc o PARLAMENTO seja mesmo um Parlamento e o POVO possa assistir,e ter participação politica , que represente o POVO no PARLAMENTO, e nas manifestações etcetc-Tipo POLICIA do POVO,ca fora nas manifestações e la dentro no GOVERNO, tal como os POITICOS teem, a defende-los.as wetcetc, enfim –TALVEZ um DIA e acredito que esse dia chegara. Agora parece ser O PARLAMENTO ASSEMBLEIA um CASTELO fortificado, e o POVO a galera,os os.as pobres,os assim e os media etcetc á MODERNA tipo MONARQUIA MODERNA etcetcetc enfimmmm bons tempos virão e ja nãofalta muito…….

  4. Não é novidade… Na Bélgica por exemplo é obrigatório… Para as regionais concorrem centenas de partidos! É um estado parlamentar com duas câmaras (alta e baixa) e que tem um rei como garante da unidade… Há muito que governam em coligações… O voto nulo ou em branco tem outra leitura que a simples abstenção tem em Portugal!

  5. ah o camarada freitas…triste.

    esta cambada do colectivismo cada vez me mete mais nojo.

    e ainda perguntam pq razão as pessoas não os estão para aturar ou pelo menos para participarem desta palhaçada a que chamam de democracia.

Descobertas oito novas fontes de Explosões Rápidas de Rádio vindas do Espaço

As Explosões Rápidas de Rádio (Fast Radio Bursts, FRBs) são dos enigmas mais intrigantes da astronomia moderna. Estes sinais de rádio, por norma, duram milésimos até desaparecer, mas alguns repetem-se de forma irregular. Desde a descoberta …

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …