“Frankenstein” foi inspirado em histórias reais (e verdadeiramente assustadoras)

Lançado em 1818 e escrito por Mary Shelley, Frankenstein completa agora 200 anos. A história do monstro foi inspirada pelos acontecimentos daquela época. Ciência, cultura, energia, saúde e ciência: tudo interligado entre si, para explicar a origem de uma das personagens mais assustadoras de todos os tempos.

No dia 17 de janeiro de 1803, George Forster foi enforcado, por assassinato, na prisão de Newgate, em Londres. Depois da morte, o seu corpo foi transportado cerimoniosamente pela cidade até ao Royal College of Surgeons, onde seria publicamente dissecado.

No entanto, sabe-se agora que o que realmente aconteceu foi mais chocante do que a simples dissecação: Forster terá sido eletrificado.

A descoberta foi feita pelo filósofo italiano Giovanni Aldini, sobrinho de Luigi Galvani, que descobriu a “eletricidade animal” em 1780, ou campo de galvanismo. Segundo o The Times, na primeira aplicação deste processo no rosto de Forster, a mandíbula do falecido tremeu, os músculos adjacentes estavam terrivelmente contorcidos e um dos olhos abriu. Na fase subsequente do processo, a mão direita levantou e as pernas e as coxas mexeram.

Quando Aldini realizou todas estas experiências no criminoso, analisando Forster à lupa, a ideia de que havia uma relação peculiar entre a eletricidade e os processos da vida era já conhecida há, pelo menos, um século. Aliás, Isaac Newton especulou sobre este assunto no início dos anos 1700 e, em 1730, o astrónomo inglês Stephen Gray demonstrou o princípio da condutividade elétrica.

Mas havia, também, vários opositores desta teoria. Alessandro Volta, por exemplo, alegava que a eletricidade animal era produzida através do contacto com metais, em vez de ser uma propriedade do tecido vivo. Para defender a sua teoria, Aldini realizou as suas experiências em Forster.

A ideia de que a eletricidade era um material da vida e que poderia ser usada para trazer de volta os mortos captou desde cedo a atenção de Mary Wollstonecraft Shelley, e terá inspirado a autora de “Frankenstein” a escrever a icónica novela.

Mas, regressando às experiências de Aldini, podemos afirmar que estas eram capazes de captar a atenção de todos – tanto pela positiva como pela negativa. Se uns gozavam Aldini, que defendia que a eletricidade era capaz de ressuscitar os mortos, outros levaram esta ideia muito a sério.

Foi o caso do professor Charles Wilkinson, que auxiliou Aldini nas suas experiências, argumentando que o galvanismo era “um princípio energizante, que forma a linha de distinção entre matéria e espírito, constituindo-se na grande cadeia da criação, o elo interveniente entre a substância corpórea e a essência da vitalidade”.

Em 1814, o cirurgião inglês John Abernethy fez uma alegação muito parecida na conferência anual Hunteriana no Royal College of Surgeons. Na sua conferência, Abernethy afirmou que a eletricidade era uma força vital. Por outro lado, o seu colega cirurgião William Lawrence defendeu que não era necessário invocar uma força vital para explicar os processos da vida, iniciando assim um debate aceso.

Mary e Percy Shelley, marido da autora, sabiam certamente os pormenores de todo este debate – até porque Lawrence era o seu médico de família, explica o Popular Science.

“Frankenstein” foi publicado em 1818 e, esta altura, os leitores estavam já familiarizados com a noção de que a vida poderia ser criada ou restaurada com eletricidade.

Apenas alguns meses após o lançamento do famigerado livro, o químico escocês Andrew Ure realizou as suas próprias experiências elétricas no corpo de Matthew Clydesdale, um indivíduo que havia sido executado por assassinato. Segundo Ure, quando o homem foi eletrificado, “cada músculo reagiu como se tivesse sido uma ação de medo, raiva, horror, desespero e angústia”.

A verdade é que se Frankenstein parece fantasia aos olhos modernos, a autora e os seus leitores originais sabiam que não havia nenhuma fantasia por trás desta misteriosa obra. A ciência por trás de Frankenstein lembra-nos que os debates atuais têm uma longa história por trás e que, em muitos aspetos, os termos dos nossos debates são determinados pelo passado.

Foi durante o século XIX que as pessoas começaram a olhar para o futuro com outros olhos, através da ciência e da tecnologia. Novelas como Frankenstein, em que os autores faziam do seu futuro o ingrediente principal do seu presente, eram um elemento importante nesta nova forma de pensar sobre o amanhã.

Assim, analisar a ciência que fez Frankenstein parecer tão real em 1818 poderia ajudar-nos a olhar com mais cuidado para as formas como pensamos atualmente acerca das possibilidades – e dos perigos – do nosso futuro.

ZAP //

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Diário de oficial nazi revela localização de tesouro escondido na Polónia durante a 2.ª Guerra Mundial

Um diário que esteve na posse de uma sociedade secreta durante décadas contém um mapa que descreve a localização de mais de 30 toneladas de ouro escondidas pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito há …

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …

Musk quer bombardear Marte. Pode ser só um "pretexto" para enviar armas nucleares para o Espaço

O plano de Elon Musk de bombardear Marte é apenas um pretexto para o lançamento de armas nucleares para o Espaço, disse o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin. Bombardear Marte para tornar o …

Quase 20 mil toneladas de combustível derramadas em rio na Rússia

https://cache-igi.cdnvideo.ru/igi/video/2020/6/2/%D0%BD%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D1%81%D0%BA.mp4 Quase 20 mil toneladas de combustível foram acidentalmente derramadas num rio no extremo norte da Rússia, levando as autoridades a declarar uma situação de "emergência" e levantando preocupações entre ambientalistas e residentes. Em comunicado, a associação …

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …